Péssima lição

Ainda é cedo para se fazer um balanço da campanha do Ministério do Meio Ambiente contra as queimadas na Amazônia. Mas ela já produziu sua primeira obra. Trata-se de um manual que ensina a por fogo no mato sem acabar com a mata. Seu conteúdo baseia-se numa capitulação. O fogo é uma praga na visão do Ibama. Mas como o governo não tem meios de acabar com sua utilização como instrumento agrícola, o ministério decidiu tentar que ele pelo menos fosse usado com cuidado. O folheto, que leva a assinatura do Ibama, pergunta: “De que lado você está?”. Na página onde o cenário é bege, as pessoas andam seminuas e descalças, as casas ardem, as árvores têm copas de fogo e o gado virou esqueleto? Ou na página onde as borboletas voam, os casais se abraçam, as pessoas pescam no rio, as crianças jogam bola, os adolescentes namoram por cima da cerca e – não vá alguém pensar que o assentamento é só de lazer – um lavrador colhe verduras na horta? Resposta do ecochato: de nenhum deles. Basta olhar as imagens com um pouquinho de implicância, para ver que, na propriedade agrícola ideal, o rio não tem mata ciliar e a selva amazônica não passa de um bosque ralo no fundo do quintal. Na paisagem tostada pelo mau lavrador as coisas são ainda piores. Por ela vagueia um homem de mãos abanando, com uma espingarda no ombro. Ou seja: o incêndio, além de tudo, arruinou-lhe a caçada. Desde quando isso é coisa que se ensine numa cartilha do Ibama?

Por Manoel Francisco Brito
20 de agosto de 2004

Natura

A Natura, empresa brasileira de cosméticos e perfumaria que, recentemente abriu seu capital, vai descobrindo que a necessidade de se comunicar com o mercado implica em um grau muito maior de discussão pública de sua estratégia empresarial. O que no seu caso significa discutir também iniciativas de desenvolvimento sustentável, projetos ambientais e parcerias sociais, e exibir no relatório anual, ao lado dos indicadores econômico-financeiros, sete páginas de indicadores de desempenho ambiental. Vale a pena? Pelo menos neste caso parece que sim. Em reunião com analistas financeiros na quarta-feira em Cajamar, o presidente Pedro Passos indicou que a imagem ecologicamente responsável da empresa ajudou a vender suas ações para investidores estrangeiros, que absorveram 70% do total de ações ofertadas.

Por Manoel Francisco Brito
19 de agosto de 2004

Crime

Moradores de prédio situado à margem de um dos mais belos cartões postais do Rio, a Lagoa Rodrigo de Freitas, andaram protocolando pedidos na Fundação de Parques e Jardins do município para que passasse a motosserra num grupo de 11 palmeiras que sobem na frente de suas janelas. Não justificaram a razão para os pedidos, mas parece óbvio que elas estavam atrapalhando a vista que alguns dos condôminos gostariam de ter da Lagoa. Todos foram negados. Uma das palmeiras, a mais alta, recentemente exibiu sinais de que estavam tentando assassiná-la despejando óleo em suas raízes. Não se tem certeza do culpado, lembra O Globo (gratuito, pede cadastro), mas todo mundo tem um grupo de suspeitos: os moradores do prédio cujas vistas as palmeiras estão “atrapalhando”.

Por Cristina Matos
18 de agosto de 2004

Perigo

As autoridades americanas, diz o The New York Times (gratuito, pede cadastro), começaram a ficar novamente preocupadas com com reatores nucleares de pesquisa que se utilizam do mesmo tipo de urânio que as armas nucleares como combustível. Há 139 reatores deste tipo espalhados pelo mundo. Um terço deles, graças a um programa iniciado há duas décadas pelos americanos, converteu seu combustível para urânio menos explosivo. Mas os outros, incluindo seis reatores que estão em universidades americanas, continuam como estavam. Teme-se que venham a virar alvo da cobiça terrorista. Em especial os que estão em centros acadêmicos, onde a segurança está longe de ser invulnerável.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

A sutileza do vilão

O The Washington Post (gratuito, pede cadastro) acaba de publicar uma série de reportagens sobre a estratégia do governo de George Bush para tirar da frente das grandes empresas quaisquer barreiras ou custos ambientais ao seu negócio. Ao invés de tentar mudar leis, levando adiante uma luta pública contra ambientalistas, ele tem mexido nas regulamentações sobre saúde pública ou meio ambiente, de preferência em dias onde ninguém está prestando atenção, ou faz mudanças sutis, difíceis de perceber. A primeira tática ele usou em relação à tuberculose, doença que voltou a crescer nos Estados Unidos. Regras do departamento do Trabalho, que levaram mais de uma década para serem escritas, obrigavam funcionários de prisões ou hospitais que mantivessem qualquer contato com pacientes de tuberculose a serem testados sobre a doença. No dia 31 de dezembro de 2003, sem qualquer justificativa, a nova regulamentação foi cancelada. A opção pela sutileza foi aplicada à regulamentação que afetava as mineradoras. Nos anos 80, elas desenvolveram técnica de extração que dinamitava os topos dos morros e montanhas em exploração. Além de brutal, a técnica criava novo problema. Onde colocar o excesso de pedras e cascalhos que o método produzia. Em 1999, diante de uma conta que estimava em 1200 quilômetros a extensão de rios aterrados por dejetos da mineração despejados em vales, o governo mudou sua qualificação na regulamentação. Passou a chamá-los de lixo mineral. Com isso, parou com o despejo e a técnica de arrasar topo de morro praticamente sumiu. Reapareceu no ano passado, depois de Bush ter trocado a palavra que qualifica os dejetos de lixo para aterro, coisa que lhes dá o direito, segundo a legislação americana, de serem jogados em qualquer buraco.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

