Reportagens

Código Florestal ajudará na redução de 40% de emissões de CO²

Cálculos feitos por cientistas brasileiros, dentro da iniciativa REDD-Pac, mostram o impacto da aplicação da nova lei até o ano de 2050.

Fabíola Ortiz ·
22 de julho de 2015 · 7 anos atrás

Amazônia. Foto:
Amazônia. Foto:

A nova legislação do Código Florestal será responsável por contribuir, até 2050, para a redução de 40% das emissões de carbono das florestas no Brasil. É o que indica um estudo feito por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Há quatro anos, o Brasil integra uma iniciativa inédita, chamada “REDD-Pac”, um fórum global para compartilhar dados sobre as florestas. A iniciativa é capitaneada pelo Centro Mundial de Monitoramento da Conservação do Programa das Nações Unidas para Ambiente (WCMC) e tem o apoio do Global Land Project, do Instituto Austríaco Internacional para Análises de Sistemas Aplicados e da Comissão de Florestas da África Central (Comiface).

Pesquisadores do Inpe e do Ipea estiveram em Paris, no início de julho, para apresentar as primeiras conclusões do estudo “Caminhos para políticas sustentáveis de REDD+ no Brasil (Pathways for Sustainable REDD+ policies in Brazil, em inglês) durante a conferência científica sobre mudanças climáticas “Our Common Future UnderClimateChange”, realizada pela Unesco.

REDD+

O conceito de REDD+ (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) parte da premissa de incluir na conta as emissões de gases de efeito estufa que deixam de ser despejadas na atmosfera pelo desmatamento evitado. Essa noção contempla ainda a conservação e a gestão sustentável das florestas.

O Brasil detém a maior porção de floresta tropical do mundo e ganhou fama ao reduzir80% o desmatamento na Amazônia, entre 2004 e 2012. Por isso, no REDD-Pac, os pesquisadores brasileiros foram chamados para contribuir com sua experiência e expertise no assunto.

Modelos matemáticos foram elaborados para as florestas tropicais do Brasil e da África Central, especialmente no Congo. O engenheiro Alexandre Ywata, da diretoria de Estudos de Políticas Regionais Urbanas e Ambientais do Ipea, explica que as análises são feitas em fases. Elas consistem em compreender os recursos florestais, os vetores de desmatamento, os estoques de carbono, a biodiversidade e áreas prioritárias para a conservação. Além de avaliar os impactos tanto na economia, como no uso do solo, redução de emissões e outros indicadores ambientais.

“Este é um projeto que envolve cinco instituições em quatro países. O Brasil e o Congo são dois países em que florestas tropicais sofrem grandes pressões de desmatamento. A questão de como melhorar a proteção da floresta é o trade-off eterno, um dilema”, admitiu.

Todas as análises e modelos matemáticos têm um fim maior, o de ajudar a criar uma política de incentivos a países em desenvolvimento detentores de florestas tropicais que consigam reduzir suas emissões de gases do efeito estufa decorrentes do desmatamento. No fundo, a ideia é gerar incentivos aos países que mantenham suas florestas.

Caso brasileiro

A matemática Aline Soterroni, do Inpe, simulou diversos modelos para compreender como a legislação florestal no Brasil poderia contribuir para evitar as emissões de CO² por parte das propriedades rurais e como, em última instância, ajudar a preservação da biodiversidade e evitar a degradação. Mesmo que controverso, o novo Código Florestal – aprovado em dezembro de 2011 pelo Senado após dezenas de emendas e debates em comissões – será capaz de contribuir para diminuir em 40% as emissões de carbono das florestas até metade do século, estima Soterroni.

O Código Florestal foi criado em 1965 e regulamentava até então a exploração da terra no Brasil. A nova legislação mudou parâmetros para determinar como será a exploração das terras e a preservação das áreas verdes e o tipo de compensação, como reflorestamento, bem como as penas para os responsáveis por desmatar e outros crimes ambientais. A elaboração do novo código durou mais de dois anos e a lei final sofreu duras críticas, uma delas por anistiar proprietários de pequenas porções de terra (de 20 a 440 hectares) que desmataram ilegalmente até 2008. Isso reduziu as possibilidades de reflorestamento.

Entretanto, Soterroni ressalta o papel das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs): “vimos que quanto maior as cotas, maior será a preservação das florestas não manejadas que têm um valor imensurável do ponto de vista da biodiversidade”.

As CRAs são títulos de cobertura vegetal que podem ser usados para cumprir a obrigação da Reserva Legal em outra propriedade, uma vez que cada imóvel rural precisa ter preservada de 20% a 80% da área conforme o bioma.

Existem no país, segundo o IBGE, mais de cinco milhões de imóveis rurais que necessitam cumprir com esta legislação. Porém, cerca de quatro milhões de propriedades não têm área de Reserva Legal suficiente – um déficit de que varia entre 30 e 60 milhões de hectares. A Cota de Reserva Ambiental é um instrumento criado pelo Código Florestal para possibilitar justamente essa compensação da obrigação de Reserva Legal em propriedades rurais.

 

 

Leia o estudo na íntegra

Assessing the biodiversity impacts of policies related to REDD+

 

Leia Também
Desmatamento tem aumento moderado, mas acumulado do ano é alto
Cerrado pode ser um dos grandes afetados pelo aquecimento global
Roraima: mudança na classificação de APAs pode facilitar desmatamento

 

 

 

  • Fabíola Ortiz

    Jornalista e historiadora. Nascida no Rio, cobre temas de desenvolvimento sustentável. Radicada na Alemanha.

Leia também

Notícias
19 de agosto de 2022

Meio ambiente diferencia planos dos candidatos ao executivo de Rondônia

((o))eco analisou dois planos de governo dos candidatos que lideram as pesquisas em um dos campeões de derrubadas

Salada Verde
19 de agosto de 2022

De que lado está Blairo Maggi?

Como o voto do ex-ministro Blairo Maggi pode influenciar a política ambiental

Salada Verde
18 de agosto de 2022

Ciro gomes dá o tom de como pretender lidar com o meio ambiente

O presidenciável do PDT defendeu a descarbonização da economia e se posicionou contra o Marco Temporal e a mineração em Terras Indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Marcelo diz:

    Até pouco tempo atrás ele defendia as mineradoras, defendia as privatizações (inclusive foi um dos mais entusiasmados com a privatização dos serviços de água e saneamento) e agora vem com essa? Esse papo dele é porque não sai de um dígito nas intenções de votos.