Salada Verde

Pecuária especulativa desmata mais e produz menos carne

A análise da Trase mostra igualmente que 11% dos municípios bovinicultores concentram 95% das derrubadas para pastagens

Aldem Bourscheit ·
24 de novembro de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

As áreas desmatadas ou convertidas à pecuária cresceram 60% de 2016 a 2020, de 590 mil ha para 948,7 mil ha. Nos mesmos 5 anos, a cobertura de pastos diminuiu de 164 milhões de ha para 162,5 milhões de ha, e a produção de carne bovina caiu de 10,2 milhões de toneladas para 9,8 milhões de toneladas. 

A expansão de uma pecuária improdutiva voltada à especulação de terras pode explicar essa tendência, “aparentemente contraditória”, traz uma análise publicada esta semana pela iniciativa Trase, que fomenta mais transparência e sustentabilidade à agropecuária. 

“Isso indica que a pecuária, seja para a produção de carne bovina, seja para a especulação fundiária, continua a ser o principal motor do desmatamento e da conversão”, diz o estudo. Isso ocorre sobretudo na Amazônia e no Cerrado, apesar de frigoríficos se comprometerem com desmate zero.

O levantamento apontou igualmente que 95% da conversão e do desmatamento para pecuária se concentraram em 388 municípios produtores de gado, em 2020. Eles representam pouco mais de 11% das 3.386 municipalidades com essa atividade no país.

Os mesmos 388 municípios respondem por 42% da produção nacional e por 52% das exportações. A Trase pondera que priorizar a rastreabilidade de bezerros nessas localidades pode facilitar acordos comerciais que exigem compras livres de desmate, como com a União Europeia.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
29 de setembro de 2020

Satélites, mapas e trajeto do boi: saída para reduzir desmatamento já opera no Brasil

JBS anunciou meta ambiental para 2025, mesma data prevista por Marfrig. Mas país já tem todos os instrumentos para identificar criadores de gado que derrubam a floresta ilegalmente

Reportagens
14 de julho de 2020

Produção bovina concentra em 55 municípios metade do desmatamento associado

Expansão de pastagem foi responsável por 81% do desmatamento na Amazônia brasileira e 54% no Cerrado em 2018, segundo dados publicados pela Trase

Notícias
22 de novembro de 2023

Pecuária na Amazônia pode ser responsável por 3 milhões de hectares de desmatamento até 2025

Estudo publicado nesta quarta calculou risco de destruição da floresta em áreas de compra de frigoríficos instalados no bioma. JBS é a empresa com maior risco

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Eva diz:

    Impressionante. Quanto mais sabemos sobre as drásticas consequências do desmatamento para o país e para o mundo, mais agimos em contrariedade às factíveis mudanças que possibilitariam ao menos amenizar a grave e problematica condição ambiental no Brasil. No contexto em que nos encontramos, não termos um monitoramento eficaz e bem consolidado de rastreabilidade de bezerros para assegurar compras livres do desmatamento, beira à loucura.