Reportagens

A natureza ditará o futuro

20 milhões de dólares poderiam ter impedido a morte de 150 mil pessoas no Oceano Índico, em dezembro. Bastava ter dado crédito aos especialistas em tsunamis.

Sérgio Abranches ·
21 de janeiro de 2005 · 19 anos atrás

Um sistema de alerta sobre tsunamis com cobertura global não parece estar muito distante no futuro. É o que afirma o jornalista Douglas Mulhall, que escreve sobre tecnologia e meio ambiente. Ele defende o desenvolvimento imediato do sistema, para o qual afirma já existir a infra-estrutura necessária, no Grupo de Coordenação Internacional do Sistema de Alerta de Tsunamis do Pacífico.

O que a imprensa não divulgou, conta ele, é que em 2003 esse grupo já havia criado os mecanismos para extensão do sistema de alerta para a América Central, Europa, Atlântico Sul e Oceano Índico. Precisaria apenas de pequena quantia de recursos para pô-lo imediatamente em operação. Realmente, o custo para implantar um sistema de alerta global estimado pelo Centro de Alerta de Tsunamis do Havaí, de 10 a 20 milhões de dólares, não parece nada extraordinário diante dos bilhões perdidos com o último desastre, sem contar as vidas humanas que teriam sido salvas se a área estivesse coberta pelo sistema de alerta.

Mulhall é jornalista e autor de Our Molecular Future: How Nanotechnology, Robotics, Genetics and Artificial Intelligence Will Transform Our World, muito apreciado pelos futurólogos. Andou pelo Brasil, nos anos 90, desenvolvendo projetos de qualidade de água e criou O Instituto Ambiental, com um grupo de ecologistas brasileiros, que toca vários projetos de reciclagem, agricultura orgânica e gestão integrada de biossistemas.

Em artigo para a revista especializada em futurologia, The Futurist, sobre “como sobreviver a mega-desastres”, ele afirma que, hoje, temos condições de desenvolver a tecnologia que permita nos adaptar a desastres naturais de mega proporções, capazes de se tornar fenômenos de destruição em massa. Segundo ele, esses mega-desastres constituem um dos mais profundos desafios ambientais, porque o ciclo da natureza inclui rupturas periódicas que podem, simplesmente, causar a regressão da humanidade a estágios primitivos de vida.

Ele quer ver realizado um cenário positivo. Ao invés do cenário-de-fim-do-mundo da ficção de desastre, um cenário no qual “sobrevivemos ao Armageddon e a humanidade mal pararia para recuperar o fôlego após o choque de um desastre natural de larga escala. Ao contrário, reocuparíamos imediatamente as áreas devastadas, substituindo plantações e evitando a morte por inanição”. Nós estamos desenvolvendo os meios que tornariam esse cenário possível, acredita, mas, para “sobreviver no futuro, precisaríamos remodelar a nós mesmos e partes de nossa ecologia. Embora ainda não possamos descrever, detectar ou nos defender inteiramente de fenômenos naturais severos, está ficando claro que os ecologistas precisam levá-los a sério”, afirma.

Mulhall reconhece que, do ponto de vista ambiental, “a idéia de uma alteração ecológica cria um horrível dilema”. Seria necessário abandonar a resistências às novas tecnologias, como a biotecnologia, para criarmos condições de proteger nossa própria espécie. “Além de asteróides que podem destruir o planeta e catástrofes induzidas pelo ser humano, outros eventos naturais podem vir a constitui sérias ameaças no futuro. Entre eles se incluem erupções vulcânicas, terremotos com reação em cadeia, enchentes sem explicação, mudanças solares ou polares significativas, e chuvas recorrentes de meteoros. Podemos sobreviver a cada um deles, embora possam causar perdas de infra-estrutura, ruptura do ciclo agrícola ou contaminação por destroços industriais”, argumenta. Para isso, seria necessário que recorrêssemos a uma variada gama de tecnologias, baseadas em genética, robótica, inteligência artificial, e nanotecnologia, que nos ajudariam a nos adaptarmos aos extremos ambientais.

Mulhall escreveu esse artigo em 2001, muito antes da tsunami asiática. O que pareceria ficção científica ou, na melhor das hipóteses, exagero, então, já não parece tão absurdo, quando nos lembramos daquelas cenas dantescas.

  • Sérgio Abranches

    Mestre em Sociologia pela UnB e PhD em Ciência Política pela Universidade de Cornell

Leia também

Notícias
20 de maio de 2024

Criação de novo órgão para combate à crise climática preocupa servidores ambientais

Possibilidade foi anunciada por Marina Silva no final de semana. Antes de criar novos órgãos, servidores pedem do governo valorização da carreira ambiental

Reportagens
20 de maio de 2024

Estudo propõe mudanças para simplificar legislação da Mata Atlântica e aumentar a conservação

Ausência de método para classificar estágios da floresta em resolução vigente dá margem para supressão de áreas que prestam importantes serviços ecossistêmicos

Notícias
20 de maio de 2024

Com apenas 4 indivíduos, cientistas alertam para extinção iminente da choquinha-de-alagoas

Ave ocorre apenas na Mata Atlântica do nordeste, entre Alagoas e Pernambuco, foi duramente afetada pelo desmatamento e hoje pode ser encontrada numa única localidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.