Análises

Passando a boiada no Pantanal, o boi não é “bombeiro” é ameaça ao bioma

Fala de membros do governo de que boi seria "bombeiro" no Pantanal é uma informação falaciosa. Rebanho bovino no Pantanal triplicou nos últimos 30 anos

Lucas Ferrante ·
14 de outubro de 2020 · 3 anos atrás
Boi não é bombeiro e sim nocivo às vegetações nativas do Pantanal e da Amazônia. Foto: Duda Menegassi

Esta semana, a Ministra da Agricultura Tereza Cristina, o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles e o Chefe da Embrapa Evaristo de Miranda, manifestaram na mídia que o boi seria o “bombeiro” do Pantanal, informação completamente falaciosa. Tal teoria também foi defendida pelo filho do presidente Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, em vídeo com o biólogo (sem nenhuma qualificação no tema) e embaixador do ecoturismo brasileiro, Richard Rasmussen.

A Ministra da Agricultura, já havia defendido a abertura de terras indígenas e unidades de conservação à pecuária no ano passado, ignorando toda a literatura científica que mostra o quão nocivo a pecuária seria para a estrutura da floresta e para fauna local. Quando a Ministra defendeu tal abertura, eu publiquei aqui em ((o)) eco, uma coluna explicando com base em artigos científicos de estudos que coordenei o quão prejudicial a pecuária é para a estrutura da floresta e fauna. Dado que cientificamente, já tem sido comprovado que a atual gestão do presidente Bolsonaro tem tomado medidas que fragilizam o meio ambiente, como mostrado em um artigo publicado na revista científica Environmental Conservation, que é editada pela Universidade de Cambridge. É importante desvendarmos através da ciência estas fake news que fragilizam a proteção dos biomas brasileiros em detrimento de uma expansão agropecuária insustentável.

De fato, as declarações de Tereza Cristina, Ricardo Salles e Evaristo de Miranda sobre o “boi bombeiro” são anticientíficas e apenas conversa para “boi dormir”. Em artigo publicado na revista Journal of Biogeography em 2017, foi confirmado que a pecuária é o cultivo mais nocivo para a estrutura da vegetação natural e para a composição da fauna. O estudo mostrou que o pisoteio causado pelo gado destrói a vegetação natural, tornando-a rala e mais seca, onde o microclima destas áreas consequentemente era afetado. O estudo mostrou que o gado era responsável por causar a mortalidade de árvores e abertura de clareiras, além da presença do gado destruir a vegetação nativa e o pisoteio dos animais assorear corpos d’água e nascentes, e impedir o recrutamento de novas plantas na área, mantendo apenas a vegetação rasteira. Esta degradação da vegetação tende a torná-la mais seca, o que por si, já causa uma grande degradação aos biomas, mas também potencializa o risco de incêndios, tornando o boi, não o herói, mas um dos vilões.

Fortes incêndios no Pantanal são uma combinação entre fatores climáticos e humanos. Foto: Iberê Périssé/Projeto Solos

Outras pesquisas mostram que o fogo não é natural tanto para o Pantanal como para a Amazônia, de forma que a vegetação seca e rasteira, favorece a propagação das chamas. Além disso, a Polícia Federal encontrou evidências de que os incêndios no Pantanal foram criminosos e causados por fazendeiros.

Um dos pontos da falácia defendida por Salles e Tereza Cristina, é de que haveria uma diminuição da pecuária no Pantanal o que teria aumentado os incêndios, o que é uma mentira, uma vez que a área utilizada para agricultura e para rebanho bovino triplicou no bioma nos últimos 30 anos. De fato, se olharmos apenas para os últimos anos, tanto a área de pastagens como o tamanho dos rebanhos aumentaram para o Pantanal. Além disso, mesmo do ponto de vista do desenvolvimento econômico, não é justificável a expansão da pecuária em áreas da Amazônia e Pantanal, pois existem terras ociosas em outras partes do país que permitem o aumento da produção sem que a pecuária avance sobre estes biomas, como demonstrado no estudo publicado pela revista Global Environmental Change por pesquisadores da PUC e da Embrapa.

Afirmações como a do “boi bombeiro” por pessoas ocupando cargos tão importante como o Ministério da Agricultura e Ministério do Meio Ambiente, denotam o viés ideológico e nada científico pelos ocupantes destes cargos. A destruição ambiental, como aumento de queimadas e desmatamento, resultante do sucateamento ambiental propiciado pelo Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, tem influenciado negativamente inclusive acordos internacionais importantes para o Brasil. Um destes resultados foi a oposição da União Europeia em ratificar acordos comerciais com o Mercosul devido a atual política ambiental brasileira.

Salles, Tereza Cristina e Bolsonaro estão arruinando não apenas a proteção ambiental ao defender falácias para tentar justificar uma política anti-ambiental, mas também acordos internacionais importantes para o agronegócio. Mentiras como o “boi bombeiro” em conjunto com o negacionismo científico e o sucateamento ambiental proposital que tem ocorrido são ações ideológicas do atual governo, que tem inclusive um potencial nocivo de afetar o agronegócio brasileiro não apenas pela perda de acordos internacionais, mas por alterações climáticas que afetam áreas de cultivo nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia também

O boi é “bombeiro” do Pantanal? Chefe da Embrapa distorce fatos ao associar queimadas à retirada de gado

Gado na Amazônia é ameaça ao bioma, aos povos tradicionais e ao próprio setor

O clima, as boiadas e a administração pública

  • Lucas Ferrante

    Doutorando em Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)

Leia também

Colunas
13 de outubro de 2020

O clima, as boiadas e a administração pública

Além dos fatores climáticos, atraso na contratação de brigadistas e desprezo do governo aos órgãos ambientais favorecem cenário atual de fortes incêndios florestais no país

Reportagens
12 de outubro de 2020

O boi é “bombeiro” do Pantanal? Chefe da Embrapa distorce fatos ao associar queimadas à retirada de gado

Não há correlação entre tamanho de rebanho e incêndios no bioma nas últimas duas décadas. Para especialistas, argumento de Miranda é simplista; fogo está relacionado a fatores sociais, ecológicos e climáticos

Reportagens
20 de fevereiro de 2024

MP entra na Justiça após três bugios morrerem eletrocutados na Região Metropolitana de Porto Alegre

Em apenas nove dias, três bugios morreram em contato com a rede elétrica. Dezoito estão sob cuidados médicos por tempo indeterminado. MPRS pede custeio do tratamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 2

  1. Ramiro Hofmeister diz:

    Chama a atenção na matéria o fato do autor tratar dos inegáveis danos da atividade pecuária às FLORESTAS. Considerando que a fitofisionomia predominante do Pantanal não ser florestal (ocupam menos de 6% do bioma) e considerando que as fitofisionomias CAMPESTRES dependem necessariamente da HERBIVORIA, não estaria o autor – com clara experiência amazônica – subestimando o passado histórico da pecuária extensiva pantaneira (diferente deste atual rebanho assentado em pastagens cultivadas)?
    Como explicar a presença por mais de 200 anos da atividade por ele condenada, quando não se tem históricos de catástrofes sequer parecidas com a atual, ou o grande incêndio de 2016 (justamente na RPPN do Sesc?
    para reflexão..


    1. Lucas Ferrante diz:

      Importante suas considerações Ramiro, Veja que o MapBiomas (https://plataforma.mapbiomas.org/) fornece dados com precisão da cobertura florestal para cada bioma, inclusive o Pantanal. Podemos observar que os tipos de vegetação predominantes no pantanal de acordo com o MapBiomas (https://plataforma.mapbiomas.org/) são florestas ou formações vegetais não florestais, como os campos mencionados por você. Embora a formação não florestal (52,43) seja quase o dobro da florestal (28,78%), as considerações se aplicam também para as áreas de savanas e campos. Veja que um problema é iniciar os incêndios para remover a vegetação natural e depois ocupar com a pecuária, o que coincide com o aumento do rebanho bovino no bioma e nas áreas queimadas dos anos anteriores também. Entenda também que as escalas de produção da pecuária pantaneira estão mudando, não se pode comparar a pecuária feita a 200 anos onde o intuído era apenas abastecer o mercado interno com a pecuária que visa atender o mercado internacional e tem aumentado exponencialmente nos últimos anos como mostra o texto, isso explica muito bem os 200 anos de atividades e aumento das queimadas. Temos que tem em mente, que são vários fatores que aumentam as queimadas além da pecuária, como mudanças climáticas e também o avanço da soja, são vários motores atuando em sinergia. Sobre os incêndios na RPPN do Sesc, tanto de 2016 como em 2017, um dos fatores já levantados como causa é a queima criminosa ou outras fontes de fogo antrópica que ocorreram fora da área da reserva e depois se alastra atingindo as área da RPPN, como abordado em matérias do próprio Sesc Pantanal (https://sescpantanal.com.br/noticia.aspx?noticia=16) e G1 (https://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/bombeiros-combatem-incendio-na-maior-reserva-particular-do-pais-localizada-no-pantanal-em-mt.ghtml).