Colunas

I Fórum Baiano de Negócios Socioambientais: por que participar?

Cooperação entre ONGs e empresas vêm ajudando a ambas atingirem resultados significativos em suas áreas. A ideia é discutir essa parceria.

9 de dezembro de 2014 · 8 anos atrás
  • Suzana Padua

    Doutora em educação ambiental, presidente do IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, fellow da Ashoka, líder Avina e Empreen...

Precisamos de boas notícias e essa é uma delas. Cada vez mais vemos empresas assumindo responsabilidades socioambientais de maneira criativa e com vistas a darem contribuições amplas à sociedade e ao planeta em geral. O que antes eram temas ou preocupações de uma minoria, em geral composta por organizações de fins ideais, sem o almejo de lucros, agora se estendem a outras esferas, principalmente do setor privado.

E por que isso é importante? O impacto de muitas empresas privadas é enorme e atinge muita gente. Se pensarmos na cadeia de produção de uma grande empresa, por exemplo, veremos que elas lidam com imensas variações de públicos, dos fornecedores e trabalhadores aos consumidores. Com isso, ao serem social e ambientalmente corretas, influenciam uma enorme gama de pessoas, que podem passar a perceber a importância de mudar posturas, comportamentos e valores. Ao invés de se pensar somente no lucro, esta tendência passa a levar em conta questões éticas como o valor da vida humana, adotando maior respeito pelos trabalhadores, clientes, fornecedores e prestadores de serviços relacionados às produções, como também aos recursos naturais e à vida encontrada na natureza.

Quem é correto em um aspecto em geral é em todos, seja no que tange ao social ou ao ambiental. E o que é melhor, “ser correto é cada vez mais lucrativo”. Ouvi esta frase de um empresário muito bem sucedido, que na época era diretor de um banco que se tornou modelo. Corajosamente, ele pediu a clientes que tinham posturas antiéticas, como trabalhos escravos ou semiescravos em suas propriedades, ou que devastavam a natureza sem critérios, que descontinuassem suas contas com o banco que dirigia. Aos menores dava assessorias específicas para que as atividades pudessem se tornar corretas quando não o eram. Muitos de sua diretoria e Conselho foram contra, pois dinheiro era visto como dinheiro, não importando de onde viesse. Todavia, acabou prevalecendo a ousada atitude de banir o que estava errado para adotar o certo. A estória é longa e complexa, mas o surpreendente no correr do tempo foi que esta política empresarial atraiu novos investidores, muitos grandes e poderosos, que ansiavam por ética nos negócios. Buscavam caminhos diferenciados e posturas exemplares de respeito à vida de uma maneira ampla. O resultado foi que o banco acabou lucrando mais do que antes, uma grata surpresa e uma consequência inusitada aos incrédulos iniciais.

Iniciativas

Na Bahia, onde o evento vai ocorrer, existem alguns casos que valem a pena ser mencionados. Um destes tem recebido reconhecimento e prêmios que atestam mudanças de postura frente a embates e conflitos. Refiro-me a Fibria, que já teve uma relação conflituosa com as comunidades onde desempenha suas atividades econômicas. Dentre as muitas questões controversas havia a retirada de eucalipto para carvão, atividade insalubre que incluía trabalho infantil. A empresa passou a adotar transparência nas relações e criar mecanismos de diálogo com as comunidades, que se reverteram em apoio mútuo ao longo do tempo. Ao ouvir com atenção as necessidades apontadas pelas pessoas locais e trabalhar junto e não contra, uns passaram a respeitar os outros e assim passaram a perceber onde havia sinergia e pontos de cooperação, propiciando ganhos maiores para todos. A Fibria também é apoiadora do Mestrado que relato a seguir.

“Ouvir, refletir, construir soluções conjuntamente é parte dos princípios que precisam estar sempre presentes. Essas são premissas para uma vida saudável, harmoniosa e sustentável(…)”

Outro exemplo é o Instituo Arapyaú, criado por um empresário para ajudar causas diversas ligadas à sustentabilidade, principalmente no Sul da Bahia. Um dos apoios é para o Mestrado oferecido em Serra Grande pela Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade – ESCAS, ligada ao IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas. O objetivo é trazer aos profissionais da região perspectivas de amplo alcance ligadas à sustentabilidade, que possam mudar o cenário regional ao longo do tempo. Isso já está ocorrendo em decorrência da atuação de muitos Mestres formados pela ESCAS, e talvez o próprio Fórum seja um fruto indireto dessa iniciativa, já que um dos organizadores, Juca Cunha é ex-aluno e Mestre por essa Escola, e hoje sócio do SER, empresa socioambiental. O Mestrado do IPÊ acabou gerando novas oportunidades, como o MBA que a ESCAS oferece em parceria com o CEATES – USP, que também participará do Fórum. O objetivo é contagiar e influenciar o setor privado com sustentabilidade tratada de forma ampla.

São muitas as fórmulas de cooperação, mas as parcerias entre organizações não governamentais (ONGs) e empresas vêm ajudando a ambas atingirem resultados significativos. As ONGs são conhecidas por terem objetivos bem delineados, já que são movidas por ideais específicos, ou seja, foram criadas para resolver questões ligadas à saúde, à educação, ao meio ambiente, entre outras causas socioambientais. As empresas se empenham na eficácia de sua gestão, resolvendo questões burocráticas com agilidade e eficiência. Ora, a junção desses perfis quando bem articulada é poderoso na mudança de realidades indesejadas, principalmente se houver respeito e formas transparentes e desburocratizadas de se traçar objetivos comuns. O melhor dos mundos pode ser atingido num espaço de tempo mais curto do que se essas esferas continuassem a atuar separadamente.

Claro que muitos aspectos devem ser observados, tendo sempre a ética como base das relações. Ouvir, refletir, construir soluções conjuntamente é parte dos princípios que precisam estar sempre presentes. Essas são premissas para uma vida saudável, harmoniosa e sustentável, seja em família, nos ambientes de trabalho ou nas relações sociais em geral.

Muitos desses aspectos serão discutidos durante o I Fórum Baiano de Negócios Socioambientais, que se realizará em Salvador de 9 a 12 de dezembro deste ano. O local será o Parque Unidunas que fica na Rua José Augusto Tourinho Dantas, 1001, Praia do Flamengo, Salvador, Bahia.

A inovação do tema promete um futuro mais maduro e consciente e por isso precisa ser amplamente divulgado para públicos e setores diversos. Trata-se de um paradigma bastante novo que merece atenção. Que muitos compreendam e adotem essas novas ideias, oxalá se alastrando cada vez mais. Só assim podemos ter perspectivas mais sustentáveis, que nos tragam orgulho de termos aderido a causas que valem a pena, que dão sentido e propósito à vida. Em meio ao lamaçal de notícias devastadoras que estamos presenciado em tantas setores e organizações, essa é uma boa fonte de energia e esperança, com potencial de nos trazer um futuro mais sustentável e ético.

 

 

Leia Também
Água e floresta merecem gestão de longo prazo
Estudo alerta para extinção mil vezes maior do que a natural
Um mundo proativo precisa acreditar que é possível melhorar

 

 

 

Leia também

Notícias
30 de junho de 2022

Julgamento sobre omissão do governo no Fundo do Clima já tem maioria no STF

Cinco ministros seguiram o voto do relator, Luís Barroso, que julgou procedente a ADPF 708 e determinou que a União pare de obstruir o funcionamento do fundo. Plenária encerra nesta sexta (1º)

Notícias
30 de junho de 2022

Falta de transparência impede análise sobre legalidade da extração de madeira na Amazônia

Nenhum dos nove estados que compõem o bioma libera informações adequadas sobre cadeia madeireira, mostra estudo do Imazon divulgado nesta quinta-feira (30)

Notícias
30 de junho de 2022

Parlamentares fazem pressão para mudar Política Nacional do Meio Ambiente

Deputados tentam aprovar regime de urgência na tramitação de projeto que propõe reutilização de informações em processos de licenciamento ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta