Reportagens

Deque de quê?

Madeira utilizada pela Prefeitura do Rio em obra na Lagoa era ilegal, mas foi certificada pelo Ibama.

Lorenzo Aldé ·
23 de julho de 2004 · 18 anos atrás

A imprensa deu o alarme e a Prefeitura do Rio apressou-se em dizer que não era culpa dela. O fato é que a madeira utilizada na construção dos novos deques da Lagoa Rodrigo de Freitas tem origem pra lá de suspeita, e a obra, que era a menina-dos-olhos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, virou sinônimo de crime ambiental.

Com a sugestiva alcunha de Urubu, a madeireira paraense que forneceu 9 metros cúbicos de maçaranduba para a empresa responsável pela obra conseguiu descumprir praticamente todos os requisitos técnicos para a exploração legal de madeira: suas fazendas não tinham cadastro do Incra, o cronograma de exploração estava desatualizado, não havia um mapa georreferenciado dos terrenos, não houve averbação da Reserva Legal, faltavam relatórios técnicos para a exploração da madeira, inexistia uma listagem com as espécies exploradas e não houve vistoria prévia. Sequer os comprovantes de propriedade foram apresentados, o que gerou uma ação no Ministério Público do Pará para apurar a possibilidade de serem terras griladas.

O problema é que todas essas irregularidades tornaram-se públicas ainda em 2003, e em abril daquele ano o Ibama suspendeu os Planos de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) da Madeireira Urubu. Sem Plano de Manejo, não se vende madeira legal no Brasil. Como pôde a Secretaria de Meio Ambiente do Rio deixar passar a utilização, pela Prefeitura, de madeira com rastro tão nefasto? “Todos os pisos (tabuados) são em madeira de lei da árvore maçaranduba certificada pelo Ibama – Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, órgão do Ministério do Meio Ambiente”, informou em nota a Secretaria, tão logo a acusação foi publicada, com foto e chamada de capa, nas páginas do jornal O Globo.

A explicação da Secretaria responsabiliza o Ibama, que veio a público dizer que vai cobrar explicações da Secretaria. Ao que parece, quem precisa se justificar é o próprio Ibama: “O Ibama apresentou um documento ilegal. Eles fecharam a madeireira Urubu no ano passado, cancelaram o Plano de Manejo, e um ano depois dão autorização para venderem pelo Plano de Manejo que foi extinto! Você tem idéia do que é isso?”, questiona Gustavo Vieira, do Greenpeace, que liderou uma manifestação na Lagoa condenando a utilização criminosa da madeira.

Talvez o caso sirva de castigo para uma Secretaria de Meio Ambiente cuja principal realização nos últimos tempos foi a restauração de deques à beira da Lagoa. Pelo menos é o que se depreende da página da Secretaria na Internet, que até hoje apresenta como notícia em destaque a agora controvertida obra. Os benefícios ambientais? Além do conforto na visitação a um dos cartões postais da cidade, foram utilizadas 65 mil garrafas pet e 652 barris de 250 litros reciclados na construção dos flutuadores que sustentam as plataformas. Uma vez revelado o prejuízo ambiental que os novos deques causaram, a conta fica praticamente zerada.

Se é para tirar uma lição realmente edificante do episódio, a solução já está ao alcance da Prefeitura. Entre utilizar madeira ilegal e utilizar madeira legal com certificado ilegal, é possível abrir mão de ambas. Basta optar, em suas próximas licitações, pela “madeira plástica”. Obtida pela reciclagem de vidro e plástico, tem a aparência da madeira e a resistência do aço inoxidável. Ao contrário da madeira comum, já vem pintada de fábrica e não precisa de limpeza, raspagem, descupinização ou qualquer outra forma de manutenção. O custo, pouco maior que o das madeiras nobres, compensa justamente pela resistência e pela economia em manutenção. Sem falar nos benefícios ambientais da reciclagem de lixo e da preservação da Amazônia (na foto, uma ponte feita com o material em Itatiaia).

A madeira plástica não é novidade para a Prefeitura. Já foi testada, com sucesso, na construção do Píer de Guaratiba. A Cogumelo, única empresa a operar essa tecnologia no Brasil, só espera o cadastramento de seus produtos junto ao órgão responsável para começar a participar de licitações.

Se for o caso de substituir os deques da Lagoa, Sérgio Paes, representante da empresa, manda avisar que eles têm boa quantidade de madeira plástica para pronta entrega. À prova de intempéries climáticas e constrangimentos políticos.

  • Lorenzo Aldé

    Jornalista, escritor, editor e educador, atua especialmente no terceiro setor, nas áreas de educação, comunicação, arte e cultura.

Leia também

Reportagens
5 de julho de 2022

“O INPE está abandonado”, diz Ricardo Galvão, ex-diretor do Instituto

Segundo cientista, mesmo que os investimentos voltem, vai demorar de dois a três anos para órgão de pesquisa se recompor

Reportagens
5 de julho de 2022

Mulheres na luta contra invisibilidade na pesca

A urgente necessidade de visibilidade das demandas da pesca artesanal e gênero nas discussões foi tema de diversos encontros paralelos ao palco principal da Conferência dos Oceanos

Colunas
5 de julho de 2022

Um adeus ao fotógrafo de natureza Ricardo Azoury

Fotógrafo profissional desde 1977, Azoury faleceu neste final de semana, em Petrópolis (RJ), após um acidente de carro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta