Notícias

Gaiolas trituradas em Rondônia

Em apenas dois meses, Ibama de Rondônia apreende 90 gaiolas de pássaros e diversas peças de artesanado indígena feitas com penas. Nesta quarta tudo foi destruído por um rolo compressor.

Redação ((o))eco ·
5 de agosto de 2009 · 12 anos atrás
Foto:Divulgação/Ibama
Foto:Divulgação/Ibama

Nos últimos dois meses, operações do Ibama/Rondônia apreenderam cerca de 90 gaiolas de pássaros e diversas peças de artesanato indígenas. Nesta quarta-feira, todos foram destruídos com um rolo compressor para mostrar à população o crime cometido quando animais silvestres são mantidos em cativeiro. Não custa lembrar que a Amazônia é um dos biomas mais visados pelos contrabandistas de indivíduos da fauna e flora.
 
Antes de serem reincorporados à natureza pelos fiscais do órgão ambiental, os animais recebem uma minuciosa verificação de seus estados de saúde e condições de sobrevivência no habitat original. Além das gaiolas inutilizadas (desde novembro de 2008 já foram mais de 600) diversos ornamentos foram quebrados, como brincos com penas de pássaros, pulseiras e colares de penas e prendedores de cabelo com rabos de quati. Apesar de bonitos, eles significam desmatamento e caça ilegal. 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta