Colunas

Ainda há esperança

Aos 83 anos, Paulo Nogueira Neto, um dos mais importantes ambientalistas do Brasil, continua fazendo planos e se diz moderadamente otimista sobre o futuro.

27 de outubro de 2005 · 18 anos atrás

“Quem não anda, desanda.” Com esse ditado popular o ecologista Paulo Nogueira Neto explica ao mesmo tempo a sua agenda cheia, seus projetos para o futuro, e sua grande vitalidade. Aos 83 anos de idade, ele orienta alunos de pós-graduação do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, e só não dá mais aulas por que as normas da USP o impedem de fazê-lo. É membro do Conselho Nacional do Meio-Ambiente (Conama) e do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) do estado de São Paulo, entre outras atividades. E encontrou um tempinho para receber o Eco em sua casa no Morumbi, observado pelos pica-paus e bem-te-vis que freqüentam o seu jardim.

Durante os 13 anos em que dirigiu a SEMA – Secretaria do Meio Ambiente – Nogueira Neto criou o sistema ambiental do Brasil. Hoje acredita que a burocracia federal precisa de reformas para cumprir seu papel. “O Ibama tem um excesso de atribuições. Nos Estados Unidos, são quatro os órgãos do governo federal para fazer o que o Ibama faz.” Nogueira Neto via com receio a concessão de florestas públicas para a exploração madeireira, mas hoje simpatiza com o Projeto de Lei de Gestão de Florestas Públicas: “Pior do que está não dá para ficar. E o PL cria o Serviço Florestal Brasileiro, que pode ser a base para criar o Serviço Brasileiro da Biodiversidade.”

Nogueira Neto acredita que é preciso ser moderadamente otimista – por que os otimistas empreendem e realizam, mas otimismo em excesso já é ingenuidade. Dentro desse espírito, ele planeja novas unidades de conservação, necessárias por que não vai sobrar muita biodiversidade fora delas. Há recursos para isso – ele cita um programa da Fundação Moore, através da WWF e do Funbio, para financiar estudos para a criação de novas UCs na Amazônia. O objetivo é levar a cobertura do território protegido dos atuais 6% para 20%. Talvez não seja suficiente para impedir que o regime de chuvas na região se altere, mas seria um grande progresso.

No estado de São Paulo também há razões para se animar. A crescente mecanização da agricultura no estado está fazendo com que grandes extensões de terra deixem de ser cultiváveis. Terreno íngreme comporta enxada, mas não comporta máquinas agrícolas. O resultado é que a cobertura florestal do estado está crescendo, contra todas as expectativas, e de maneira sustentável.

Talvez seja o momento oportuno para lançar mais um projeto de conservação no estado, e Nogueira Neto já está estudando mais uma proposta inovadora: criar uma rede de Áreas de Relevante Interesse Ecológico englobando as centenas de fragmentos de floresta e de cerrado ainda existentes sem descuidar do interesse econômico dos seus proprietários, oferecendo-lhes a oportunidade de explorar pousadas ecoambientais nas áreas protegidas. Um verdadeiro esquema de parceria entre o público e o privado.

A influência de Nogueira Neto vai bastante além do Brasil. como membro da Comissão Brundtland (1983-87), ele é um dos pais da expressão “desenvolvimento sustentável.” Mesmo diante da ameaça da mudança climática, ele acredita em saídas para o Brasil: a única maneira de reduzir a concetração de carbono na atmosfera é plantar árvores, e o Brasil pode usar o mecanismo de desenvolvimento limpo do Protocolo de Kyoto para fazê-lo. Não se deixa desanimar pela negativa do governo americano ao Protocolo, lembrando que a Califórnia e outros estados estão lutando para reduzir emissões.

Ele encara com bom humor as freqüentes homenagens e prêmios que tem recebido. Sua perspectiva transparece quando fala do período que morou em Brasília. Diz que gostou muito do convívio com a comunidade diplomática da capital: “éramos frequentemente convidados para freqüentar as embaixadas. Não por minha causa, mas por minha esposa, que era excelente jogadora de bridge.”

Leia também

Notícias
19 de abril de 2024

Em reabertura de conselho indigenista, Lula assina homologação de duas terras indígenas

Foram oficializadas as TIs Aldeia Velha (BA) e Cacique Fontoura (MT); representantes indígenas criticam falta de outras 4 terras prontas para homologação, e Lula prega cautela

Notícias
19 de abril de 2024

Levantamento revela que anta não está extinta na Caatinga

Espécie não era avistada no bioma havia pelo menos 30 anos. Descoberta vai subsidiar mudanças na avaliação do status de conservação do animal

Salada Verde
19 de abril de 2024

Lagoa Misteriosa vira RPPN em Mato Grosso do Sul

ICMBio oficializou a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Lagoa Misteriosa, destino turístico em Jardim, Mato Grosso do Sul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.