Notícias

Verde em recuperação

Começa a desafetação do Parque Estadual da Serra do Mar, no entorno da Rodovia Anchieta, área ocupada há mais de 30 anos

Redação ((o))eco ·
6 de janeiro de 2010 · 12 anos atrás

Começou em meados de dezembro a transferência das famílias que vivem no Parque Estadual da Serra do Mar, no entorno da rodovia Anchieta, que liga a capital à Baixada Santista. A medida faz parte de um plano da Secretaria Estadual do Meio Ambiente para restaurar áreas de antigas ocupações e que hoje imprimem na Unidade de Conservação um desenho em retalhos.  Nesta primeira etapa de desocupação foram retiradas 20 famílias da região de São Bernardo do Campo, realocadas em moradias do CDHU no mesmo município.

As casas já foram demolidas e, segundo a SMA, em fevereiro deve começar a recuperação ambiental da área, com plantio de quatro mil mudas de espécies nativas. No final de janeiro deve começar a transferência de mais 800 famílias. O objetivo da secretaria é remover do parque, até 2012, 5.350 famílias no total, dos bairros Cota 400, 200, Água Fria, Pilões, Sítio Queiroz e Pinhal do Miranda. Como as populações não são tradicionais ou ribeirinhas, não haverá compensação ou indenização e os moradores terão de pagar pelas novas casas.

 

Entenda melhor o assunto em:
As cicatrizes no verde da Serra do Mar

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta