Colunas

Não dá para neutralizar o carbono do nosso consumo

É tentadora a ideia de que podemos consumir desde que compensemos o carbono gerado na produção. Só tem um problema, essa solução é falsa

27 de março de 2012 · 10 anos atrás
  • Gustavo Geiser

    Engenheiro agrônomo com mestrado em Agroecossistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha na Polícia Federal...

Crianças plantam uma árvore. Bela cena, mas inútil se o objetivo for salvar o mundo do carbono que o nosso consumo produz. Foto: Mosman Council.

Tenho discutido bastante acerca do problema do carbono, geralmente voltado para a questão da emissão, em especial devido às queimadas e desmatamentos, que tanto combatemos. Mas um assunto que parece ainda mais distante, e menos comentado, é a questão do nosso consumo. Será que dá para neutralizar o carbono que ele gera? O consumo não seria nocivo se fosse “sustentável”, ou seja, se não prejudicasse as condições de vida no planeta. A compensação das emissões de carbono é a saída óbvia para o problema. Mas analisando essa direção, concluí que ela é impossível.

Com a calculadora ((o))eco, acabei de estimar minhas emissões de carbono. Apenas meu transporte rodoviário fica em 4,46 toneladas de carbono anuais. Para neutralizá-lo, deveria plantar 455 árvores, segundo essa conta.

Não sei qual é a base de cálculo para as árvores nessa calculadora, mas, considerando a forma mais adensada de se plantar árvores, que é um eucaliptal de espaçamento mínimo de 3 x 2 metros, concluo que tenho que arranjar 2.700 metros quadrados, todo ano, para colocar, de forma irrevogável, o carbono que despejo na atmosfera através apenas do uso do meu carro. Isso sem contar minha alimentação, consumo diverso e as viagens de avião, a trabalho ou de férias.

Que fique bem claro neste raciocínio que não estou falando apenas do sequestro de carbono, mas da manutenção desse carbono permanentemente, sem que retorne à atmosfera. Ou seja, a floresta não deve ser em nenhum momento suprimida.

Bom, vamos lá, falaram que preciso compensar minhas emissões, então vamos fazê-lo. De cara, preciso de área que não esteja coberta por florestas e que esteja apta ao plantio das minhas árvores compensadeiras.

Tudo bem, temos cerca de 1,5 bilhão de hectares agricultados no mundo, e mais de 3 bilhões de hectares de pastagens.  Arrumemos área, consigo facilmente comprar áreas de pastagens pouco produtivas, no norte ou centro-oeste, para esse fim. E aí? Durmo de consciência limpa, sabendo que estou fazendo minha parte?

Ao contrário, durmo com a consciência ainda mais pesada.

E explico o porquê. Além de estar ciente da quantidade de carbono que despejei na atmosfera, acabei de condenar uma área, que antes era produtiva, a ser o depósito permanente do resíduo do meu consumo. Ou seja, meu lixão.

Certamente o petróleo é um recurso finito, mas a superfície agricultável da terra é mais limitada ainda, e se cada um fizer essa bela ação de compensar o carbono do seu consumo na forma de árvores, muito em breve não teremos onde produzir nosso alimento.

A população do planeta é de cerca de 7 bilhões de habitantes. Hoje, utilizamos per capita cerca de 2.200 m2 de área agricultada mais 5.000 m2 de pastagens (fonte: FAO Stat). Não é preciso pensar muito para ver quão insólita é a ideia de plantar árvores para fixar o carbono do nosso consumo.

Se todos tivessem meu padrão de consumo (e ele não é descabido), pelas minhas contas, em apenas 3 anos (!) não teríamos mais área nenhuma para produzir nosso alimento, mas apenas para o “lixo” plantado para compensar o nosso carbono.

A compensação como proponho, feita na forma de florestas nativas, bosques, áreas verdes de lazer, etc., não é útil? Claro que é. Precisamos urgentemente de mais áreas verdes para garantir a conservação das espécies nativas, preservar os rios, as paisagens, e de mais parques para nos aproximar da natureza, só para exemplificar metas desejáveis. Mas ao fazer isso, não consideremos resolvido o problema da fixação de carbono, nem tampouco de sustentabilidade (que é algo relacionado à produção e consumo).

Lembro a própria Gro Brundtland, que formulou o conceito de desenvolvimento sustentável. Ela afirma que abusam do conceito. O que existe é muito marketing em cima de medidas, no máximo, paliativas.

E aí, qual a solução? Não sei, mas esquivar-se de que ainda não temos nada concreto não nos tira da beira do precipício. A mim, parece ainda pior ver ambientalistas falando de árvores, sem admitir que estão vendendo placebo.

 

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta