Notícias

Cientistas querem ressuscitar o mamute

Um time de pesquisadores russos e japoneses quer usar técnicas de clonagem para trazer de volta um animal extinto há cerca de 10 mil anos.

Eduardo Pegurier ·
9 de dezembro de 2011 · 10 anos atrás
Esse é Lyuba, um filhote de mamute-lanoso de 40 mil anos atrás, encontrado na península Yamal, no Ártico russo, e exposto no Field Museum, Chicago. foto: Alaine Browne
Esse é Lyuba, um filhote de mamute-lanoso de 40 mil anos atrás, encontrado na península Yamal, no Ártico russo, e exposto no Field Museum, Chicago. foto: Alaine Browne
O mamute-lanoso habitou as regiões mais ao norte da América do Norte e da Eurásia, segundo pesquisas feitas com ossos e carcaças do animal. Os exemplares mais antigos datam de 150 mil anos atrás e o último conhecido tem cerca de 10 mil anos. Seu nome advém da cabeleira de até 1 metro de comprimento, que o ajudava a sobreviver no frio extremo. Fósseis do animal são comuns e os mais bem preservados estão na Sibéria. Ele tinha tamanho semelhante ao atual elefante asiático e certamente cruzou com o homem. Lendas dos nativos norte-americanos fazem crer que seus antepassados cruzaram com o mamute-lanoso, que também aparece em desenhos feitos há 13 mil anos nas cavernas de Dordogne, na França.

Agora, cientistas russos, do Museu Siberiano de Mamutes, e japoneses, da universidade de Kinki querem ressuscitá-lo. Esse time conseguiu isolar células de medula muito bem conservadas de um fóssil encontrado na Sibéria. Eles acham que podem produzir uma mamute-lanoso vivinho da silva através da clonagem. A técnica é a padrão: eles inserirão o material genético das células de medula dentro de células de um elefante contemporâneo. O experimento começa em 2012 e pode levar, segundo o grupo, alguns anos para ter sucesso. A barriga de aluguel do embrião clonado será também de um elefante-fêmea. Segundo os cientistas, o ideal seria uma vaca, mas ela é pequena demais para levar a gestação a termo.

 

 

A BBC ouviu membros do Instituto Roslin, que clonou a famosa ovelha Dolly. Seus cientistas duvidam que a experiência funcione, pois consideram que dificilmente as células de medula do mamute estão intactas. Se de fato estiverem, acreditam que as chances de sucesso ficam entre 1-5%.

 

Outros cientistas são mais otimistas, pois a experiência não é inédita. A cabra-montês (Capra pyrenaica), extinta em 2000, foi clonada em 2009 com células que tinham cerca de 10 anos de idade. O feto clonado chegou a nascer, mas, devido a problemas respiratórios, sobreviveu por poucos minutos.

 

Ilustração do mamute-lanoso (Mammuthus primigenius) exposta no Royal British Columbia Museum, no Canadá
Ilustração do mamute-lanoso (Mammuthus primigenius) exposta no Royal British Columbia Museum, no Canadá

 

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta