Salada Verde

Greenpeace invade ruínas milenares e revolta peruanos

Mensagem de protesto contra mudanças climáticas pode ter danificado Linhas de Nazca, de 2.100 anos. Governo do Peru pretende processar ativistas.

Redação ((o))eco ·
11 de dezembro de 2014 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Foto: Thomas Reinecke/Greenpeace.
Foto: Thomas Reinecke/Greenpeace.

Um protesto atrapalhado do Greenpeace desviou a atenção da Conferência das Partes da ONU sobre o Clima (COP20). Escrito com 43 letras e um sinal de exclamação feitos em tecido amarelo, a manifestação formou a frase “Time for change! The future is renewable. Greenpeace” (“É hora de mudar. O futuro é renovável”). Até ai nada demais. Entretanto, o local escolhido foram as linhas de Nazca, geoglifos [figuras feitas no chão] de mais de 2 mil anos considerados patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO.

Os ativistas invadiram a área na madrugada de segunda-feira, sem autorização, e formaram a imensa mensagem de letras amarelas, feita para ser vista por sobrevoo. O recado foi dirigido aos representantes dos países que estão reunidos na COP20, em busca de um rascunho do novo acordo global de redução de gases de efeito estufa.

De acordo com jornais locais, a ação pode ter provocado danos aos desenhos milenares criados pela civilização de Nazca, entre 400 e 650 a.C. O governo peruano ficou furioso. Segundo especialistas em arqueologia enviados ao local, que fica entre as cidades de Nazca e Palpa nos Pampas de Jumana, a cerca de 400 km ao sul de Lima, a região atingida pelo protesto tem cerca de 1.600 metros quadrados. O Ministério da Cultura do Peru denunciou o Greenpeace ao ministério público.

O Peru quer saber a identidade dos cerca de 12 ativistas que invadiram a área proibida e processá-los. Eles estão ameaçados de não poder deixar o país e podem pegar até 8 anos de prisão, caso condenados.

Em nota, o Greenpeace pediu desculpas:

“Greenpeace pede desculpas à população do Peru pela ofensa causada por conta da nossa recente atividade no sítio arqueológico de Nazca, no Peru, na qual letras de tecido foram colocadas próximas ao desenho do beija-flor. Nós lamentamos profundamente o ocorrido”.

Ainda de acordo com a nota, o Greenpeace afirma que colaborará com as investigações e anuncia a vinda do diretor-executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo, que pedirá desculpas pessoalmente ao governo peruano.

 

 

Leia Também
Reta final da COP-20 pode abraçar proposta brasileira
Países se comprometem a restaurar 20 mi de hectares até 2020
TI e UCs armazenam 55% dos estoques de carbono na Amazônia

 

 

 

Leia também

Notícias
16 de agosto de 2022

Plano de governo de Bolsonaro defende “harmonização ambiental” e põe em xeque dados do desmatamento do Inpe

O plano de governo de Jair Bolsonaro para reeleição tem propostas questionáveis e um acerto para apoiar a Amazônia

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
15 de agosto de 2022

Bolsonarismo resiste na Amazônia, mas eleitores se dividem no voto a voto

É apenas na região Norte que Jair Bolsonaro lidera na pesquisa espontânea. Na estimulada, quando os eleitores são apresentados aos nomes dos concorrentes, Lula aparece em primeiro lugar, porém ambos empatam tecnicamente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta