Colunas

Gênio do mar

Albert Einstein era, além de gênio, bom poeta e um inveterado viajante de navio. Juntou todas essas qualidades para produzir um belo poema em homenagem ao mar

23 de setembro de 2004 · 20 anos atrás
  • Frederico Brandini

    Oceanógrafo e líder Avina que participou de várias expedições do Programa Antártico Brasileiro. Trabalhou como Professor do C...

Albert Einstein em Viena, 1921. Foto: Wikipédia.

Eu já sabia que Albert Einstein era genial e criativo. Mas descobri uma outra característica de sua personalidade, aliás fundamental para a harmonia entre os homens, e entre os homens e o meio ambiente. A sensibilidade. Pois é, além de tudo o que sabemos sobre Einstein, ele era poeta. E dos bons. Durante suas viagens de navio na década de 20, cruzando o Atlântico e o Pacífico a convite de Sociedades Científicas e Universidades para relatar suas idéias no campo da física pelos quatro cantos do mundo, os oceanos encontraram uma brecha na mente genial, criativa e sensível de Einstein para serem homenageados. Descobri um poema de sua autoria cuja conotação é tanto existencial (para ele) quanto ambiental.

Torne-se um Oceano

Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano, ele treme de medo. Olha para trás, para toda a jornada: os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto, que entrar nele nada mais é que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar. Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência. Você pode apenas ir em frente. O rio precisa se arriscar e entrar no oceano. E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece.

Porque só então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano. Por um lado é desaparecimento, e por outro lado é renascimento. Assim somos nós.

Voltar é impossível na existência.
Você pode ir em frente e se arriscar: Torne-se oceano !!!

As opiniões e informações publicadas nas seções de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Colunas
16 de setembro de 2004

Se o mar acabar, acabou o Brasil

Uma canoa despertou a vocação de oceanógrafo. Com ela, veio a certeza que os brasileiros há muito comprometem uma das coisas que melhor define nosso país

Salada Verde
29 de maio de 2024

Expansão da soja no leste amazônico provocou perda de R$10 bi em serviços ambientais

Desmate e aumento das áreas agrícolas têm diminuído a capacidade da floresta de oferecer benefícios à população, mostra estudo. Cifra refere-se aos últimos 36 anos

Salada Verde
29 de maio de 2024

Mais de 150 macacos morrem no México em meio ao calor extremo

Pelo menos 157 bugios já morreram desidratados apenas no mês de maio e causa provável são as altas temperaturas no país, que chegaram à sensação térmica de 52º C

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.