Salada Verde

Gaúchos preocupados com Pegada Ecológica

Pesquisa com 1095 pessoas mostra que a maioria tem consciência de que é preciso economizar água e dispor corretamente o lixo.

Redação ((o))eco ·
29 de novembro de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Porto AlegreVocê certamente já ouviu falar sobre a Pegada Ecológica, certo? Ela é um indicador de sustentabilidade, traduzindo as marcas que cada cidadão deixa no meio ambiente para mostrar até que ponto a forma de viver da humanidade está de acordo com a capacidade que o planeta Terra tem de oferecer e renovar seus recursos naturais. Em períodos de mudanças climáticas, como o que estamos enfrentando agora, no qual a sociedade está tomando consciência sobre a necessidade de diminuir o seu impacto sobre o meio ambiente, o conhecimento sobre a Pegada Ecológica se torna fundamental.

Calcule aqui sua pegada ecológica na calculadora virtual

Na última semana, o Comando Ambiental da Brigada Militar (CABM) do Rio Grande do Sul revelou que o gaúcho está bastante ciente e se mostra preocupado com a conservação da natureza. A “Campanha Pegada Ecológica – Que legado você quer deixar?”, realizada com 1095 pessoas em Porto Alegre e no interior do Estado, entre setembro e novembro deste ano, mostra que 98% dos entrevistados apontaram hábitos ambientais adequados para a proteção do meio ambiente. Nenhuma das respostas indicaram descaso com a natureza, embora 198 entrevistados tenham deixado respostas em branco.

Na pergunta referente à escovação dos dentes, 92,8% responderam que a torneira é aberta apenas para molhar a escova e no momento de enxaguar a boca, enquanto 7,2% disseram deixar a torneira aberta durante todo o tempo da higienização bucal. Quando o assunto foi descarte de papéis e plásticos ao andar pela rua, 63,9% disseram guardá-los até localizar uma lixeira, outros 31,3% responderam que colocam na lixeira e 3,8% afirmaram jogar no chão por hábito ou por não encontrar lixeira.

Já para o destino do lixo doméstico, as respostas foram mais equilibradas. A maioria (38,2%) disse que os resíduos recicláveis são separados, 29,8% responderam que o lixo seco é direcionado à reciclagem e o orgânico encaminhado para a compostagem. Outros 26,8% responderam que tudo é colocado em sacos plásticos para o lixeiro levar, mas não fazem ideia de onde vai parar o lixo no final. Apenas 5,2% dos entrevistados mostraram despreocupação com o lixo. No item tempo utilizado para o banho, 43% das respostas indicaram um período entre 10 e 20 minutos, 37,8% usam entre 5 e 10 minutos, 11% usam mais de 20 minutos e apenas 8,1% ficam menos de 5 minutos em baixo do chuveiro. Outro destaque foi o assunto mudanças climáticas, sobre o qual 91,3% afirmaram acreditar que existam alterações significativas no clima por culpa do homem, ao passo que 4,4% pensam que as transformações do clima acontecem, mas sem a interferência do ser humano. Os restantes 3,3% disseram não acreditar nas mudanças climáticas ou que elas sejam apenas propaganda enganosa.

O questionário continha 14 perguntas, as quais foram respondidas por 470 homens e 427 mulheres, sendo 562 pessoas na faixa do ensino médio, 178 com formação superior e 157 de escolaridade fundamental. O maior número de participantes estava na faixa etária de 15 a 20 anos, com 274 respostas, seguidos de 229 entrevistados com idade entre 30 e 40 anos.

Conforme a assessoria de imprensa da CABM, o resultado da pesquisa foi positivo. Ela revelou que as campanhas e ações de conscientização que o CABM e outros órgãos e instituições de meio ambiente promovem vêm surtindo efeito na população, pois apesar de ainda ter que se atingir um patamar mais elevado de educação ambiental o gaúcho – em sua maioria – já vem desenvolvendo hábitos que ajudam a conservar a natureza. No entanto, sabe-se que a questão é bem mais ampla, já que não se tata apenas das atitudes do cidadão em sua casa, no lazer ou no trabalho. É preciso levar as ações ecologicamente corretas até as grandes empresas, indústrias, governantes e todo o setor produtivo.

Dentre os próximos passos da CABM está o trabalho da Operação Golfinho 2010-2011 nas praias gaúchas, a partir de 18 de dezembro, quando o projeto Patrulheiro Ambiental Mirim estará à disposição dos veranistas. Interessados de 7 a 14 anos poderão participar das atividades que vão orientar para cuidados com a natureza, como palestras e práticas, para se tornarem multiplicadores das ações de educação ambiental.(Flávia Moraes)

Leia também

Notícias
10 de agosto de 2022

Amazonas tem seis das dez áreas protegidas mais ameaçadas do bioma

Estudo realizado pelo Imazon revela ameaças e pressões de desmatamento em unidades de conservação e terras indígenas na Amazônia entre abril e junho

Notícias
10 de agosto de 2022

ALMT adia votação do projeto que libera caça esportiva no Mato Grosso

Autor da proposta, o deputado Gilberto Cattani (PL) quer aumentar a “interação homem e natureza”. As espécies que poderão ser caçadas serão decididas pelo Executivo

Reportagens
10 de agosto de 2022

Complexo ameaça uma das últimas regiões livre de barramentos nas nascentes do Pantanal

Rio Cabaçal é alvo de projeto que prevê a construção de quatro PCHs e duas CGHs. Fragilizada pelo assoreamento, bacia do curso d'água pode sofrer com fortes impactos na qualidade da água

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta