Colunas

No Laos, sob chuva, uma visita ao parque dos elefantes

Por proteger espécies ameaçadas, o parque de Xe Pian, na bacia do rio Mekong, é considerado uma das 10 unidades de conservação mais importantes da Ásia.

30 de dezembro de 2011 · 11 anos atrás
  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Elefante Asiático, espécie cuja existência selvagem está seriamente ameaçada. Nesta foto, o registro de um indivíduo domesticado, utilizado para transportar turistas para as partes altas do parque de Xe Pian
Elefante Asiático, espécie cuja existência selvagem está seriamente ameaçada. Nesta foto, o registro de um indivíduo domesticado, utilizado para transportar turistas para as partes altas do parque de Xe Pian

Setembro de 2011. As monções estão no auge. Quando chegamos à Área Nacional de Conservação da Biodiversidade de Xe Pian a 150 Km ao sul da capital do Laos, Vientiane, chovia torrencialmente. Os guardas-parque, com camisetas do WWF, comiam caramujos cozidos e jogavam cartas. Apesar de não ser possível compreender uma palavra do que diziam, a impressão dada pelos olhares sorridentes era de que estávamos perdidos por ali naquela época do ano.

Instalados no Ecolodge Kingfisher, localizado dentro do parque, observamos a chuva cair sem parar por horas e horas. Logo se entende a razão pela qual Xe Pian abriga um grande charco, reconhecido como sítio Ramsar, a convenção internacional que protege as áreas úmidas.

Visualizar Área Nacional de Conservação da Biodiversidade Xe Pian em um mapa maior

O parque tem 240 mil hectares. É um dos maiores e mais importantes de toda Ásia. Possui 29 ecossistemas distintos, de vegetação de altitude a florestas densas que lembram a nossa Mata Atlântica. Rios nascidos dentro da área são tributários do Mekong, cuja a gigantesca bacia abarca 4 países do Sudeste Asiático. Por ali vivem diversas espécies, com destaque para 13 mamíferos ameaçados de extinção. Entre eles, o elefante asiático, o tigre, o gibão de bochecha amarela, o golfinho irrawady e o urso negro asiático.

Por sorte, a chuva deu uma trégua no dia seguinte e com o sol escaldante saímos caminhando pelas matas de Xe Pian. Infelizmente não vimos tigres, elefantes ou macacos. Não faltaram no entanto, belas aranhas e libelulas pelo caminho. Os nossos guias, experientes e falantes, decifraram as plantas e suas aplicações, como a palmeira utilizada para fazer os tradicionais chapéus cônicos vistos nas plantações de arroz.

Vejam no slide-show as fotos de nossa aventura. Crédito das fotos: Gustavo Faleiros e Renata Nitta

 

 

 

Área Nacional de Conservação da Biodiversidade Xe Pian (Laos)

Como ir – É possível chegar de avião tanto pela capital Vientiane quando na cidade de Pakse, no sul. Xe Pian está no meio do caminho entre estas duas cidades, percorrendo-se a Rodovia 13.

Onde ficar – O local de mais fácil acesso é a vila de Kiet Ngong, onde o único hotel na área protegida é o Ecolodge Kingfisher. Mas fora da temporada de chuvas, os laotianos tem o costume de oferecerem suas casas para os turistas. É preciso combinar com antecedência. Detalhes podem ser encontrados no site da área protegida.

Mais informações – http://www.xepian.org/

Leia também

Salada Verde
2 de dezembro de 2022

Lula afirma que deve criar “Secretaria dos Povos Originários” com status de um Ministério

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (02), o presidente eleito esclareceu que fará os anúncios dos nomes do primeiro escalão depois de ser diplomado, em 12/12

Reportagens
2 de dezembro de 2022

Encurralados pela degradação, morcegos ainda resistem em áreas de pasto no Pantanal

Estudo revela que mesmo em menor abundância, morcegos ainda buscam comida e abrigo em áreas de pasto. Resultado mostra importância da manutenção de sobras de floresta em áreas degradadas

Notícias
2 de dezembro de 2022

Sociedade e Inea pressionam e PL que flexibiliza proteção do rio Paraíba do Sul encolhe

Proposta que extingue o Refúgio de Vida Silvestre do Médio Paraíba para criar, em seu lugar, uma APA, mais flexível aos usos, foi rechaçada pela sociedade civil em sessão da Comissão de Meio Ambiente nesta quinta (1º)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta