Salada Verde

Famílias serão removidas do Jardim Botânico, decide Izabella

Mal foi formalizada a troca na direção do instituto, a ministra anunciou o novo perímetro, com a remoção 525 famílias que residem no local.

Redação ((o))eco ·
9 de maio de 2013 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Luis Inácio Adams, ministro-chefe da Advocacia Geral da União e a ministra Izabella Teixeira, foco no fortalecimento do Jardim Botânico. Foto: Luciano Muniz.
Luis Inácio Adams, ministro-chefe da Advocacia Geral da União e a ministra Izabella Teixeira, foco no fortalecimento do Jardim Botânico. Foto: Luciano Muniz.
 

A troca de comando na direção do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) veio acompanhado do fortalecimento do instituto e da decisão, formalizada ontem (07), de remover as 525 famílias que residem no local. A determinação foi anunciada durante coletiva de imprensa para anunciar a nova demarcação do Jardim Botânico.

O novo perímetro delimita 132, 5 hectares e retira, pelo menos, 525 famílias do terreno. Nos próximos 30 dias, os moradores serão recadastrados e alternativas serão discutidas. Não foi informado prazo para a desocupação do local. “Definimos o novo perímetro do JBRJ, que ficaria com área de 132,5 hectares e como será a interlocução com os moradores que hoje habitam o local”, explicou Izabella.

Nessa configuração, 110 famílias que vivem na estrada Dona Castorina ficaram de fora dos limites do parque e não serão removidos. O restante terá que sair. O governo dará prioridade para a retirada das 200 casas em área de risco.

“Eu acho imprescindível que isso fique como um marco de que não se pode invadir parque nacionais, parques estaduais, sobre o pretexto de que ali existe só uma mata, uma floresta”, ressaltou Luiz Prado, especialista em Políticas Públicas de Meio Ambiente, que participou da coletiva.

“A ideia é preservar e, com isso, discutir com a sociedade o papel do Jardim Botânico para a cidade, no país como instituição técnica cientifica e cuidar dessas pessoas que já tem vínculos históricos com essa região”, disse a ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira.

Também participaram do anúncio o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, Fransisco Gaetani, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, a secretária do Patrimônio da União, Cassandra Nunes e a presidente do Jardim Botânico, Samyra Crespo.

Em entrevista a Agência Brasil, a presidente da Associação de Moradores do Horto afirmou que os moradores não aceitam o acordo e irão entrar na Justiça contra a decisão. “Não vamos aceitar esse tipo de imposição. Vamos partir judicialmente e politicamente para mudar essa proposta e teremos uma reunião nesta quinta-feira [9] ou no próximo sábado [11] para discutirmos de que forma vamos agir”, disse Emília Maria de Souza, presidente da Associação de Moradores e Amigos do Horto.

Leia também

Reportagens
11 de agosto de 2022

Aneel revoga outorga de autorização de usinas termelétricas na Baía de Sepetiba

Sociedade civil questiona desde altos riscos em região sensível a impactos socioambientais aos erros cometidos nos trâmites legais para a implementação das térmicas

Notícias
10 de agosto de 2022

Amazonas tem seis das dez áreas protegidas mais ameaçadas do bioma

Estudo realizado pelo Imazon revela ameaças e pressões de desmatamento em unidades de conservação e terras indígenas na Amazônia entre abril e junho

Notícias
10 de agosto de 2022

ALMT adia votação do projeto que libera caça esportiva no Mato Grosso

Autor da proposta, o deputado Gilberto Cattani (PL) quer aumentar a “interação homem e natureza”. As espécies que poderão ser caçadas serão decididas pelo Executivo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta