Salada Verde

ONGs criticam novo secretário de Meio Ambiente de POA

Ex-deputado estadual Luiz Fernando Záchia, sem tradição na área ambiental, assume pasta da prefeitura de Porto Alegre sob protesto de ambientalistas. 

Redação ((o))eco ·
5 de fevereiro de 2011 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O novo secretário Luiz Fernando Zácchia (foto: divulgação/PMDB-RS)
O novo secretário Luiz Fernando Zácchia (foto: divulgação/PMDB-RS)

Porto Alegre –  Nesta semana, o ex-deputado estadual Luiz Fernando Záchia (PMDB/RS) assumiu a função de novo Secretário de Meio Ambiente de Porto Alegre no governo de José Fortunatti (PDT). A cerimônia de posse, que ocorreu na garagem da instituição, foi diferente da habitual. Além das pessoas que foram prestigiar o evento, ambientalistas estiveram presentes fazendo um manifesto simples, pacífico e criativo. Estavam vestidos com uma camiseta preta estampada “(EU) LUTO PELA SMAM” (sigla de Secretária Municipal de Meio Ambiente).

Felipe Viana, do Instituto Econsciência, afirma que a manifestação buscou demonstrar a insatisfação com a maneira que a atual gestão municipal trata a primeira Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Brasil. A preocupação é relativa à ausência do critério técnico na escolha do secretário, pois afirma que o perfil de Záchia é o de estar comprometido muito mais com o setor produtivo do que com o meio ambiente. “A SMAM vem se transformando em um órgão meramente político e a serviço dos interesses econômicos em detrimento do interesse coletivo”, declara.

Ao final do evento de posse, os representantes de movimentos ambientais foram conversar com o novo secretário. Entre as demandas estão a manutenção de um Cinturão Verde para a área urbana de Porto Alegre, que compreende toda a zona rural, os morros e a Orla do Guaíba. A necessidade de uma Reorganização Urbana também foi salientada, pois as ações de infraestrutura para a Copa de 2014 ameaçam milhares de moradias pobres, o que resultará em uma mascarada ‘higienização da cidade’. “Sabemos que existe um plano de realocar vilas inteiras para a região extremo sul da capital, em um local distante 35 km do Centro, sem emprego e com transporte precário”, conta Viana.

O protesto deixou claro que os ambientalistas não estão satisfeitos com a maneira que a prefeitura vem escolhendo os seus secretários do Meio Ambiente. Já não é a primeira vez que políticos não reeleitos aos seus cargos ganham a pasta ambiental. Além de Záchia, a Secretaria já foi comandada por outros ex-deputados estaduais que não se reelegeram: José Alberto Wenzel, Adilson Troca e Mauro Sparta, todos do PSDB. (Flávia Moraes)

Leia também

Salada Verde
17 de julho de 2024

Vence a floresta! Justiça reconhece Refúgio de Vida Silvestre da Floresta do Camboatá

Decisão judicial rejeita ação que apontava que criação da área protegida teria ocorrido de forma ilícita pelo município do Rio de Janeiro

Colunas
17 de julho de 2024

O Brasil poderá colocar definitivamente o oceano na agenda global do G20

O protagonismo brasileiro durante a presidência do G20, em meio à Década do Oceano da ONU, deve ser aproveitado até a última gota

Salada Verde
17 de julho de 2024

Primatólogos defendem projeto de lei para reduzir acidentes de animais na rede elétrica

Pesquisadores e ambientalistas aprovaram moção de apoio à Política de Prevenção de Acidentes Elétricos com Animais Silvestres, além de pedido por corredor para muriquis

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.