Colunas

Gênio do mar

Albert Einstein era, além de gênio, bom poeta e um inveterado viajante de navio. Juntou todas essas qualidades para produzir um belo poema em homenagem ao mar

23 de setembro de 2004 · 18 anos atrás
  • Frederico Brandini

    Oceanógrafo e líder Avina que participou de várias expedições do Programa Antártico Brasileiro. Trabalhou como Professor do C...

Albert Einstein em Viena, 1921. Foto: Wikipédia.

Eu já sabia que Albert Einstein era genial e criativo. Mas descobri uma outra característica de sua personalidade, aliás fundamental para a harmonia entre os homens, e entre os homens e o meio ambiente. A sensibilidade. Pois é, além de tudo o que sabemos sobre Einstein, ele era poeta. E dos bons. Durante suas viagens de navio na década de 20, cruzando o Atlântico e o Pacífico a convite de Sociedades Científicas e Universidades para relatar suas idéias no campo da física pelos quatro cantos do mundo, os oceanos encontraram uma brecha na mente genial, criativa e sensível de Einstein para serem homenageados. Descobri um poema de sua autoria cuja conotação é tanto existencial (para ele) quanto ambiental.

Torne-se um Oceano

Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano, ele treme de medo. Olha para trás, para toda a jornada: os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto, que entrar nele nada mais é que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar. Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência. Você pode apenas ir em frente. O rio precisa se arriscar e entrar no oceano. E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece.

Porque só então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano. Por um lado é desaparecimento, e por outro lado é renascimento. Assim somos nós.

Voltar é impossível na existência.
Você pode ir em frente e se arriscar: Torne-se oceano !!!

 

Leia Também 

Se o mar acabar, acabou o Brasil

 

Leia também

Colunas
16 de setembro de 2004

Se o mar acabar, acabou o Brasil

Uma canoa despertou a vocação de oceanógrafo. Com ela, veio a certeza que os brasileiros há muito comprometem uma das coisas que melhor define nosso país

Reportagens
13 de maio de 2022

Os Akroá-Gamella resistem e lutam por reconhecimento

Desde 2014, os gamella aguardam demarcação de suas terras e sofrem ataques violentos de fazendeiros da região, irritados pelo processo de retomada deste povo

Salada Verde
13 de maio de 2022

Advogado assume chefia da Superintendência do Ibama no Amapá

Ministro do Meio Ambiente nomeia advogado sem experiência na área ambiental para chefiar Ibama no Amapá. Superintendência estava sem chefe desde novembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta