Salada Verde

Presidente da WWF vem ao Rio falar da importância da Amazônia

Palestra da líder mundial WWF enfatiza a importância da preservação da Amazônia para manter o equilíbrio do clima em outras regiões.

Duda Menegassi ·
5 de setembro de 2014 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Yolanda Kakabadse, presidente mundial da WWF e uma das lideranças que vai falar pela Amazônia na COP20, em Lima. Foto: WWF
Yolanda Kakabadse, presidente mundial da WWF e uma das lideranças que vai falar pela Amazônia na COP20, em Lima. Foto: WWF

Nesta segunda feira, 08/9, Yolanda Kakabadse, presidente do Conselho Mundial da WWF (Word Wildlife Fund), vem ao Rio de Janeiro para a palestra “Amazônia no Rio”, que será realizada na PUC-Rio. O evento aproveitará a proximidade com o Dia da Amazônia, comemorado nesta sexta, 5 de setembro, para enfatizar a importância da preservação do bioma na manutenção do ciclo de águas em outras regiões do Brasil, além de países vizinhos.

A ênfase em Amazônia é também uma preparação ao debate que ocorrerá em dezembro na 20ª Conferência Sobre Clima das Nações Unidas (UNFCCC/COP 20), sediada em Lima, Peru. Será a primeira vez, que esse encontro ocorre em um dos países da Pan-Amazônia e há grande expectativa e preparativos para fazer do bioma e seu papel de regulador do clima um tema central desta da conferência. Espera-se que um dos resultados da chamada COP20 seja fortalecer os mecanismos de preservação da Amazônia.

Yolanda Kakabadse é equatoriana e já foi ministra do Meio Ambiente de seu país. Ela traz para a discussão a “Agenda de Seguridade Climática para a Amazônia”, documento produzido em 2013 com o objetivo de estimular um plano de ação sustentável na região que garanta a segurança hídrica, energética, alimentar e de saúde.

Uma das funções da grande floresta é fazer o papel de bomba d’água. A cobertura vegetal da Amazônia recebe dentro do continente a umidade que é evaporada no Oceano Atlântico e que se transforma em chuva quando chega à floresta. A mata a devolve para a atmosfera em forma de vapor d’água, a uma razão de até mil litros de água/dia por árvore. Esses cursos invisíveis de umidade atmosférica são chamados de rios voadores, e, graças à barreira natural da Cordilheira dos Andes, são guiados para o sul e ajudam a formar o regime de chuvas nas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, além de países vizinhos.

Uma das passagens da Agenda de Seguridade Climática para a Amazônia diz: “Em outras partes do mundo, os impactos da degradação ambiental já estão comprometendo a seguridade humana e econômica em grande escala. Como um continente, a América do Sul tem sido o menos afetado por essa dinâmica – mas em grande parte devido a sua dependência de uma Amazônia saudável”

O evento é uma realização da WWF em parceria com a PUC-Rio e seu Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA). Ele ocorrerá às 10h, no Auditório Del Castilho, no RDC da PUC-Rio, e é aberto ao público, sem necessidade de inscrição. A palestra será feita em espanhol.

 

 

Leia também

Parques Nacionais e o Dia da Amazônia
Os riscos climáticos e econômicos da destruição das florestas amazônicas
((o))eco fecha Semana do Meio Ambiente da PUC-Rio

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta