Reportagens

Lição de baleia

Rio ganha núcleo do Projeto Baleia Franca ao fim de um vôo de helicóptero que durante 4 dias monitorou a presença dessa espécie de mamífero na costa brasileira

Manoel Francisco Brito ·
15 de setembro de 2004 · 18 anos atrás

Fotos: Ricardo Gomes


O aumento da frequência de francas no litoral fluminense encorajou Lodi e Ricardo Gomes, também biólogo de formação mas fotógrafo de profissão, a procurarem José Truda, fundador do
Projeto Baleia Franca, dedicado à preservação da espécie no litoral brasileiro. Propuseram a ele criar um núcleo para cuidar das francas que andam visitando a costa fluminense. Truda topou e na sexta-feira, dia 17 de setembro, no Rio de Janeiro, inaugura-se a primeira operação do Projeto fora de Santa Catarina, onde foi fundado em 1985. A expansão da sua área de atuação não será a única novidade do dia.


A razão para se estender o monitoramento aéreo das baleias é o mesmo que motivou a criação do núcleo fluminense do Projeto. “O número de francas na nossa costa está aumentando a cada ano e elas estão chegando até a região sudeste”, comemora Gomes. A estimativa de Groch é que o crescimento da sua população está se dando a uma média de 14% ao ano. Antes do início da caça, em 1600, sua presença por aqui estendia-se do Chuí até a Bahia. Há 30 anos, as francas tinham sido praticamente varridas do litoral brasileiro. Começaram a reaparecer em Santa Catarina nos anos 80, cujo litoral sempre foi a sua área de maior concentração no Brasil.


Um foi bárbaro. Em janeiro, um baleote veio brincar próximo da areia da praia de Itaúna, em Saquarema. Quando a maré subiu, ele retornou ao mar. Voltou no dia seguinte ao mesmo local. Avistado, foi trucidado a facadas por banhistas, que retalharam sua carne, imediatamente cozinhada em churrasqueiras improvisadas na areia. Os outros foram frutos de ótimas intenções, mas provocadas pela total falta de informação sobre o comportamento das francas. Serviram apenas para espantá-las mar adentro.

Essa espécie de baleia, ao contrário de outras, gosta de chegar até a arrebentação. “Faz parte de seu comportamento natural”, explica Groch. “Mas como a maioria das pessoas não sabe disso, tentam, a nado ou de barco, empurrá-las para longe da praia”, conta Lodi. Essa foi a principal característica do molestamento de baleias francas no litoral fluminense. Por essa razão, a primeira fase dos trabalhos do núcleo do Rio de Janeiro será a de divulgar informações à população sobre as francas.

“Vamos começar um programa de educação dirigido primeiramente às pessoas que têm mais chance de esbarrar em uma baleia no mar ou de serem chamadas a ajudar em caso de problema”, explica Ricardo Gomes, que será o coordenador do núcleo, que já tem 500 cartilhas prontas. Elas serão distribuídas para o grupamento marítimo do Corpo de Bombeiros no Rio, a Capitania dos Portos e nos principais Iate Clubes e Marinas do litoral do estado. Liliane Lodi estará à disposição dos interessados para dar palestras sobre as francas. “Existe uma clara necessidade de se fazer uma campanha de educação ambiental sobre as baleias no Rio, porque é uma costa densamente habitada”, afirma Truda. “Quando baleia aparece no Rio em geral é um frenesi. As pessoas precisam aprender a manter distância para que possam aproveitar o espetáculo”.

A segunda missão do novo núcleo do Projeto Baleia Franca será a de replicar pela costa da região Sudeste a rede de monitoramento de baleias franca que o Projeto instalou em Santa Catarina e nas praias do norte do Rio Grande do Sul. “Mas isso ainda vai demorar. A meta agora é educar”, diz Gomes, admitindo sua esperança de que a divulgação de informações sobre as francas ajude também a fazer com que o freqüentador das praias fluminenses cuide melhor de sua orla marítima. “O reaparecimento das baleias aumenta também a nossa responsabilidade em relação à preservação da nossa costa”, diz. “Se ela se deteriorar, as francas vão procurar outro lugar para nadar”.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.