Notícias

Google está entre as empresas mais verdes da Internet

Com programas de eficiência energética e mitigação das emissões de CO2, a Google destaca-se entre as empresas de Internet mais ambientalmente corretas.

Flávia Moraes ·
13 de outubro de 2011 · 10 anos atrás

Usar You tube, Gmail e outros aplicativos não demandam tanta energia do computador e deram título verde ao Google em estudo do Greenpeace
Usar You tube, Gmail e outros aplicativos não demandam tanta energia do computador e deram título verde ao Google em estudo do Greenpeace
Um estudo divulgado pelo Greenpeace, em abril deste ano, aborda a questão da eficiência energética e destaca a Google como a empresa de Internet que melhor trata da necessidade de aumentar a eficiência e também de promover a mudança de suas fontes de eletricidade para as renováveis. O único item não elogiado pela pesquisa foi a transparência com relação aos dados.

Para melhorar a imagem da empresa, o vice-presidente sênior de infraestrutura técnica, Urs Hoelzle, revelou no Google Green Blog que todos tem aprendido muito nesse processo de redução de impactos ambientais da Google e busca pela transparência. “Adicionamos uma nova seção em nosso blog chamada ‘The Big Picture’, na qual divulgamos os números do nosso consumo anual de energia e emissão de carbono”, justifica.

Gary Cook, analista de tecnologia da informação (TI) do Greenpeace afirma que “a partir dos resultados da pesquisa, espera-se que mais empresas do ramo se sintam motivadas a serem transparentes e debater o uso de energia nos serviços online. Queremos ver outras companhias, como a Apple, Facebook e Microsoft fazendo o mesma que a Google”.

Em 2010, dados revelam que, antes de compensar as suas emissões, a Google gerou um total de 1,46 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono e consumiu 2,26 megawatt hora de eletricidade. Contudo, afirma que sem as medidas de eficiência energética que possui, esse número poderia ser duas vezes maior. Seguindo na linha da energia limpa, a empresa abriu seu novo centro de dados na Finlândia, o qual usa um sistema único de resfriamento de água do mar que requer bem pouca eletricidade.

Na contagem da Google, nem o usuário da Internet ficou de fora. Foi elaborada uma tabela para ter conhecimento do quanto se está emitindo dióxido de carbono e consumindo energia ao realizar atividades online, como fazer buscas e ver vídeos. Para facilitar a compreensão, usou-se certas tarefas cotidianas como equivalência. Dê uma olhada e veja o quanto você também faz parte desse processo.

A Google calculou a emissão de dióxido de carbono para algumas atividades cotidianas e objetos comparando com o uso do YouTube e do Gmail. Também buscou os valores do consumo de energia relacionado. Um minuto assistindo vídeos no YouTube requer 0,0002 quilowatt/hora (kWh). Para usar o Gmail anualmente o internauta utiliza 2,2 kWh.
A Google calculou a emissão de dióxido de carbono para algumas atividades cotidianas e objetos comparando com o uso do YouTube e do Gmail. Também buscou os valores do consumo de energia relacionado. Um minuto assistindo vídeos no YouTube requer 0,0002 quilowatt/hora (kWh). Para usar o Gmail anualmente o internauta utiliza 2,2 kWh.


  • Flávia Moraes

    Jornalista, geógrafa e pesquisadora especializada em climatologia.

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta