Colunas

Manejo sem mistério

Antigas estradas na Austrália – inclusive uma descoberta recentemente - são conservadas com medidas simples que podem servir de exemplo para parques brasileiros.

18 de fevereiro de 2005 · 17 anos atrás

Nas últimas cinco colunas tratamos do Caminho do Ouro que corta o Parque Nacional da Serra da Bocaina. Apesar de sua relevância histórica e de seu potencial turístico, permanece em estado de abandono e segue sendo dilapidado pelas forças da natureza e pela mão destruidora do homem. Pena. Se estivesse localizado em outro país seria tratado como patrimônio histórico e manejado como tal.

Em fins de dezembro do ano passado, ao caminhar por recantos pouco freqüentados das florestas de Eurobdalla, a montanhista australiana Liz Innes tropeçou em uma trilha histórica toda em pé-de-moleque. Tão logo voltou à civilização, notificou as autoridades. Estuda daqui, pesquisa dali, chegou-se a conclusão de que o trecho pavimentado de 770 metros descoberto por Innes era uma parte da “Old Buckenbowra River Road”, uma estrada construída com o suor do trabalho forçado de degredados ingleses nos idos de 1850. Construída longe do litoral para evitar a necessidade de transpor os rios em seus pontos mais largos, a estrada caiu no esquecimento à medida que pontes foram sendo edificadas e uma nova estrada mais moderna e mais próxima do litoral foi sendo completada.

Imediatamente após inspecionar a descoberta de Innes, o Governo designou um arqueólogo para estudar o achado. Este determinou a pronta remoção de raízes e outros elementos desestabilizadores, de modo a impedir maior erosão do caminho antigo. Para o futuro, o Serviço Florestal do estado da Nova Gales do Sul já avisa: a “Old Buckenbowra River Road” será manejada para transformar-se em atração turística.

-“Não se pode comparar um trecho de 770 metros com uma estrada de 70 quilômetros, que é o caso do Caminho do Ouro”, bradarão logo os mais exaltados. É fato. Na mesma Austrália, contudo, a “Great Old North Road”, construída em 1836, também por prisioneiros, para ligar Sydney a Newcastle, teve 43 quilômetros de seu traçado preservados. O trecho cruza hoje os parques nacionais de Yengo e Dharug e é percorrido anualmente por diversos grupos de montanhistas que gostam de aliar a paixão pela natureza com o interesse pela história do próprio país. Ao longo do percurso, palmilham longos quilômetros pavimentados em pé-de-moleque, atravessam pontes em cantaria e apreciam as ruínas de antigos albergues que existiam às margens da estrada. Tudo isso vem com o bônus que uma floresta primária e outra secundária em avançado estágio de regeneração, uma vez transformadas em Parques Nacionais, podem oferecer. Diversas espécies florísticas somam-se ao regalo visual proporcionado por revoadas de cacatuas, saltos de canguru, escaladas de coalas e buracos de vombates (espécie de marsupial). É uma caminhada para ninguém botar defeito.

Seu manejo não é exatamente o que chamaríamos de dispendioso ou complicado a ponto de exigir um grande e detalhado plano. Resume-se a placas de madeira de sinalização direcional e placas de metal espaçadas ao longo do caminho que contam a história da estrada colonial e discorrem sobre Yengo e Dharug.

Esporadicamente, guardas florestais percorrem a estrada, repondo o que estiver danificado e fazendo a manutenção da estrada em si, isto é: retirando as raízes que brotam entre os pés-de-moleque de modo a evitar a desagregação da velha rodovia. Além disso, há a patrulha noturna, feita em fins de semana, feriados e dias escolhidos aleatoriamente, quando é verificado se os excursionistas estão acampando somente nos quatro locais especialmente designados para o pernoite e se não estão fazendo fogueiras. Este procedimento simples e barato garante que o pisoteio do solo derivado do campismo selvagem e a poluição causada pelas fezes humanas se restrinjam a poucos locais previamente selecionados pela direção dos Parques. Isso é manejo, o resto é planejar.

Leia também

Reportagens
27 de outubro de 2021

Estados da Amazônia não estão preparados para eventos climáticos extremos, mostra estudo

Nenhum dos nove estados possui sistema de alertas ou planos de contingência para lidar com inundações, secas, incêndios ou ondas de calor

Análises
27 de outubro de 2021

Um olhar sobre 36 anos da Mata Atlântica – o que aconteceu entre 1985 e 2020 e para onde vamos

O bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas

Reportagens
27 de outubro de 2021

Lobby do agronegócio reduz transparência ambiental de estados e favorece desmatamento

Governadores cedem a interesses de produtores rurais e bloqueiam ou dificultam acesso a dados públicos que poderiam apontar quem está derrubando a floresta ilegalmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta