Reportagens

Rio de Janeiro monitora qualidade do ar em unidades de conservação

Estudo servirá de base para avaliar futuramente os impactos de empreendimentos poluidores localizados próximos de áreas protegidas.

Daniele Bragança ·
22 de julho de 2015 · 7 anos atrás

Após monitorar a qualidade do ar em 3 unidades de conservação, estação móvel está visitando o Parque Nacional Serra dos Órgãos. Foto:
Após monitorar a qualidade do ar em 3 unidades de conservação, estação móvel está visitando o Parque Nacional Serra dos Órgãos. Foto:

O estado do Rio de Janeiro está usando uma unidade móvel de monitoramento da qualidade do ar para coletar dados nas suas áreas protegidas. O projeto está sendo administrado pela Gerência de Qualidade do Ar do Inea (Instituto Estadual do Ambiente), com o objetivo de permitir a avaliação futura de impactos de empreendimentos poluentes instalados próximos a essas áreas.

A unidade móvel é uma van dotada de sensores. O ar é captado por uma espécie de tubo, onde é separado por filtros que permitem analisar cada poluente. A van fica em cada área protegida entre 3 e 4 meses coletando dados de todos os poluentes legislados – dióxido de enxofre (SO²), monóxido de carbono (CO), ozônio (O³)e material particulado (MP), além de parâmetros meteorológicos.

Os Parques Nacionais da Tijuca e do Mendanha, no Rio, e o Parque Estadual da Serra da Tiririca, em Niterói, já foram avaliados e a qualidade do ar nas três unidades foi considerada boa.

Atualmente, o equipamento está coletando dados no Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Ele foi incluído na amostra após pedidos de pesquisadores e autoridades do Ministério do Meio Ambiente, do Ibama e da Assembleia Legislativa do estado (Alerj).  De acordo com o Inea, os dados coletados na Serra dos Órgãos servirão como referência para avaliar futuros impactos da operação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

A unidade móvel foi adquirida pelo estado junto com outras 10 estações fixas para monitorar a qualidade do ar nos locais de competição dos Jogos Olímpicos e será usada no projeto no projeto de levantamento de dados em unidades de conservação até o começo de 2016, quando será deslocada para monitorar locais de competição dos Jogos Olímpicos.

 

*Este texto é original do blog Observatório de UCs, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo.

 

 

Leia Também
Relatório indica lacunas no monitoramento de qualidade do ar
São Paulo sofre com a qualidade do ar
Normas mais rígidas para Poluição do Ar

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta