Reportagens

Em meio a seca, incêndios registram queda no Pantanal

Bioma teve chuvas acima da média em agosto, mas com a previsão de altas temperaturas e baixa umidade, segue em alerta para ocorrência do fogo

Michael Esquer ·
12 de setembro de 2022

O Pantanal registrou uma diminuição de 61% no número de queimadas deste ano, em comparação com o ano passado. Os números seguem a mesma tendência de 2021, que também teve queda em relação ao ano de 2020 – quando o bioma teve mais de um quinto de sua área consumida pelo fogo. A redução ocorre mesmo em meio ao período de estiagem na região, que já dura pelo menos três anos. 

Entre janeiro e este domingo (11), o Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou 1.077 focos de incêndio no bioma. O número é 61% menor do que o total registrado durante o mesmo período de 2021, quando 2.788 focos de calor haviam sido contabilizados. O índice deste ano configura, até agora, o segundo consecutivo a registrar quedas. No ano passado, a redução para o mesmo período foi de 79% quando comparados aos números de 2020, onde 13.396 queimadas tinham sido registradas na maior área úmida do mundo. 

Com apenas 96 focos de calor, o bioma ainda teve neste ano o agosto com o menor número de queimadas desde 1998, quando o INPE iniciou o seu monitoramento.   

Em relação a área queimada, os números também caíram. São 309 mil hectares deste ano contra 786 mil do ano passado, o que configura uma queda de 60%. Os dados são do sistema de alertas do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa/UFRJ). 

Brigadas e conscientização

Para Ananda Santa Rosa de Andrade, coordenadora da área de monitoramento ambiental da SOS Pantanal, o bioma, neste momento, colhe os frutos da reflexão e conscientização de órgãos públicos e privados sobre o manejo do fogo. Sobretudo depois de 2020, esses atores protagonizam iniciativas que buscam reduzir a ocorrência de incêndios e fortalecer ações de prevenção, seja por órgãos ambientais ou através de iniciativas da sociedade civil.

“Muitos proprietários começaram a repensar o manejo do fogo e procurar soluções legais para reduzir os incêndios, em especial dentro e nos arredores das propriedades privadas”, disse Andrade a ((o))eco, ao mencionar também a aplicação, pelo Ibama e ICMBio, de queimadas prescritas em algumas áreas protegidas. A ação preventiva, ela conta, tem o objetivo de reduzir os incêndios no período de estiagem, dentro de terras indígenas e unidades de conservação. 

Entre os exemplos das iniciativas mencionadas por ela está também o trabalho desenvolvido pela própria SOS Pantanal. A organização, que integra o Observatório Pantanal – coalizão composta por 43 instituições socioambientais atuantes na Bacia do Alto Paraguai (BAP) no Brasil, Bolívia e Paraguai –, através do Programa Brigadas Pantaneiras (BPAN), já estruturou 24 brigadas e capacitou 150 brigadistas, que estão distribuídos em diversos pontos da planície e do planalto para combater incêndios. O BPAN recebe o apoio de diversas instituições não governamentais e propriedades rurais inseridas no bioma. 

Para auxiliar a atuação do programa, a ONG modificou a sua rotina de monitoramento de queimadas. Atualmente, a SOS Pantanal conta com dois alertas diários de fogo e um boletim meteorológico diário. A medida busca manter os brigadistas compreendidos dentro da área BPAN atualizados sobre qualquer incidente envolvendo fogo. 

“O resultado, até o momento, é a redução do fogo em todas as áreas BPAN e maior envolvimento das comunidades locais sobre o tema”, comenta ela, ao enfatizar que os números são bastante positivos, também, porque contrariam a expectativa de aumento dos focos de incêndio. “No começo do ano, em razão da estiagem antecipada na região do Pantanal sul-mato-grossense, foi esperado um aumento do risco de fogo”.

Chuvas de agosto 

Para o pesquisador da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Geraldo Alves Damasceno Junior, que investiga relações entre diferentes vegetações com inundações, tipos de solo e eventos de fogo, essa diminuição também pode estar relacionada com o fluxo de chuvas. “Choveu no mês de agosto que é um mês que, normalmente, ou não chove ou chove muito pouco. É o mês da estação seca com menos chuva. Isso dificulta bastante a ocorrência de incêndios”, disse Damasceno sobre a precipitação no território sul-mato-grossense, que, neste ano, responde pela maior parte da área impactada pelo fogo. O estado compreende, respectivamente, 88% e 96% do total de focos de calor e da área consumida pelo fogo no Pantanal. 

Conforme boletim elaborado pela equipe técnica do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima do Mato Grosso do Sul (CEMTEC/MS), órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), as chuvas ficaram acima da média em agosto, com acúmulos entre 0 e 80 mm na região do Pantanal sul-mato-grossense.

O município de Aquidauana, que integra uma das sub-regiões do bioma no estado, por exemplo, registrou um acumulado de 184 mm de chuva em agosto. O índice é 553% maior do que a média histórica da cidade, de 36,9 mm. Na sequência, aparecem Miranda, com 138,4 mm de chuva (aumento de 290%), Corumbá, com 81,4 mm (214%) e Coxim, com 63,4 mm (77%). 

Passagens de frentes frias, transporte de umidade e, até mesmo, a oscilação antártica (AAO) são fatores climáticos que podem ter favorecido a formação de chuvas no estado em agosto, aponta o CEMTEC. “As chuvas acima da média climatológica estão associadas a períodos em que a AAO apresenta índice negativo”, diz o boletim. A situação descrita ocorreu em agosto em Mato Grosso do Sul. 

Cenário ainda crítico 

Apesar da diminuição dos incêndios, outro informativo, também elaborado pelo CEMTEC, e pelo Corpo de Bombeiros Militar do Mato Grosso do Sul (CBMMS), mostra que, até o fim da primeira quinzena deste mês, o estado deve continuar enfrentando altas temperaturas e baixas umidades, que podem variar entre 20-30%. 

“É uma combinação ideal das condições meteorológicas para o início ou agravamento dos incêndios florestais”, diz trecho do informativo. Ainda conforme o documento, o bioma continua em nível de alerta para a probabilidade de ocorrência de fogo entre setembro e novembro. 

A ressalva é a mesma da SOS Pantanal, que, apesar de reconhecer os resultados positivos para o bioma neste ano, se mantém em alerta: “A sugestão é manter, mesmo assim, a atenção redobrada para o mês de setembro, já que costuma ser o mês com maiores taxas de detecção de incêndio no bioma”, finaliza Ananda. 

  • Michael Esquer

    Jornalista em formação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Notícias
7 de setembro de 2022

Ibama executa só 37% do orçamento para prevenção de queimadas

Baixa liquidação orçamentária coincide com escalada no número de focos de incêndio em agosto e setembro

Reportagens
22 de agosto de 2022

Grupo de biólogas usa educação ambiental para promover a conservação no Pantanal

Chalana Esperança fomenta a formação de professores da rede pública no bioma. Iniciativa é ensaio de mundo onde mulheres estarão no centro das decisões, diz fundadora

Notícias
28 de julho de 2022

Incêndio consome cerca de 20 hectares em terra indígena do povo terena, no MS

Território está situado em munícipio do Pantanal sul-mato-grossense. Chamas atingiram área próxima de roça e foram controladas pelo Prevfogo e brigadistas indígenas voluntários

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta