Notícias

O futuro visita o Rio por três dias

Ocorre no Rio o Challenge Bibendum, evento de mobilidade sustentável para debater e expor novas tecnologias que, pela amostra, nos levarão a um futuro elétrico.

Redação ((o))eco ·
1 de junho de 2010 · 11 anos atrás

Rio de Janeiro- Inaugurado nessa segunda, no centro de convenções Riocentro, começou o Challenge Bibendum, um enorme evento sobre mobilidade sustentável organizado pela Michelin. Serão três dias de debates, exposições e demonstrações de produtos que prometem ser animados, pois incluem a possibilidade de testar carros e engenhocas que dispensam em parte ou totalmente o petróleo.

O presidente Lula abriu o encontro e fez jus à fama, encantando a platéia com seu discurso descontraído e ufanista. Falou das façanhas econômicas do seu governo (veja vídeo), destacou a facilidade com que o brasileiro hoje compra carros e caminhões por conta do aumento de crédito e festejou a nossa posição de campeão dos biocombustíveis.  Só faltou um discurso coeso sobre sustentabilidade, solapado pelo encanto com o crescimento da produção.

Participam do Bibendum de grandes montadoras a pequenas empresas e universidades. A maioria européia, mas os chineses também estão lá. Um estande representando a universidade Jiao Tong,  de Shangai, apresentava o seu modelo de carro elétrico… de baixo custo.  No departamento alto custo, a Audi mostrou o também totalmente elétrico E-tron (foto acima), um esportivo que faz de 0 a 100 km/hora em menos de 5 segundos, com um motor de 230 kW, equivalentes a 313 cavalos, e autonomia declarada de 450 quilômetros. Tanta potência não rima com sustentabilidade, embora não faça barulho. De qualquer forma, com preço previsto para meio milhão de reais, não ocupará a garagem de muitos quando estrear no Brasil em 2012. Entre as opções levinhas chamavam a atenção bicicletas e Segways. Ao todo, há talvez duas dúzias de modelos de carros e outros tipos de transporte elétricos em exibição. A partir de agora, precisamos começar a nos acostumar a pensar em watts para se referir à potência de motores e a tomar cuidado para não tomar choque na mangueira de abastecimento, na verdade, um fio bem encapado. Por seu lado, o estande da Mercedes-Benz ostentava o S400, luxuoso sedan movido por um motor híbrido gasolina/elétrico, alternativa de propulsão que, como nos EUA e Europa, já devia estar rodando por aqui faz tempo.

Entre os produtos brazuca, a Coppe-UFRJ está exibindo seu ônibus a hidrogênio e o escritório do urbanista Jaime Lerner trouxe o Dock Dock, um mini-carro elétrico feito para ser alugado em centros urbanos. Outros temas menos emocionantes incluem variedades novas de asfalto, combustíveis, pneus e softwares, todos com a intenção de aumentar a eficiência dos veículos e do trânsito e, assim, espera-se, reduzir o impacto ambiental.

O primeiro dia foi para mapear. Mas, nessa quarta, publicaremos para vocês fotos, relatos e test-drives de tudo o que cair na nossa mão. (Eduardo Pegurier)

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta