Reportagens

Com política ambiental vaga, Wilson Lima é reeleito enquanto Amazonas sofre com seca

Reeleição acontece em meio a aumento das taxas de devastação num dos estados que ainda mantém grande parte do território preservado; comunidades são impactadas por eventos climáticos extremos

Fabio Pontes ·
8 de novembro de 2022 · 2 anos atrás

Em meio ao aumento nas taxas de desmatamento e queimadas, além da intensificação dos processos de mudanças climáticas, com as enchentes e secas ocorrendo de forma mais severas, o Amazonas reelegeu o jornalista Wilson Lima (União Brasil) para o cargo de governador. 

Em seu programa de governo para a campanha de 2022, Lima deixou de apresentar propostas claras de combate aos crimes ambientais. Em contrapartida, no campo para a economia, tem como uma das principais promessas a repavimentação da BR-319, cujos impactos  tendem a agravar ainda mais o cenário de devastação no estado. 

Wilson Lima obteve o segundo mandato com 56,65% dos votos válidos. Ele concorria com o senador e ex-governador Eduardo Braga (MDB), que ficou com 43,35% da votação. Lima era o candidato do presidente Jair Bolsonaro (PL), enquanto Braga sustentava o palanque de Lula (PT). Por  lá, o petista saiu vitorioso. No Amazonas, o presidente eleito obteve 51% dos votos válidos, contra 48,90% de Bolsonaro. 

Boa parte da campanha de segundo turno no Amazonas aconteceu com comunidades ribeirinhas e indígenas sendo impactadas pela seca extrema que atingiu a bacia do rio Solimões, sobretudo no Alto e Médio Solimões. Outros importantes afluentes e igarapés também foram impactados. Dos 62 municípios, 59 decretaram algum tipo de status de Defesa Civil, seja situação de emergência ou de atenção por conta da vazante dos mananciais. 

Seca no Amazonas. Foto: Drone da Amazônia/Twitter

Municípios nas bacias do Amazonas, Negro, Juruá, Madeira e Purus também foram ou estão afetados pela seca. Ou seja, o fenômeno atinge todo o território do estado. No começo do ano, algumas destas regiões foram afetadas por outro problema: as enchentes.

Agora com o período de estiagem, comunidades inteiras ficaram isoladas, impossibilitadas de sair ou chegar por conta do nível crítico da vazante. O acesso à água para consumo e necessidades básicas ficou comprometido, o que levou a Defesa Civil a ter que agir para evitar  o colapso.  

A seca extrema acontece logo após o estado registrar grandes enchentes ao longo da última década. Rios como o Negro, o Amazonas, Juruá  e Madeira, além do próprio Solimoes, foram motivo de preocupaçção por conta do transbordamento. Em junho de 2021, o rio Negro, em Manaus, atingiu o maior volume de cheia  em quase 120 anos de medição: 29,98m. O nível superou o recorde anterior, de 2012, que foi de  29,97m.

Os eventos climáticos extremos têm se acentuado por quase todos os estados da Amazônia Legal. Eles passam a ocorrer com intensidade maior e num intervalo de tempo mais curto. Todos estes fenômenos afetam não apenas as comunidades rurais, como também as urbanas. Mesmo com todos estes cenários, as autoridades locais aparentam não tratar  o tema com a devida seriedade política. 

A falta de propostas para as ações de Defesa Civil por parte do governador reeleito do Amazonas é um dos exemplos. Isso no estado de maior extensão territorial do país, cuja logística para respostas rápidas em auxílio às comunidades encontra barreiras exatamente nessa grande dimensão territorial, além das dificuldades de comunicação. 

De acordo com o Relatório Anual do Desmatamento (RAD), do Mapbiomas, em 2021, a área de floresta derrubada no Amazonas foi de 194.498 hectares; alta de 50% em relação a 2020. O estado saiu da quarta para a segunda colocação do ranking do desmatamento no país, atrás somente do Pará. 

Entre janeiro e setembro de 2022, conforme dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, o Imazon, o Amazonas registrou uma área desmatada de 2.399 km2. No mesmo período de 2021, foram 1.923 km2. Em 2022, o Amazonas ficou em terceiro lugar no registro de focos de queimadas entre os nove estados da Amazônia Legal. Até setembro, segundo o Inpe, foram 18.571 registros de focos de calor.     

Mesmo com o aumento expressivo das taxas de desmatamento nos últimos anos, o Amazonas tem grande parte de seu território conservado. Maior estado do Brasil em extensão territorial (com mais de 1,5 milhão de km2), o Amazonas mantém uma cobertura florestal de 91%. 

E a reconstrução da BR-319, prevista no programa de governo de Wilson Lima, é apontada como grande ameaça para toda essa área de floresta, pois levaria o chamado “arco do desmatamento” para a porção mais norte da Amazônia. Hoje, o desmatamento se concentra na parte sul do Amazonas, nos municípios acessíveis pelo trecho pavimentado da BR-319 e a Transamazônica. 

Trecho em obras na BR-139 em Humaitá, sul do Amazonas. (Daniel Pena)

Além de repavimentar o traçado principal da rodovia, o plano de Wilson Lima ainda estipula a recuperação dos ramais que dão acesso às comunidades localizadas ao longo da BR-319. Caso de fato saia do papel, a proposta reforçaria o efeito chamado de “espinha de peixe”, que é a abertura de estradas paralelas – os ramais – ao longo da rodovia pavimentada.  

O plano do governador reeleito não fala em eventuais estratégias de mitigação dos danos ambientais causados pela conexão rodoviária permanente entre Manaus e Porto Velho, tampouco aborda ações de reforço para o combate aos crimes ambientais, precisamente o desmatamento ilegal. 

Já para o campo das políticas de meio ambiente, Wilson Lima, faz uma abordagem nem tão enxuta para o meio ambiente, mas trata as propostas por tópicos curtos e sucintos. O governador fala em fortalecer o Programa Guardiões da Floresta caso reeleito. 

O programa realiza o pagamento financeiro às famílias moradoras de unidades de conservação do estado como incentivo pela preservação destas áreas; o plano ainda diz que fortalecerá iniciativas de bioeconomia para as comunidades da floresta.  O documento também sinaliza com intenções de criação do marco legal para o mercado de carbono, estabelecendo o programa (de pagamento por desmatamento evitado) REDD+ Amazonas.

A assessoria do governador amazonense foi procurada para falar sobre suas políticas para a área ambiental, bem como as estratégias para o enfrentamento aos efeitos dos eventos climáticos extremos, mas até o presente momento as respostas não foram enviadas. 

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista com atuação na Amazônia, especializado nas coberturas das questões que envolvem o bioma desde 2010.

Leia também

Notícias
27 de maio de 2024

O mundo pode perder metade dos seus manguezais até 2050

Com ameaças como aumento do nível do mar, desmatamento e mudanças climáticas, levantamento inédito da IUCN alerta para o risco de extinção de 50% dos manguezais do mundo

Notícias
27 de maio de 2024

Projeto que dispensa eucalipto de licenciamento é inconstitucional, dizem organizações

Ministério Público e sociedade civil pedem que Lula vete projeto aprovado pelo Congresso que exclui silvicultura do rol de atividades potencialmente poluidoras

Reportagens
27 de maio de 2024

Brazil will not renew agreement with German Spix’s macaw breeder

This measure will not impact the recovery and conservation of the endangered species, exclusive to the Caatinga, says ICMBio

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.