Salada Verde

O estrago que as cabras fizeram na flora da Ilha de Trindade

Ao longo da ocupação da ilha, animais domésticos foram responsáveis por dizimar espécies nativas como a árvore Colubrina glandulosa.

Sabrina Rodrigues ·
19 de setembro de 2016 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Como quase toda ilha, a de Trindade vivia muito bem, obrigada, até o estabelecimento de homens e dos seus respectivos animais domésticos lá por volta do século XVIII e XIX. A ilha viu sua árvore mais característica, a Colubrina glandulosa, ser extinta após a introdução de cabras no local. Segundo especialistas, em 1700, a árvore chegou a cobrir 80% da ilha. Entre 1959 e 1965, o naturalista Johann Becker, do Museu Nacional, constatou a extinção da espécie. Num texto assinado pelo jornalista Ricardo Bonalume Neto, a Folha de São Paulo conta na edição desta segunda-feira (19) como se deu esse processo de degradação na Ilha de Trindade, considerada a mais distante do litoral brasileiro (ela está situada a 1.167 quilômetros da costa).

 

 

Leia Também

Ilha Macquarie: como vencer os predadores introduzidos

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Análises
5 de janeiro de 2015

Ilha Macquarie: como vencer os predadores introduzidos

Primeiro, a exploração humana devastou a ilha. Depois, os conservacionistas travaram uma longa guerra contra as pragas exóticas.

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Carlos L. Magalhães diz:

    Os ambientalistas e ongueiros deveriam se preocupar mais com o futuro, e não chorar o passado.

    Deveriam agir contra o que está acontecendo com a invasão dos javalis no Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Não se pode persegui-los com meios "cruéis", não se pode comercializar sua carne; ter autorização para usar uma arma de fogo é uma "via crucis" e o custo para se legalizar é de mais de R$ 800, a burocracia quase intransponível.

    Deveriam ver o triste estado em que se encontra a Reserva Biológica do Guaporé (RO), com seu rebanho de 15.000 búfalos asiáticos asselvajados que erodem a área, assoreiam cursos d'água, competem por alimento e abrigo com a fauna local. E, por preconceito e ignorância, não podem ser caçados ou abatidos. E isto DENTRO DE UMA U.C.!!!

    Chega de "mi-mi-mi" e lamentações. Trindade já era. Pensemos no que ainda tem conserto!

    E enquanto ambientalistas e ongueiros gritam contra o passado e produzem "papers"; enquanto Brasilia, Ibama e ICMBio fazem planos, javalis e búfalos fazem filhotes…