Reportagens

Desmatamento tem criado ambiente propício para chegada de espécies não florestais na Amazônia

Presença cada vez mais frequente de animais como pomba-campestre e lobo-guará indicam surgimento irreversível de campos no bioma. Interação com fauna e flora local ainda está sendo estudada

Cristiane Prizibisczki ·
18 de outubro de 2022

Em maio de 2015, o veterinário Carlos Nei Ortúzar Ferreira fotografou uma pomba-campestre no município de Rolim de Moura, no coração da Amazônia rondoniense. Era o primeiro registro da espécie naquele estado na principal plataforma de observação de aves do país. Típica de áreas campestres, como seu próprio nome sugere, a presença da ave na floresta tropical denunciava que algo estava errado. Sete anos depois, em setembro de 2022, Ferreira publicou, em conjunto com colegas pesquisadores, um estudo mostrando que a expansão da área de ocorrência da pomba-campestre para dentro da Amazônia tem sido cada vez mais frequente. E isso é uma notícia ruim.

Conhecida como avoante, pomba-campestre ou pomba-orelhuda, a Zenaida auriculata tem baixa sensibilidade às mudanças ambientais e se adapta fácil a locais que foram modificados por ação humana. Originária do Nordeste brasileiro, sua população no interior de São Paulo e Paraná explodiu a partir de 1970, ao adaptar-se aos ambientes criados pela agricultura e pecuária. Hoje, ela pode ser encontrada em quase toda porção leste do Brasil. 

O estudo de Ferreira e seus colaboradores mostrou, no entanto, que o avanço do desmatamento na Amazônia tem criado ambiente propício para o estabelecimento da espécie também neste bioma. “Nós mostramos que a espécie vem ampliando sua distribuição geográfica em nítida sobreposição com áreas desmatadas”, diz trecho do trabalho.

Entre 1982 e 2020, foram analisados 804 registros da presença da ave na Amazônia, 32,2% em pontos onde a espécie não era encontrada anteriormente. Segundo os autores do estudo, a maior parte dos registros ocorreu nos últimos seis anos da análise (2014-2020), em áreas cuja cobertura florestal foi modificada.

“Eu morei durante seis anos na cidade de Rolim de Moura e presenciei de perto a realidade da devastação ambiental. É como quando você olha para o mar e não vê o horizonte, tem plantação de soja que é assim também. É uma coisa assustadora. Em 2015, quando postei essa foto no Wikiaves, foi o primeiro registro da espécie no estado para a plataforma e já olhei isso com certa aflição. Os próprios usuários comentaram que o registro era um sinal de surgimento de campos e possível relação com desmatamento”, explicou Ferreira, em entrevista a ((o))eco.

Rolim de Moura está entre as cidades de Rondônia com maior área proporcional desmatada. Segundo dados do sistema PRODES, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), 90,6% da vegetação nativa do município já não existe mais. Em 2021, apenas 9% da floresta que lá existia ainda estava em pé. 

Para realizar a análise, os pesquisadores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e da empresa CMData cruzaram dados de ciência cidadã – como a plataforma Wikiaves, citada por Ferreira – e outros registros de ocorrência da Zenaida auriculata com informações de desmatamento no bioma.

Estrada Jaci Paraná, em Rondônia, vizinha a área de floresta transformada em pasto. Foto: Alexandre Cruz Noronha/Amazônia Real

“A avoante pode se beneficiar de culturas agrícolas, como soja, milho e trigo, uma vez que sua dieta inclui esses tipos de grãos. Esta pode ser uma das razões pela qual as populações dessa ave estão se dispersando para áreas desmatadas, em grande parte sendo ocupadas por tais culturas. O desmatamento no bioma amazônico modifica áreas florestais, transformando-as em campos abertos, semelhantes ao habitat preferencial de Zenaida auriculata, o que contribui para o sucesso da espécie em colonizar essas novas áreas”, explica Alexandre Gabriel Franchin, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo.

De acordo com Gabriel Magalhães Tavares, biólogo da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e também autor do trabalho, ainda é cedo para dizer se a pomba-campestre está, de fato, estabelecida no bioma e quais serão os impactos de sua presença para outras espécies de fauna e flora local. O que dá pra dizer é que a “troca” de espécies florestais por outras generalistas não é um bom negócio.

“É como se eu estivesse trocando quadros de Picasso por tampinhas de garrafa. A perda da diversidade biológica para o ganho de espécies generalistas, como a pomba-campestre, não se equipara. Essa história tem sido mostrada em diferentes lugares e diferentes estudos”, explica.

Lobo-Guará na floresta

Em novembro de 2020, um lobo-guará foi abatido em uma Terra Indígena de Alta Floresta D´Oeste, no sul de Rondônia. Amedrontados e ao mesmo tempo curiosos, os índios quiseram ver de perto aquela espécie até então desconhecida. Apesar de atípica, a presença do canídeo na floresta amazônica não é novidade.

Estudo conduzido por pesquisadores de Mato Grosso, Amazonas e Rondônia, publicado em novembro de 2020, listou 22 registros de lobo-guará na Amazônia nas últimas duas décadas. 

À época da publicação do trabalho, 10 desses registros eram inéditos e representavam uma expansão de 51 mil km² no limite da distribuição geográfica da espécie em território nacional.

O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) é um mamífero típico das savanas da América do Sul. Historicamente, o limite norte de sua ocorrência é a Amazônia, mas a pesquisa divulgada em 2020 mostrou que a ocupação humana nas bordas da floresta tropical, transformada em pasto e monocultura de grãos, tem propiciado a propagação da espécie cada vez mais para dentro do bioma.

Ao contrário da pomba-campestre, cuja ocorrência na Amazônia ainda precisa de estudos, já é possível dizer que o lobo-guará chegou para ficar em determinadas áreas do bioma, diz Odair Diogo da Silva, pesquisador da Universidade do Estado do Mato Grosso e um dos autores do estudo em questão.

“Já dá para falar em estabelecimento da espécie [no bioma], porque em regiões onde registramos esses bichos lá atrás, a gente vem registrando novamente nas mesmas áreas”, explicou, em entrevista a ((o))eco.

Segundo Silva, de 2020 para cá, novos registros do lobo-guará foram feitos dentro das áreas que deveriam ser floresta, atualmente muito antropizadas. Essa mudança de paisagem, diz ele, exerce pressão sobre espécies de ambos os biomas.

“Vamos pensar num primata, numa harpia, eles precisam da floresta em pé. Se você transformou em pastagem, a paisagem fica mais parecida com o Cerrado, o que acaba empurrando as espécies florestais mais para dentro do bioma. Por outro lado, as grandes plantações de soja no Cerrado, por exemplo, fazem com que as espécies típicas deste bioma percam habitat também, o que acaba expandindo a distribuição”, explica.

No caso do lobo-guará, o avanço sobre o que era antes bioma amazônico pode trazer inúmeros problemas, como a concorrência direta com canídeos amazônicos, a exemplo do cachorro-do-mato-de-orelha-curta (Atelocynus microtis), sua exposição a doenças resultantes da proximidade com animais domésticos e conflitos com humanos. 

“Talvez o principal problema seja para ele mesmo, porque o que notamos é que normalmente eles usam as estradas para se deslocar, aumentando o risco de atropelamento e de contato com o homem, que pode vir a abater ele”, diz.

Além dos impactos da interação da espécie com outros animais florestais e com o próprio homem, o pesquisador ressalta outra ameaça: o isolamento de populações resultante da fragmentação da vegetação nativa.

“Pode ser que, se uma população se estabelece aqui, ela pode estar muito longe de outras populações para conseguir trocar material genético. Outro problema é se esses bichos se isolarem [no bioma amazônico] e não terem parceiros para se reproduzir. Eles teriam que migrar muito mais para se reproduzir.”

Os impactos da chegada de espécies não florestais a áreas da Amazônia ainda estão sendo estudados. O que já se sabe, no entanto, é que as interações com fauna e flora podem ser profundamente modificadas. E a culpa é do bicho homem.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
9 de agosto de 2020

Lobo-guará é capturado em área central de São José dos Campos, interior de SP

Animal foi flagrado por moradores em ruas e avenidas movimentadas. Após captura, lobo foi solto na Serra do Mar, longe de sua provável área de ocorrência

Reportagens
21 de junho de 2020

Destruição da Amazônia pode transformá-la em deserto e desencadear pandemias

Entrevista feita com o climatologista Carlos Nobre ao Podcast Reconecta discute os riscos, inclusive de saúde, da destruição da Amazônia e o papel da sociedade em pressionar por mudanças

Notícias
12 de novembro de 2021

Amazônia está cada vez mais perto do colapso, diz documento lançado na COP 26

Relatório elaborado por mais de 200 cientistas propõe que governo brasileiro decrete moratória do desmatamento na Amazônia, a fim de evitar ponto de não retorno do bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta