Passe-livre para os felinos

Reservas ambientais não são mais suficientes para impedir a extinção de grandes espécies, principalmente quando se trata de predadores. A população de leões na África, por exemplo, diminuiu drasticamente na última década porque os animais estão encurralados: ou eles sobrevivem dentro dos limites de parques nacionais – o que vai contra a natureza da espécie – ou se arriscam em campos vigiados por fazendeiros armados. Para tentar encontrar uma solução que satisfaça tanto os homens quanto os bichos, grupos de conservação em diferentes países estão criando corredores de mata que ligam reservas ambientais. Essa iniciativa, que já foi adotada no Brasil há alguns anos, agora está sendo aplicada na África e na Índia. Os fazendeiros são incentivados a ganhar dinheiro com turismo ao permitir que grandes felinos cruzem suas propriedades. Os visitantes selvagens geram mais lucros do que prejuízos. A revista americana Time, edição de 23 de agosto, traz matéria de capa sobre o tema. O acesso à versão online é pago.

Por Lorenzo Aldé
25 de agosto de 2004

Carga da pesada

A Polícia Federal apreendeu no Amapá carga com 600 quilos de urânio e tório em julho passado. Foi avaliada em R$ 1,4 milhão. A polícia já sabe quem é o dono da carga, cujo destino era São Paulo, de onde provavelmente seguiria para o exterior. Será indiciado por crime ambiental e crime de usurpação de material pertencente à União. Em estado bruto, o urânio não representa perigo ambiental iminente. Para ficar radiotativo, precisaria passsar por processo industrial de enriquecimento. Lê-se o texto em 2 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
24 de agosto de 2004

Inseticidas proibidos

O governo proibiu a produção e comercialização de inseticidas domésticos baseados no clorpirifós, diz a Folha de S. Paulo (só para assinantes). São acusados de causar danos ao sistema neurológico de seres humanos. Entre os 63 produtos há uma penca de marcas famosas na luta contra as baratas, como Baygon, Raid e SBP. O meio ambiente, e as baratas, agradecem. A leitura é rápida.

Por Manoel Francisco Brito
24 de agosto de 2004

Aliança partida

O governo inglês, habitual aliado de Washington em política externa, vai seguir seu próprio caminho em relação ao meio ambiente. O ministro do Meio Ambiente do atual gabinete de Tony Blair, Lord Whitty,  revelou ao Guardian (gratuito) que em setembro, quando o primeiro-ministro fará um aguardadíssimo discurso sobre mudanças no clima, seu governo vai se distanciar de vez de George Bush. Pretende inclusive criticar a hostilidade americana ao tratado de Kyoto. Blair tem um incentivo forte para fazer a mudança de rumo. Pesquisas indicam que o meio ambiente é um dos seus calcanhares de Aquiles nas eleições que acontecerão no início do ano que vem. Alguns analistas dizem que ela o deixa até mais frágil do que a desatrada invasão do Iraque. A leitura demora uns 5 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
24 de agosto de 2004

Eldorado

O The New York Times (gratuito, pede cadastro) toca num assunto que anda passando ao largo da imprensa brasileira. Os garimpeiros remanescentes do período dourado de Serra Pelada, na década de 80, hoje vivem no cenário devastado e inundado da velha mina sonhando em encontrar um ouro que sumiu e ganhar uma ação contra o governo federal movida pela sua cooperativa. Ela acusa o governo de ter manipulado para baixo o preço do ouro que era recolhido no local e pede uma indenização de cerca de R$ 150 milhões. Em 1992, o garimpo foi proibido e a área de Serra Pelada foi declararada Reserva Histórica Nacional. Mas o Congresso, de olho no voto de quem insistia em ficar por lá reverteu a decisão e deu título de propriedade aos garimpeiros. Há uma segunda cooperativa no local e a relação entre as duas lideranças de garimpeiros é tensa. Uma empresa americana pagou recentemente US$ 240 milhões pelo direito de explorar uma área de 247 acres que pertence a alguns garimpeiros. Os gringos fizeram prospecção e juram que ainda há 250 toneladas de ouro debaixo da terra em Serra Pelada. É leitura um pouco longa. Pede mais de 5 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
24 de agosto de 2004

