Reportagens

Antártica: turismo descontrolado também é ameaça

Buenos Aires sedia reunião do Tratado Antártico sobre os impactos das alterações climáticas e do turismo crescente no continente gelado.  

Flávia Moraes ·
30 de junho de 2011 · 11 anos atrás
O glaciólogo Jefferson Simões com amostras de gelo na Antártica. Foto: Arquivo Pessoal
O glaciólogo Jefferson Simões com amostras de gelo na Antártica. Foto: Arquivo Pessoal
Representantes de cerca de 300 países, especialistas e ativistas ambientais estão reunidos em Buenos Aires, até a próxima sexta-feira, para a XXXIV Reunião Consultiva do Tratado Antártico. O objetivo é analisar os desafios que o continente austral enfrenta no quadro de mudanças climáticas e o aumento descontrolado do turismo na região.

Dados divulgados pelo IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas), apontam que no oeste da Península Antártica a temperatura média aumentou quatro vezes mais do que no resto do planeta. O resultado desse aquecimento inclui “o rápido colapso e a desintegração das plataformas de gelo que estão mais ao norte; a aceleração do fluxo de geleiras na Península e ainda a migração de algumas espécies de pinguins e outras aves mais para o sul do continente”, explica o glaciólogo Jefferson Simões, diretor do Centro Polar e Climático da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e coordenador-geral do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) da Criosfera.

Além dos impactos referentes ao clima, o turismo na Antártica está sendo pauta das discussões em Buenos Aires. A Secretaria do Tratado Antártico, criada em 2004, informa que cerca de 46 mil pessoas visitam o continente a cada ano, o que também acaba interferindo no ecossistema local. No verão do hemisfério sul, de 1990-1991, 4.698 turistas chegaram à Antártica em barcos e aviões, e este número subiu para 36.875 na temporada 2009-2010, conforme o programa Coalizão Antártica e do Oceano Austral da Fundação Vida Silvestre Argentina (FVSA).

O número crescente de visitantes a cada ano preocupa os signatários do Tratado, bem como os ambientalistas e pesquisadores da criosfera. Isso porque, até o momento, só existem guias e diretrizes para o turismo, mas não regras adequadas para a preservação.

Simões, que já foi à Antártica em 20 expedições científicas, destaca que é preciso valorizar o turismo ambientalmente correto, realizado por navios e iates de pequeno e médio porte (no máximo 250 passageiros), pois as companhias operadoras nessa faixa de visitantes realizam um excelente trabalho de divulgação das ações científicas e políticas na Antártica e do papel do continente nas relações internacionais. “No entanto, devemos restringir ao máximo, e até proibir, o turismo de grande escala, de navios transatlânticos, principalmente pelas razões ambientais, já que essas embarcações difilcimente seguem as regulações e o próprio fato de ancorarem na Antártica já resulta num impacto acumulativo (milhares de turistas em um só navio). Ou seja, há necessidade de aumentar a regulação, internalizar procedimentos na legislação de cada país (para haver controle e cobrança dos cidadãos nacionais que vão à Antártica), mas ao mesmo tempo apoiar o turismo ambientalmente correto!”, conclui.

O Tratado Antártico foi assinado em 1º de dezembro de 1959, em Washington e hoje conta com 16 membros plenos e 20 aderentes. Todos participam da elaboração do conjunto de protocolos e acordos de proteção ambiental que fazem parte do sistema de regulações do Tratado.

{iarelatednews articleid=”25136,24819″}

 

  • Flávia Moraes

    Jornalista, geógrafa e pesquisadora especializada em climatologia.

Leia também

Análises
30 de novembro de 2022

Vem aí a mais importante Conferência Global de Biodiversidade da Década

Junto com a crise climática enfrentamos uma crise de perda de biodiversidade, com uma nova era de extinção. Por isso, a CoP da Biodiversidade que começa em dezembro precisa ter um papel estratégico e fundamental na tomada de decisões

Notícias
30 de novembro de 2022

Amazônia perdeu 11,5 mil km² de floresta em 2022, aponta INPE

Apesar de representar uma queda de 11% em relação à 2021, número, divulgado nesta quarta-feira (30), é o segundo maior em 14 anos

Notícias
30 de novembro de 2022

Censo registra recorde de 25 mil baleias-jubarte na costa do Brasil

Estimativa realizada pelo Projeto Baleia Jubarte confirma tendência de recuperação de jubartes no litoral brasileiro. Espécie já foi quase extinta pela caça indiscriminada

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta