Salada Verde

Mobilização contra mortes de animais silvestres ganha força em Alta Floresta

Entidades civis, públicas e de pesquisa debaterão soluções para a intensa perda de biodiversidade às 19h desta quarta-feira (25)

Aldem Bourscheit ·
24 de outubro de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A intensa circulação nas zonas urbana e rural e o frequente atropelamento de animais silvestres em Alta Floresta (MT) fez entidades civis e públicas buscarem soluções para esta perda de biodiversidade amazônica.

A Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Fundação Ecológica Cristalino, Prefeitura e parceiros debaterão soluções para o problema às 19h desta quarta (25), no Museu de História Natural de Alta Floresta. 

As intenções iniciais são informar a população, instalar redutores de velocidade, placas educativas, túneis e pontes para a travessia segura de animais e reconexão de áreas verdes.

Apesar do desmatamento histórico, há fragmentos de mata nativa nas zonas urbana e rural do município que são usados por inúmeras espécies, reconhece a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Apenas entre março de 2022 e setembro de 2023, carcaças de 65 animais silvestres atropelados foram doadas para pesquisa e extensão ao laboratório local de Zoologia da UNEMAT. 

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) no município recebe em média 5 animais silvestres por mês. Os feridos seguem a um hospital em Sinop, a 300 km. Os demais são tratados e podem voltar à natureza. 

Apesar do citado, especialistas confirmaram a ((o))eco que o animal morto é uma jaguatirica. Vídeo: Divulgação / Observa-MT

A 7ª Companhia Independente Bombeiros Militar (7ª CIBM) de Alta Floresta atende cerca de um caso do dia. Aves, cobras e macacos são os mais resgatados. O Ibama local é acionado uma vez ao mês sobre casos similares. 

Mato Grosso é um dos poucos estados do Brasil que não possui um Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas). 

A mortandade de animais prejudica sobretudo espécies em risco de extinção, de reprodução lenta e as de topo de cadeia alimentar – como onças-pintadas –, das quais muitas outras dependem para sobreviver.

As informações são do Notícia Extra e do Observatório Socioambiental de Mato Grosso (Observa-MT).

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
5 de julho de 2023

Por que morrem tantos animais na BR-262?

((o))eco percorreu trecho da rodovia e ouviu especialistas sobre as causas e as alternativas para reduzir as colisões

Reportagens
5 de junho de 2023

Macaco na pista! Brasil é o segundo país que mais atropela primatas no mundo

Base de dados global compila ocorrências de atropelamentos de primatas. Brasil soma 788 registros, a maioria deles na região sudeste e na Mata Atlântica

Reportagens
10 de agosto de 2023

Desmatar marginais da BR-262 é emergencial, afirma o Ibama

Medidas para conter colisões com a fauna incluem ampliar e reformar alambrados, passagens aéreas e subterrâneas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.