Fantasma da fome

O Financial Times (área gratuita) diz que a China está diante de uma crise de abastecimento sem precedentes. Sua agricultura não consegue alimentar a população e, por essa razão, ela se tornou o maior importador de alimentos do planeta. A raiz do problema é técnica e ambiental. Os campos chineses estão sofrendo com o empobrecimento do solo, a erosão e a seca prolongada. O país revive a lembrança dos períodos de fome que assolaram a população nas décadas de 50 e 60, no século passado. Lê-se a reportagem em 2 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
24 de agosto de 2004

Pesquisa a fogo

Começou em 16 de agosto um projeto que vai dar o que falar. Apresenta-se sob o argumento de que é preciso estudar o processo de “savanização” da área de transição entre o Cerrado e a Amazônia, devastada pelas queimadas. A savanização é o irreversível empobrecimento da biodiversidade nessa região. O Projeto Savanização consiste em realizar “grandes incêndios experimentais” em 300 hectares de floresta em Mato Grosso, para acelerar o processo de degradação ambiental e permitir que os pesquisadores avaliem o efeito do fogo sobre a fauna e a flora e estimem a resistência da floresta a futuros incêndios. Serão seis anos de “queimadas experimentais”. A floresta a ser sacrificada localiza-se na Fazenda Tanguro, propriedade de Blairo Maggi, governador de Mato Grosso e maior produtor de soja do país. A lista de parceiros do Projeto Savanização inclui o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), o Woods Hole Research Center, INPE/CPTEC, Universidade de Brasília, Universidade Federal de Mato Grosso, Yale University, Stanford University e o US Forest Service.

Por Manoel Francisco Brito
20 de agosto de 2004

Monoclimática

Uma notícia que aposta no alarme. A Agência Européia do Meio Ambiente diz que a Europa será o primeiro continente a sofrer os piores efeitos do aquecimento do planeta. Lá para 2080, por exemplo, a previsão é que ela esteja assim com um clima mais brasileiro, registra O Globo (gratuito, pede cadastro). Sem inverno, só com verão. A leitura da reportagem é rápida.

Por Manoel Francisco Brito
20 de agosto de 2004

Vitória das máquinas

O The New York Times (gratuito, pede cadastro) registra mais um capítulo de uma das mais renhidas disputas na questão do meio ambiente: se máquinas devem ou não ter acesso a áreas de preservação. Nesse momento, ela tem um ringue nobilérrimo, o Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos. E no último round, as máquinas saíram ganhando. O Serviço Nacional de Parques decidiu ontem permitir por um prazo de 3 anos que snowmobiles, híbridos de trator e motocicleta barulhentíssimos, específicos para deslizar sobre a neve, poderão freqüentar o ecossistema de Yellowstone. Só precisam respeitar um limite de 750 snowmobiles por dia no interior do Parque. O número está arrepiando os cabelos de muitos ambientalistas. A reportagem leva 5 minutos para ser lida.

Por Manoel Francisco Brito
20 de agosto de 2004

Tempestade de jipes

O Guardian (gratuito) traz reportagem informando que as tempestades de areia originadas no deserto do Saara multiplicaram-se por dez nos últimos 50 anos. A causa, dizem pesquisadores da Universidade de Oxford, parece difícil de acreditar. Reclamam da Toyotização do Saara, termo usado para descrever o aumento desproporcional no uso de jipes como veículo numa determinada região. Hoje, no Saara, nem os nômades querem mais usar camêlos. Os animais foram substituídos por possantes 4 x 4. Os acadêmicos dizem que o peso dos jipes destruiu fina camada sobre a areia do deserto que a protegia da ação dos ventos. Qualquer brisa, atualmente, quase sempre acaba em tempestade.

Por Manoel Francisco Brito
20 de agosto de 2004