Notícias

A Groelândia está virando água

Estudo mostra que degelo atingiu seu recorde em 2010. Período do derretimento começou mais cedo do que o previsto e terminou mais tarde.

Felipe Lobo ·
20 de janeiro de 2011 · 12 anos atrás
Especialista do WWF acredita que aumento do nível do mar pode chegar a um metro em 2100. Foto: M. Tedesco.

O degelo na Groenlândia bateu o seu recorde em 2010. Este é o principal resumo de um estudo realizado pelo Laboratório de Processos da Criosfera na City College of New York (CCNY – CUNY, em inglês), que avalia as variáveis capazes de afetar o derretimento. A resposta para o fenômeno é simples: no último ano, o gelo começou a se transformar em água no final de abril e apenas parou no meio de setembro, configurando um início adiantado e término tardio. Ao todo, o foram 50 dias a mais do que o usual.

Patrocinado pelo WWF, Fundação Nacional de Ciências dos Estados Unidos (NSF, na sigla em inglês) e NASA, o documento mostra que as temperaturas no verão subiram três graus acima da média na região, além do fato de que nevou menos. Nuuk, a capital da Groenlândia, não passava por um verão e primavera tão quentes desde 1873.  O gráfico ao lado mostra o aquecimento anormal do continente gelado.

Um outro problema, de acordo com o dr. Marco Tedesco, chefe do grupo de cientistas a frente da pesquisa, foi a maior exposição do gelo nu, muito mais negro do que a neve e capaz de absorver maiores quantidades de raios solares. Ou seja, ele esquenta, derrete e vai em direção ao mar. Os resultados foram descobertos após análises das temperaturas na superfície das camadas de gelo com auxílio de dados de satélites.

Para o doutor Martin Sommerkorn, especialista em clima do WWF, o aumento do nível do mar será assustador no fim do século. “A expectativa é que chegue até um metro em 2100, muito em função do degelo. E não vai parar por aí – quando mais tempo levarmos para mitigar a produção de gases do efeito estufa, teremos mais degelo e aumento do nível das águas”.

Fenômeno aconteceu porque o derretimento do gelo começou mais cedo e acabou mais tarde do que a média histórica. Foto: M. Tedesco.
Gelo nunca derreteu tanto na Groenlândia como em 2010. Foto: M. Tedesco.

Vídeo produzido pelos pesquisadores mostram o ritmo de derretimento

 

Leia Também
Derretimento crescente no mar Ártico

Assista a animação abaixo (roteiro: Gustavo Faleiros/ edição e narração: Juliana Mori

  • Felipe Lobo

    Sócio da Na Boca do Lobo, especialista em comunicação, sustentabilidade e mudanças climáticas, e criador da exposição O Dia Seguinte

Leia também

Reportagens
12 de agosto de 2022

Conhecer para preservar: atrizes de Pantanal contam como se apaixonaram pelo bioma

Letícia e Malu explicam a paixão despertada pelo bioma durante as gravações e destacam importância da conservação para a região

Notícias
12 de agosto de 2022

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Notícias
12 de agosto de 2022

Monitoramento de baleias no Rio registra trânsito de 58 baleias próxima das ilhas Cagarras

Desde o ano passado, o Projeto Ilhas do Rio acompanha o corredor migratório das jubartes pelo litoral do Rio. Pesquisadores alertam para grande volume de lixo na rota das baleias

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta