Reportagens

Viveiro Educador: produção de mudas e de consciência

Projeto de produção de mudas integra alunos, pais e comunidades e sensibiliza populações locais sobre questões ambientais.

Ecocomunicadores da Rede ParaTudo ·
2 de março de 2017 · 7 anos atrás

Texto e fotos produzidos pelos ecomunicadores da Rede ParaTudo – Grupo Porto Murtinho/MS

Projeto Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo
Projeto Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo

Viveiro Educador é um espaço de produção de mudas de espécies vegetais. Além de produzi-las, desenvolve-se de forma intencional a construção de conhecimentos, práticas e reflexões que ajudam a criar um um olhar crítico sobre as questões ambientais.

Em Porto Murtinho, a Escola Bonifácio Gomes Pólo e Extensões abraçou o projeto e procurou envolver seus alunos, a comunidade e a própria cidade. A ideia surgiu com o professor e geógrafo Rodrigo junto com seus estudantes de graduação da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. O grupo faz parte do Projeto ParaTudo – Rede de Ecomunicadores do Pantanal e da Serra da Bodoquena, realizado pela Fundação Neotrópica do Brasil.

Alunos envolvidos no Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo
Alunos envolvidos no Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo

O objetivo principal do Viveiro Educador é buscar a conscientização dos alunos e da comunidade para responsabilidade socioambiental, segurança alimentar, inclusão social e recuperação de áreas degradadas. E esse propósito foi alcançado: os alunos se empenharam na construção do viveiro. Alguns trouxeram até mesmo suas ferramentas de casa. Sem o envolvimento deles não haveria tantas mudas para o plantio. O engajamento se expandiu além dos muros da escola e chegou aos pais de alunos e a população, garantindo outra meta: envolver a comunidade local.

O grupo levou conhecimento sobre a vegetação típica da região também para a comunidade rural, que aprendeu sobre espécies de plantas, seus nomes científicos, qual a melhor forma de plantá-las, em quais locais e a quantidade de espaço necessária.

Queremos que os Viveiros Educadores ultrapassem a esfera das políticas públicas e sejam utilizados também como instrumentos populares de transformação; que se multipliquem pela sociedade brasileira, urbana e rural, contribuindo para o resgate e a construção da cultura do plantar. Que o projeto envolva instituições, escolas, lares e bairros, fortalecendo as relações pessoais, os laços afetivos e envolvendo cada vez mais pessoas dispostas a refletir e agir na direção de um mundo mais justo e equilibrado para todos.

Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo
Viveiro Educador. Foto: Divulgação/ParaTudo

 

 

 

Leia também

Notícias
12 de julho de 2024

Aprovado, PL do hidrogênio abre brechas para alta emissão de carbono, alertam ONGs

Nota da Coalizão Energia Limpa e do Observatório do Clima critica aumento do limite de emissões e risco de utilização de combustíveis fósseis na produção do hidrogênio; projeto vai à sanção

Notícias
12 de julho de 2024

Rios amazônicos recebem 182 mil toneladas de plástico por ano

Bacia Amazônica já é a segunda bacia hidrográfica mais poluída do mundo, alertam pesquisadores

Salada Verde
12 de julho de 2024

Indígenas se reúnem para discutir restauração ecológica

Técnicas desses povos para recuperar ambientes naturais podem ser incorporadas em políticas públicas nacionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 5

  1. Joyce diz:

    Em que época começou a formação do bairro viveiros


  2. Paulo Robson diz:

    Parabéns peof. Rodrigo, garotada e a toda equipe. Trabalho belíssimo.


  3. Rosani diz:

    Parabéns a todos pelo projeto! Excelente iniciativa, importante para a conservação da vegetação e para a formação de uma sociedade cidadã.
    Rosani Arruda


  4. Rodrigo diz:

    Olá, sou o professor Rodrigo, citado na matéria sobre os Viveiros Educadores. Gostaria de agradecer ao pessoal da Rede Para Tudo pelo apoio e também citar a parceria do Projeto de Extensão "Plantas Alimentícias do Cerrado e Pantanal", da UFMS, coordenado pela Profa. Dra. Ieda, e também às professoras Ângela Sartori, Liana Baptista de Lima, Maria Rosangela Sigrist, Juliana Rodrigues Donadon, Rita de Cássia Avelhaneda Guimarães e Rosani do Carmo Oliveira Arruda que contribuíram muito significativamente com seus respectivos conhecimentos científicos, nas oficinas que lá realizaram.


    1. Liana Lima diz:

      Parabéns pelo projeto Prof. Rodrigo. É uma iniciativa de muito valor educacional e para discutir conservação da biodiversidade. Que o projeto cresça cada dia mais. Liana Lima