Casamento verde

Não chega ainda a ser uma mania, mas já é grande o suficiente para merecer uma reportagem no Guardian Unlimited (gratuito). Na Inglaterra, casais estão fazendo casamentos ecológicamente corretos. Pedem como presente que os convidados plantem árvores. Para quem mora em cidade, estar numa lista de casamento desses era dor de cabeça até pouco tempo atrás. Agora, para socorrer os convidados aflitos, existe a Future Forest, uma empresa que se especializou em dar consultorias à empresas de grande porte sobre ações de reflorestamento. Por 10 míseras libras esterlinas, ela planta a árvore, a fotografa e manda a imagem para o simpático casal com um certificado em nome do sujeito que contratou o serviço. Texto curto. Lê-se em dois minutos.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

Mais dementes

A história saiu no The Observer (gratuito) e foi publicada no domingo, 15 de agosto. O número de pessoas com diagnóstico de demência ou de doenças neuromotoras aumentou assustadoramente nas duas últimas décadas. A reportagem se baseia em artigo publicado numa revista de medicina, a Public Health. Seus autores compararam a incidência em 7 países industrializados de gente demente ou com problemas neuromotores entre 1977 e 1997. Viram que os primeiros mais do que triplicaram em número e o grupo onde estão os segundos dobrou de tamanho. Os números têm precisão científica. As causas para tamanha mudança nas estatísticas, nem tanto. A turma que fez a pesquisa acha que a culpa pode estar no aumento da poluição, principalmente química, nos países industrializados. Existem hoje 80 mil produtos químicos industrais. Alguns são pesadamente regulados. A esmagadora maioria, entretanto, não tem qualquer tipo contrôle. A leitura é rápida.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

Muita dúvida, uma certeza

Richard Muller, um físico que fez parte do grupo de cientistas da Universidade de Berkley que formulou, 25 anos atrás, a teoria mais aceita atualmente sobre a extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos – foram varridos da Terra, junto com outros organismos vivos, por cataclisma causado por impacto de corpo celeste – comemora o aniversário de sua descoberta refletindo, em artigo para a MIT Technology Review (gratuita, pede cadastro), sobre o papel do cientista. Diz que ele está mais para Sísifo, que todos os dias rolava uma pedra montanha acima, do que para Diógenes, que com sua lanterna ajudava a encontrar o caminho do conhecimento. A descoberta da qual participou sobre o destino dos dinossauros, gerou uma centena de perguntas e apenas uma certeza. O ser humano não sabe quase nada sobre extinções em massa. E isso o deixa mais vulnerável ao seu futuro. O texto é bem curto.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

Esquentando

A capa da National Geographic Magazine (acesso gratuito ao site) do mês de setembro é dedicada a um assunto, como o próprio texto da reportagem diz, cercado de desconfiança e, em larga medida, olhado com total despreocupação. Trata-se do fenômeno de aquecimento do planeta. A revista afirma, no entanto, que a Terra e sua flora e fauna dão claros sinais de que o problema não é nem remoto e nem tampouco incerto. Mesmo nos lugares mais frios do planeta, como o norte do Alaska ou os Himalaias, há claras evidências de que a temperatura está subindo. Como a revista não tem um tom alarmista, pelo menos vale prestar atenção ao seu alerta e ler a reportagem, que junto com ela, como sempre, traz ótimas fotografias. Na Internet, o texto é curto. Leva-se 5 minutos para lê-lo.

Por Cristina Matos
17 de agosto de 2004

O conhecimento é meu

Há um ano, o Brasil discute com 49 outras nações a formação de um sistema global de observação do planeta. Ele já tem um nome, Sistema dos Sistemas de Observação Global da Terra, um objetivo, integrar mundialmente dados gerados por estruturas nacionais, e uma boa noção do seu tamanho no início de 2015, data prevista para entrar em funcionamento. Serão 50 satélites, 10 mil estações metereológicas, mil bóias, 7 mil navios e 300 mil aviões. Os países envolvidos na discussão têm até dezembro para acordarem sobre um plano de implementação com prazo de 10 anos. A coordenação de toda esta estrutura não chega a ser problema na mesa de negociações. Mais sensível é o debate sobre quem terá acesso aos dados uma vez que estejam processados. É que os principais modelos matemáticos e computacionais capazes de dar sentido a estas informações estão nas mãos de americanos e europeus. Eles querem os dados, mas resistem à idéia de repartir o conhecimento.

Por Manoel Francisco Brito
13 de agosto de 2004