Salada Verde

Parque de Itatiaia compra mais um imóvel

Processo de regularização continua. Após a compra de duas propriedades em dezembro, ICMBio assinou nova aquisição no dia 24.

Redação ((o))eco ·
25 de março de 2011 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Walter Behr (à esquerda) assina a escritura de compra do imóvel de 225.721 metros quadrados (foto: divulgação/ICMBio)
Walter Behr (à esquerda) assina a escritura de compra do imóvel de 225.721 metros quadrados (foto: divulgação/ICMBio)

O Parque Nacional de Itatiaia, mais antigo do país, continua o seu processo de regularização fundiária.

Após as duas primeiras desapropriações de imóveis particulares no interior da unidade de conservação, no último mês de dezembro, o chefe do parque, Walter Behr, revelou a ((o))eco que o terceiro sítio foi comprado.

Com recursos de compensação ambiental de Furnas S/A, a propriedade que pertencia a Jayme Monjardim Matarazzo, com 225.721 metros quadrados, passou para as mãos do Instituto Chico Mendes nesta quinta-feira (24).

Até a área preservada cumprir as regras do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), segundo as quais não é permitido qualquer terreno particular dentro de uma unidade de conservação de proteção integral, ainda falta um longo caminho. (Felipe Lobo)

Leia mais
Regularização fundiária avança em Itatiaia

Leia também

Reportagens
27 de janeiro de 2023

Apib representa criminalmente ex-presidente Jair Bolsonaro por omissão na proteção do território Yanomami

Além do ex-mandatário, o ex-presidente da Funai, Marcelo Xavier e a ex-ministra e atual senadora Damares Alves são citados. A ação destaca possível incentivo para invasões da área protegida

Notícias
27 de janeiro de 2023

Mauro Mendes quer “desfederalização” do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

É a primeira vez que um parque federal seria transformado em estadual no País, aponta Rede Pró-Unidades de Conservação. Alteração pode diminuir poder de acionar mecanismos de proteção

Notícias
27 de janeiro de 2023

Justiça federal e estadual avaliam três ações civis públicas contra Complexo Termelétrico em Macaé

Desabastecimento hídrico e poluição atmosférica estão entre as irregularidades apontadas pelo Instituto Arayara, que reivindica estudos fundamentais negligenciados no licenciamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta