Salada Verde

Membros do governo desmentem possível queda de Salles

Após especulações sobre saída do ministro do Meio Ambiente, Wajngarten e Zambelli garantem permanência dele no cargo, o que aumenta as especulações sobre a situação de Salles

Daniele Bragança ·
2 de julho de 2020 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Carolina Antunes/PR.

Há dias, tem crescido o boato em torno da saída do ministro Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente. Para dar um fim no rumor, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) e o chefe da Secom, Fabio Wajngarten, vieram a público dizer que o ministro “segue firme” no posto.

O desmentido, ao contrário de colocar uma pedra no assunto, amplia a especulação sobre o destino de Ricardo Salles. Há motivos para isso. Todos os ex-ministros do governo Bolsonaro passaram pelo mesmo ritual de negações sobre saídas, que no fim só confirmaram que o boato estava certo.

Embora Ricardo Salles mantenha o apoio do presidente e da parte ideológica do governo, o aumento do desmatamento na Amazônia, a fala sobre a boiada e a paralisação do Fundo Amazônia cobram seu preço. A evasão de investimentos internacionais pressionam a saída de Salles. Na rádio corredor, dizem que essa pressão é feita pelos ministros Paulo Guedes, da Economia, e Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Leia Também 

A porteira aberta e o mata-burro do Ministério do Meio Ambiente

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

Agronegócio, indústria e construção civil saem em defesa da “boiada” de Salles

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
26 de maio de 2020

Agronegócio, indústria e construção civil saem em defesa da “boiada” de Salles

Anúncio de uma página nos principais jornais do país afirma que “burocracia também devasta” e que entidades apoiam a agenda do Ministério do Meio Ambiente

Análises
28 de maio de 2020

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

O anticientificismo do governo Bolsonaro procura garantir o descrédito da política ambiental, mantendo-a no lugar de empecilho ou obstáculo ao ‘seu’ Brasil

Análises
1 de julho de 2020

A porteira aberta e o mata-burro do Ministério do Meio Ambiente

Ao ignorar o processo histórico, com intenções questionáveis e formação deficiente, o ministro Salles abriu a porteira no MMA, mas caiu no mata-burro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Observer diz:

    Ele é ruim, bem ruim, mas todos os anteriores tb eram, pelo menos desde Marina até agora. Cada um ruim do seu jeito, mas todos ruins. Detalhe, maior índice de desmatamento nesse período foi 2004, e já era segundo ano de gestão LulaMarina


    1. John Ranbo diz:

      se vc fosse bom observador mesmo saberia que saiu de 27 mil pra 13mil durante o mandato da Marina


      1. Zobservandu diz:

        E vc observaria que no primeiro ano da Marina foi 25mil, tendo sido 21mil no ano anterior! E no segundo ano da Marina, 27mil!!! Mas daí não foi culpa dela…foi do Mário!!!