Salada Verde

Sérgio Brant anuncia o seu time no ICMBio

Após assumir a Diretoria de Criação e Manejo de UCs, Brant confirma equipe, que trabalhará em período sob ameaça de mudanças na Lei do SNUC.

Redação ((o))eco ·
6 de maio de 2014 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Parque Nacional de Brasilia. Foto:
Parque Nacional de Brasilia. Foto:

((o))eco conversou hoje (06) com Sérgio Brant Rocha, que acabou de assumir a Diretoria de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do ICMBio, em substituição a Giovanna Palazzi.

Brant confirmou que já formou sua equipe. Na Coordenação Geral de Criação e Planos de Manejo, entra Lilian Mitiko Hangae, que estava lotada na Estação Ecológica Tupinambás. A Coordenação Geral de Proteção Ambiental será ocupada por Daniel Rios, até então no Parque Nacional das Sempre Vivas. Completa o trio, Fábio de Jesus, que virá do Parque Nacional de Brasília para a Coordenação Geral de Visitação.

Esse time não trabalhará durante um período fácil. Após a mudança do Código Florestal, a movimentação no Congresso indica que a chamada bancada ruralista quer flexibilizar a Lei do Snuc, e levar à frente ações como reabrir a Estrada do Colono, no Parque Nacional de Iguaçu e permitir mineração dentro de Parques Nacionais.

 

Leia também
Mudança no primeiro escalão do ICMBio

 

 

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta