Salada Verde

Lançada petição para frear matança de animais em estrada

Mais de 20 mil animais são atropelados, todo ano, na estrada que corta a Reserva Biológica de Sooretama. Dessa vez, uma onça parda foi morta.

Redação ((o))eco ·
11 de março de 2015 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Onça foi atropelada ao tentar atravessar a pista. Foto: Instituto Últimos Refúgios/Facebook.
Onça foi atropelada ao tentar atravessar a pista. Foto: Instituto Últimos Refúgios/Facebook.

Na manhã deste sábado (07) uma onça parda (Puma concolor) foi morta ao tentar atravessa a BR 101, no trecho em que a estrada corta a Reserva Biológica de Sooretama, situada no norte do Espírito Santo. Um vídeo foi feito e uma petição online iniciada para que imagens como esta que ilustra a matéria não volte a se repetir.

Segundo os pesquisadores do Instituto Últimos Refúgios, que lidera a campanha em prol de reajustes na estrada, cerca de 20 mil animais são mortos todos os anos nesse trecho de 25 km da estrada que corta duas áreas protegidas, a Reserva Biológica de Sooretama e a Reserva Natural Vale, além de ser próxima das Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) Mutum Preto e Recanto das Antas.

A petição online no Avaaz será entregue ao Ministério Público. O pedido é para que mudanças sejam feitas na estrada, como:

  • Reduzir a velocidade da via para 60 km/h em todo o trecho de 25km;
  • Instalar radares de trecho inteligentes que registram e monitoram a velocidade dos veículos;
  • Desobstruir os túneis de drenagem de água sob a pista que podem servir como passagem de fauna;
  • Fazer o cercamento da via de forma direcional para os túneis;
  • Retirar as árvores frutíferas exóticas das margens da estrada (mangueiras e jaqueiras, por exemplo);
  • Colocar placas temáticas de advertência e educativas no trecho;
  • Instalar passagens de estrato arbóreo (passagens aéreas) para travessia de animais arborícolas (macacos e bicho-preguiça, por exemplo);
  • Retirar o lixo das florestas e corpos d’água no entorno na rodovia;
  • Promover ações de sensibilização dos usuários da rodovia;
  • Disciplinar o uso da via pela comunidade e empreendedores locais.

Em novembro, os pesquisadores Aureo Banhos, Andressa Gatti, Marcelo Renan de Deus Santos e Leonardo Merçon, o último presidente do Instituto Últimos Refúgios, publicaram uma coluna aqui em ((o))eco denunciando a matança na estrada, que passa por estudo de impacto ambiental para permitir a expansão e duplicação da pista.

De lá pra cá, nada mudou.

 

 

Saiba Mais
Petição Online – em Prol de medidas emergenciais contra atropelamentos de animais silvestres na Reserva Biológica de Sooretama e Reserva Natural Vale.
Vídeo uma estrada no camino da onça

Leia Também
BR-101, uma ameaça ao refúgio dos animais da mata    
O pesquisador que quer salvar animais com um celular    
Atropelamento de fauna: desastre ambiental fácil de evitar    

 

 

 

Leia também

Reportagens
19 de maio de 2022

Pesquisa questiona ocorrência de Mata Atlântica no Piauí

O estudo caracterizou flora e vegetação de florestas estacionais em municípios na área de abrangência da Lei da Mata Atlântica no Piauí e concluiu que não há espécies botânicas exclusivas do Bioma

Notícias
19 de maio de 2022

Em meio à ameaça da mineração, projeto prevê criação de parque na Serra do Curral

O projeto de lei nº 1.125/22 foi apresentado às comissões da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para garantir a proteção da serra mineira

Reportagens
18 de maio de 2022

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe quer retomar posse do território

Indígenas estão acampados desde quinta (12) ao lado da sede do parque fluminense, em mobilização pela retomada do seu território ancestral

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. Eu espero que os indígenas sejam assentados em terras degradadas do entorno, onde eles podem produzir suas roças à vontade. Infelizmente vimos muitas vezes o resultado da entrada de indígenas nas unidades de conservação do sul da Bahia e norte do Rio Grade do Sul, para no falar do litoral de São Paulo e Paraná. A extinção local dos animais de maior porte se segue rapidamente, assim como a venda de madeira. As unidades de conservação não são palco para solucionar os nosso grave problemas sociais.


    1. Leandro Travassos diz:

      Falou e disse! Com a diplomacia e o respeito que o tema merece. Parabéns à Duda pela matéria e ao Everton pelo lúcido comentário. Muito bom!


  2. Israel Gomes da Silva diz:

    Se não tem apoio de partido político, quem está bancando a picanha e a bebida que a liderança está comendo todos os dias no Sahy Vilage Shopping, sendo solicitado apenas Notinhas da comida? Todos os dias um grupo de indígenas vão à praia e aí Shopping, mesmo no frio.


  3. Salvador Sá diz:

    Parabens ao Duda pela materia, me permite concluir que estamos diante de uma nova e muito grave ameaça ao q sobrou, grave pq faz uso de uma causa nobre, mas cheia de equivocos e que está enganando muita gente e não só os próprios índios. A materia fura o cerco de silencio feito pelo ambientalismo seletivo e chapa branca midiatico.