Notícias

Telhados claros ajudam a esfriar o mundo

As cidades são mais quentes do que deveriam graças aos telhados e ruas escuras. Cores mais claras aliviariam a temperatura local.

Redação ((o))eco ·
22 de julho de 2010 · 14 anos atrás

Avenida Nossa Senhora de Copacabana - Zona Sul do Rio de Janeiro - foto: Cesar Cardoso
Avenida Nossa Senhora de Copacabana – Zona Sul do Rio de Janeiro – foto: Cesar Cardoso
Usando estimativas conservadoras, cientistas do Lawrence Berkely National Laboratory estudaram o efeito de telhados e pavimentos mais claros. Se eles fossem utilizados em todas as cidades do planeta com mais  de 1 milhão de habitantes, a conclusão é que o equivalente a 57 gigatoneladas de dióxido de carbono ( cada gigatonelada é igual a 1 bilhão de toneladas métricas) deixariam de ser emitidas. Isso é como se a humanidade parece de emitir carbono por dois anos ou (por um cálculo parecido), ao efeito de 300 milhões de carros ao longo de 20 anos.

Por conta das construções e do asfalto, as cidades formam as chamadas ilhas de calor urbanas, onde a temperatura chega a ser alguns graus mais alta do que a esperada em uma área com cobertura natural na mesma região. Por isso, o uso de cores claras em telhados e outras superfícies teria um efeito ainda maior nas próprias áreas urbanas, reduzindo o  desconforto térmico nas ruas e a necessidade de ar-condicionado em ambientes fechados.

Aprenda mais sobre as ilhas de calor urbanas e as possíveis soluções para amenizá-las no site do Heat Island Group e leia o artigo de O ECO “Aquecimento local”.

(Eduardo Pegurier)

Leia também

Reportagens
20 de junho de 2024

Da crítica ao modelo de desenvolvimento às enchentes no Rio Grande do Sul

Desde 1971, Francisco Milanez milita na Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e dela retira a explicação para a mudança no clima que ainda vitima seu estado

Salada Verde
20 de junho de 2024

Elas chegaram: temporada de baleias-jubarte na costa brasileira

Pesquisadores brasileiros vêm acompanhando a rota migratória das jubarte para analisar os efeitos das mudanças ecossistêmicas na alimentação desses animais

Salada Verde
20 de junho de 2024

Tatu-canastra é fotografado durante o dia, em Minas Gerais

Animal de hábitos noturnos, espécie foi fotografada por Alessandro Abdala em um dia chuvoso no Parque Nacional da Serra da Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.