Notícias

PNUMA alerta: falhamos em biodiversidade e clima

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente divulgou relatório nesta quarta (06) com análise de 90 metas. Avançamos mesmo em 4.

Fabíola Ortiz ·
6 de junho de 2012 · 12 anos atrás

 

Mesa com os apresentadores do relatório Panorama Ambiental Global. Foto: Divulgação
Mesa com os apresentadores do relatório Panorama Ambiental Global. Foto: Divulgação

Rio de Janeiro — O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) divulgou, nesta quarta (06), relatório com análise de 90 metas globais e constatou que apenas 4 apresentaram progresso: fim da produção e uso de substâncias que destroem a camada de ozônio, eliminação do chumbo nos combustíveis, acesso crescente a fontes de água e mais pesquisas para reduzir a poluição no mar.

Entre os destaques negativos do relatório, pouco se avançou no enfrentamento das causas das mudanças climáticas ou na proteção da biodiversidade. A civilização humana está próxima de superar os limites planetários. Esta foi principal mensagem deixada pela quinta edição do relatório Panorama Ambiental Global (Global Environmental Outlook, GEO-5).

Mantido o ritmo atual, as emissões de gases de efeito estufa podem dobrar nos próximos 50 anos, aumentando a temperatura global em 3ºC ou mais até o final do século. O relatório revela que o período de 2000 a 2009 foi o mais quente já registrado e que, em 2010, o mundo emitiu as mais altas taxas de gases provenientes da queima de combustíveis fósseis e da produção de cimento.

O estudo adverte que, caso a temperatura mundial aumente para 2,5ºC, os prejuízos econômicos em consequência do aumento da temperatura são estimados entre 1 e 2% do PIB mundial todos os anos até 2100. Só em impactos e desastres provocados pelas mudanças do clima, o custo de adaptação de zonas costeiras, que sofrem ações diretas do aumento do nível dos mares e de tempestades, é estimado entre US$ 26 e US$ 89 bilhões até 2040.

O diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner, reforçou que a mudança do clima é hoje o maior desafio que a humanidade enfrenta, pois ainda não se encontrou nenhum mecanismo político viável para conter o problema. “O futuro das mudanças climáticas, da segurança alimentar, da pesca nos oceanos, da agricultura e do transporte público são escolhas que vão determinar o desenvolvimento sustentável de nossa sociedade. Hoje não temos uma solução nas arenas políticas”, argumentou.

Biodiversidade ameaçada

O mundo não conseguiu alcançar a meta dos Objetivos do Milênio de reduzir significativamente a taxa de perda de biodiversidade até 2010. Cerca de 20% das espécies de vertebrados estão ameaçadas. Os corais são os organismos vivos mais ameaçados de iminente extinção. Desde a década de 80, os recifes sofreram uma redução de 38% e as projeções para 2050 apontam para o seu fim.

“A erosão da biodiversidade é um processo que vem ocorrendo há séculos e estamos perdendo espécies diariamente a taxas alarmantes e as mudanças climáticas podem acelerar e muito essa perda”, avalia o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil, Carlos Nobre, que integrou o painel de mais de 300 cientistas que elaboraram o relatório.

Poluição do ar e mortes prematuras

Poucos avanços foram constatados no que se refere à diminuição da poluição do ar que é uma das principais causas de mortes prematuras. Por ano, 2 milhões de pessoas morrem precocemente em razão dos altos índices de poluição, dos quais 900 mil são óbitos de crianças menores de cinco anos.

O ozônio troposférico, que fica nas camadas mais baixas da atmosfera, mata cerca de 700 mil pessoas por problemas respiratórios, a sua maioria na Ásia (75%). Embora benéfico na estratosfera em que o ozônio forma uma camada protetora contra efeitos da radiação ultravioleta, o gás tem efeitos tóxicos aos seres vivos.
Na agricultura, os prejuízos econômicos planetários pela poluição do ar também são expressivos, entre US$ 14 e 26 bilhões por ano.

Escassez de água

O acesso à água aumentou, mas a sua qualidade e disponibilidade insuficiente continuam a ser as maiores causas de problemas de saúde. Enquanto as mudanças climáticas avançam e o a população mundial cresce, a pressão por acesso aos recursos hídricos é segue na mesma direção. Mais de 600 milhões de pessoas não terão acesso à água potável até 2015, enquanto mais de 2,5 bilhões não terão acesso a saneamento básico.

Até 2030, US$ 11 bilhões terão que ser gastos todos os anos para garantir o abastecimento de volumes suficientes de água, especialmente nos países em desenvolvimento.

Visão realista

Segundo Nobre, o relatório reúne conhecimento científico para embasar e apoiar a formulação de políticas públicas e traduz ao mesmo tempo o “censo de urgência” e  expectativa que ronda a Rio+20. “O futuro não está esperando por nós. Tenho uma avaliação realista, não diria pessimista. É a partir da realidade do estado do planeta que temos que tomar as decisões”.

Nobre critica a inércia política vivida nos últimos 20 anos no plano internacional. “A Rio+20 é um momento em que a reflexão não é só dos indicadores ambientais, é um momento de mostrar que não se consegue separar a agenda ambiental da inclusão social e do desenvolvimento econômico”, afirmou.

Só no Brasil, mais da metade do PIB nacional depende de recursos naturais. Há preocupação que a floresta amazônica não resista a um aquecimento acima de 4ºC, pois nesse caso se tornaria uma savana. Hoje, a temperatura da Amazônia já subiu 1ºC. A floresta também pode padecer se o seu desmatamento superar 40% da sua área. “Não há nenhum limite que não possa ser revertido, mas estamos muito próximos de encontrar a irreversibilidade, por isso a ação é urgente”, concluiu Nobre.

  • Fabíola Ortiz

    Jornalista e historiadora. Nascida no Rio, cobre temas de desenvolvimento sustentável. Radicada na Alemanha.

Leia também

Colunas
25 de julho de 2024

De olho no clima e na imprensa: o monitoramento do Observatório de Jornalismo Ambiental sobre a cobertura das enchentes no RS

Observatório não só informa sobre a emergência climática mas também instiga o público a analisar criticamente o papel da imprensa diante desse cenário

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.