Salada Verde

Pós Rio+20: Brasil define posições que serão defendidas na ONU

Grupo Interministerial determinará por qual tipo de desenvolvimento sustentável o país defenderá na reunião das Nações Unidas em 2015.

Redação ((o))eco ·
1 de abril de 2014 · 10 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Grupo definirá posições que o Brasil defenderá na ONU. Foto: Paulo de Araújo/MMA
Grupo definirá posições que o Brasil defenderá na ONU. Foto: Paulo de Araújo/MMA

Em 2015, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável tomarão o lugar dos Objetivos do Milênio e servirão de metas para a construção de uma agenda de trabalhos. Para definir a posição que o Brasil defenderá na ONU, ontem (31), foi lançado o Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) sobre a Agenda para o Desenvolvimento Pós-2015.

“O Brasil talvez seja o país com as maiores condições, no curto prazo, de assumir uma agenda de fato sustentável”, discursou a ministra Izabella Teixeira, que preside o Grupo de Trabalho junto com o  ministro das Relações Exteriores. A liderança do país nas grandes negociações ambientais no âmbito da ONU é histórica e foi fortalecida quando o país voltou a sediar a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

Os negociadores brasileiros se vangloriaram, na ocasião, por terem conseguido fechar o texto final da conferência antes da chegada dos chefes de estado. O que o texto ganhou de rapidez, perdeu em ambições. Metas vagas foram alvos de críticas e as ONGs resolveram retirar o nome do texto final, pois não apoiavam o texto “de jeito nenhum”.

Tanto Izabella Teixeira, quanto a atual ministro Luiz Alberto Figueiredo, que em 2012 era o negociador-chefe do Brasil na Rio+20, consideraram o texto bom e garantiram que ele serviria de base para traçar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em 2015, o novo desafio das nações unidas que deverá envolver todos os países membros da ONU.

Agora, o Brasil começa a discutir num grupo como será o novo documento.

“Temos, como emergentes, a obrigação de propor caminhos inovadores”, disse a ministra Izabella no lançamento do Grupo. Ela defendeu que o documento final deve conter metas para conter as mudanças climáticas, aumentar as fontes de energia renováveis e conservar a biodiversidade, combinadas à erradicação da pobreza – um dos Objetivos do Milênio que continuarão a ser perseguidos nos novos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Além dos ministérios do Meio Ambiente e das Relações Exteriores, também farão parte dos trabalhos os ministérios da Fazenda, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e da Secretaria Geral da Presidência da República. 

 

Leia Também
Negociador brasileiro diz que líderes não mudarão texto
ONGs querem ficar de fora do documento da Rio+20
A Rio+20 foi um fracasso? Depende de nós

 

 

 

Leia também

Notícias
22 de julho de 2024

Paul Watson, fundador do Greenpeace e protetor de baleias, é preso na Groenlândia

Ambientalista foi detido por agentes da polícia federal da Dinamarca, em cumprimento a mandado de prisão do Japão; ele partia da Irlanda para confrontar navio baleeiro japonês

Salada Verde
22 de julho de 2024

Encontro de alto nível sobre ação climática reúne ministros e líderes de 30 nações

8ª Conferência Ministerial sobre Ação Climática (MoCA), realizada este ano na China, tem objetivo de destravar discussões que ficaram emperradas em Bonn

Notícias
22 de julho de 2024

Ministério Público investiga esquema de propina em órgão ambiental da Bahia

Servidores, ex-funcionários e outros investigados teriam recebido até R$ 16,5 milhões de fazendeiros para facilitar concessão de licenças ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.