Notícias

Cercas para proteger o rei das selvas

Pesquisadores propõem cercar áreas habitadas por leões para separá-los de seres humanos e evitar declínio de populações do felino na África.

Vandré Fonseca ·
8 de março de 2013 · 9 anos atrás
Reserva de Tswalu Kalahari, na África do Sul: cercas protegem leões da concorrência por presas e das retaliações dos pastores revoltados com ataques a animais de criação. Foto: Luke Hunter/Panthera.
Reserva de Tswalu Kalahari, na África do Sul: cercas protegem leões da concorrência por presas e das retaliações dos pastores revoltados com ataques a animais de criação. Foto: Luke Hunter/Panthera.

Para reduzir os custos e viabilizar as ações de proteção aos leões na África, especialistas estão propondo que os habitats onde os animais vivem sejam isolados e os seres humanos sejam mantidos fora destas áreas. Em ambientes compartilhados pelas duas espécies, os leões levam a pior. São ameaçados por pastores irritados com ataques a animais de criação, sofrem concorrência por presas e com a perda e fragmentação dos habitats.

A proposta está no relatório Conserving large carnivores: dollars and fence (Conservando grandes carnívoros: dólares e cercas), publicado esta semana no jornal científico Ecology Letters. Foram utilizados dados coletados em 11 países, para comparar os custos de manejar habitats cercados e áreas livres, levando em consideração também a densidade de populações e as ameaças que afetam os leões.

A avaliação demonstrou que nas áreas cercadas, os custos de conservação são baixos, ao mesmo tempo em que o tamanho e densidade das populações de leões se mantêm maiores, se comparadas às áreas não cercadas. No final do ano passado, outro estudo já havia demonstrado que o habitat dos leões na África atualmente equivale a apenas 25% da área original. A população do rei da selva caiu de aproximadamente 100 mil animais na década de 1960 para cerca de 32 mil nos dias de hoje.

Existem iniciativas de sucesso que têm contribuído para proteger leões condenados a compartilharem o mesmo ambiente que populações humanas, como os Programas Leonardo e os Guardiões de Leões, ambos da Fundação Panthera. O problema é o custo. Para os pesquisadores, não importa se foram usadas cercas ou zonas de amortecimento administradas com rigor, separar leões dos seres humanos é essencial para a sobrevivência dos grandes felinos.

Os autores do estudo afirmam que se não forem tomadas medidas urgentes, aproximadamente metade das populações selvagens da África pode se aproximar da extinção dentro de um intervalo de 20 a 40 anos. O relatório foi preparado sob a liderança do professor Craig Packer, da Universidade de Minnesota, e contou com a participação de um grande time de biólogos, entre eles o presidente da Fundação Panthera, Luke Hunter, e o diretor do Programa Leão, Guy Balme.

“Ninguém quer colocar mais cercas em volta das maravilhosas áreas selvagens da África, mas sem um incremento imediato e massivo no compromisso para conservação do leão, nós poderemos ter pouca escolha”, afirma Luke Hunter.


Leia também

Reportagens
26 de maio de 2022

Melhorar planejamento e licenciamento reduziria impactos ferroviários à fauna

Mortandade de animais pode crescer com projetados 50 mil quilômetros de novas linhas para escoar produtos agropecuários e minerais, inclusive pela Amazônia

Salada Verde
25 de maio de 2022

CPI/PUC lança plataforma sobre os 10 anos do Código Florestal

Ferramenta concentra análises, pesquisas e dados sobre a implementação da Lei 12.651/2012 em todos os estados brasileiros

Notícias
25 de maio de 2022

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 66% e chega a 21,6 mil hectares em 2021

Estados que estavam perto de atingir o desmatamento zero, como São Paulo e Sergipe, voltam a apresentar alta na destruição do bioma, revela Atlas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta