Notícias

Quito: teleférico leva próximo a boca do vulcão

Na própria cidade de Quito, capital do Equador, é possível fazer ecoturismo. Uma opção é o passeio de teleférico, a 4.100 metros de altura.  

Felipe Lobo ·
16 de agosto de 2011 · 13 anos atrás

Felipe Lobo

Do teleférico de Quito, o teto do mundo não parece distante. Crédito: Kelly´s World
Do teleférico de Quito, o teto do mundo não parece distante. Crédito: Kelly´s World
De dentro do avião, a Cordilheira dos Andes aparece intacta, ofuscada apenas por algumas nuvens.  A turbulência na hora do pouso só reforça que a capital equatoriana, Quito, está encravada em meio a uma cadeia de montanhas. Do alto, é uma cidade perdida na serra, entre seus picos e vulcões. Mas, lá debaixo, é possível aproveitar as andanças por Quito Viejo, o centro histórico, e conhecer as danças tradicionais e a culinária típica.

Para quem quer ter contato com a natureza, não é preciso nem mesmo sair do município. Na verdade, basta subir um pouco. Quito, situada a 2.800 metros de altitude, oferece um teleférico que leva a 4.200 metros. Ao custo módico de 8,50 dólares americanos, em apenas 20 minutos se chega a colina de Cruz Loma. A essa altitude é preciso exigir dos pulmões para respirar o ar rarefeito, e colocar agasalhos bem quentes, porque o frio é intenso.

Do alto, é possível observar a belíssima cidade e suas tortuosas ladeiras, assim como olhar, caso o tempo esteja bom, o topo do vulcão Ruccu Pichincha, a 4.698 metros. Da base final do teleférico, se o fôlego estiver em dia, é possível fazer uma trilha de três horas que leva ao anel formado pela boca do vulcão. A caminhada é bem pesada. Faltando preparo ou apetite, é possível percorrer o início da trilha, tirar fotografia com lhamas e curtir algumas das mais espetaculares paisagens do Equador.

Leia também
Na neve do Cotopaxi, o vulcão ativo mais alto do mundo
Reportagens ((o))eco Amazonia sobre o Equador

  • Felipe Lobo

    Sócio da Na Boca do Lobo, especialista em comunicação, sustentabilidade e mudanças climáticas, e criador da exposição O Dia Seguinte

Leia também

Reportagens
20 de junho de 2024

Da crítica ao modelo de desenvolvimento às enchentes no Rio Grande do Sul

Desde 1971, Francisco Milanez milita na Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e dela retira a explicação para a mudança no clima que ainda vitima seu estado

Salada Verde
20 de junho de 2024

Elas chegaram: temporada de baleias-jubarte na costa brasileira

Pesquisadores brasileiros vêm acompanhando a rota migratória das jubarte para analisar os efeitos das mudanças ecossistêmicas na alimentação desses animais

Salada Verde
20 de junho de 2024

Tatu-canastra é fotografado durante o dia, em Minas Gerais

Animal de hábitos noturnos, espécie foi fotografada por Alessandro Abdala em um dia chuvoso no Parque Nacional da Serra da Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.