Reportagens

PSOL e PCB apresentam programas ambientais anticapitalistas

Luciana Genro defende “ecossocialismo” e Mauro Iasi critica facilidades de consumo. PCO e PSTU não mencionam meio ambiente nas propostas.

Daniel Santini ·
31 de julho de 2014 · 7 anos atrás

Luciana Genro, do PSOL Foto: Divulgação/Campanha
Luciana Genro, do PSOL Foto: Divulgação/Campanha

Dos quatro partidos com plataformas de esquerda entre os 11 que protocolaram propostas no Tribunal Superior Eleitoral, apenas dois falam do meio ambiente em suas propostas: O PSOL de Luciana Genro e o PCB de Mauro Iasi. Ambos associam os problemas ambientais atuais ao sistema capitalista e defendem que é impossível buscar a preservação da natureza sem alterações na política econômica atual. A proposta do PSOL se apresenta como “ecossocialista” e a do “PCB” como “anticapitalista”.

Em comum, os dois partidos defendem em linhas gerais o controle público sobre áreas estratégicas, como energia e exploração do subsolo. O PSOL faz críticas diretas aos impactos ambientais de políticas energéticas do PSDB e do PT, que “embora diferentes, têm sido um desastre para o Brasil, transitando de um sistema público, planejado e cooperativo, para um sistema privado, mercantil, concorrencial, caro, ineficiente e devastador do meio ambiente”. PCO e PSTU sequer mencionam meio ambiente em suas propostas.

As quatro propostas reunidas neste texto têm menos de 15 páginas cada e trazem diretrizes gerais sobre as quais devem ser construídos os programas de governo, no caso de vitória nas eleições de 2014. No quinto texto da série especial organizada com as principais propostas ambientais dos presidenciáveis, ((o)) eco apresenta as ideias e bandeiras defendidas por Luciana Genro e Mauro Iasi. Abaixo estão as principais propostas relacionadas ao meio ambiente destacadas de maneira clara e objetiva, bem como a íntegra do trecho relacionado ao meio ambiente.

Luciana Genro (PSOL) – proposta na íntegra aqui

A proposta de governo do PSOL se apresenta como “ecossocialista” e defende que “o Brasil e o mundo vivem uma crise socioambiental que está vinculada ao modo como se organiza a economia capitalista”. O programa é centrado em três eixos, sendo um deles “a superação da atual política econômica e do modelo de desenvolvimento, que depreda o meio ambiente e nossas riquezas naturais”.

“Não pode haver uma defesa consequente do meio ambiente sem que se aponte para a superação das leis do capital, que necessita sugar os recursos naturais e explorar o ser humano para garantir a acumulação em benefício de 1% da população, enquanto 99% sofrem as consequências”

O documento defende que “não pode haver uma defesa consequente do meio ambiente sem que se aponte para a superação das leis do capital, que necessita sugar os recursos naturais e explorar o ser humano para garantir a acumulação em benefício de 1% da população, enquanto 99% sofrem as consequências”. O texto fala em uma “nova conjuntura” iniciada a partir de junho de 2013 “mais favorável às lutas sociais e à defesa de um programa de mudanças estruturais, voltado para (…) à defesa de um projeto político e econômico que garanta (…) preservação do meio ambiente e dos bens comuns que devem servir ao interesse da maioria”.

O programa não é dividido em capítulos e não há uma parte exclusiva sobre meio ambiente.

Mauro Iasi (PCB) – proposta na íntegra aqui

O programa “anticapitalista” do PCB relaciona o sistema econômico atual à degradação ambiental. O texto defende que “o simples crescimento econômico capitalista (…) só faz aumentar a destruição da natureza”. Destaca que “a continuidade deste modelo ameaça (…) a própria vida humana, numa irracional exploração de todos os recursos naturais e sociais que são necessários à reprodução da vida” e que “as facilidades de consumo geram um desperdício de recursos e esforços sociais que garantem lucro e ameaçam a vida, seja pela destruição ambiental, seja pelo encurtamento da vida útil das mercadorias”.

Mauro Iasi, do PCB Foto: Divulgação/Campanha
Mauro Iasi, do PCB Foto: Divulgação/Campanha
“O simples crescimento econômico capitalista (…) só faz aumentar a destruição da natureza. A continuidade deste modelo ameaça (…) a própria vida humana”

O documento defende que a “degradação ambiental” é resultado do “desenvolvimento capitalista e não fruto de sua falta ou insufiência” e que é preciso construir uma “alternativa socialista”. Na prática, o programa propõe que “o solo e o subsolo, incluindo todas as riquezas naturais” sejam “transformados em meios sociais” e fala em uma “nova política agrícola sustentável ecologicamente”, com “reforma agrária” e uma “política de desenvolvimento econômico, humano e ecologicamente sustentável”.

O programa não é dividido em capítulos e não há uma parte exclusiva sobre meio ambiente.
 

Rui Costa Pimenta (PCO) – proposta na íntegra aqui

Nenhuma menção à preservação ambiental, apenas uma referência à Amazônia: “Não a internacionalização da Amazônia e a partilha do território nacional pelo imperialismo”.

Rui Costa Pimenta, do PCO Foto: Divulgação/Campanha
Rui Costa Pimenta, do PCO Foto: Divulgação/Campanha

Zé Maria (PSTU) – Proposta na íntegra aqui

Nenhuma menção à preservação ambiental.

Zé Maria, do PSTU Fotos Romerito Pontes/PSTU
Zé Maria, do PSTU Fotos Romerito Pontes/PSTU

 

 

Clique aqui para ler mais sobre as propostas de outros candidatos.

 

 

 

  • Daniel Santini

    Responsável pela plataforma ((o)) eco Data. Especialista em jornalismo internacional, foi um dos organizadores da expedição c...

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.