Notícias

Operação Onda Verde varre a Amazônia atrás do desmatamento

Com ajuda de helicópteros, imagens de precisão, informática e veículos pesados, Ibama aumenta autuações em operação para durar ano inteiro.

Fábio Pellegrini ·
21 de março de 2013 · 9 anos atrás
Por ar e por terra, agentes do Ibama estão monitorando a Amazônia em seis frentes. Foto: Ibama/Divulgação.
Por ar e por terra, agentes do Ibama estão monitorando a Amazônia em seis frentes. Foto: Ibama/Divulgação.

Com o uso de viaturas com tração 4×4 adaptadas para o solo amazônico, 7 helicópteros e o apoio operacional da Força Nacional, o Ibama investe no combate aos crimes ambientais na Amazônia Brasileira. As equipes estão divididas em 6 frentes de trabalho em Rondônia, Mato Grosso, Amazonas e Pará, com possibilidade de se ramificarem de acordo com as necessidades que surgirem.

A operação começou em 4 de fevereiro e, segundo o órgão, vai durar o ano todo. A ideia é ocupar a Amazônia os 365 dias do ano, submetendo infratores ao rigor da legislação: multas, embargo de áreas produzindo de forma ilegal ou desmatadas ilegalmente, apreender equipamentos e maquinários e até mesmo destruí-los, se necessário. Agentes e analistas do Ibama de todas as unidades federativas estão sendo convocados em escala de rodízio, que inclui plantões, para não dar descanso para os desmatadores nem em finais de semana e feriados.

Olhar eletrônico

Sistema de monitoramento via satélite, em tempo real, permite deslocamento imediato das equipes e registro de flagrantes. Foto: Ibama/Divulgação.
Sistema de monitoramento via satélite, em tempo real, permite deslocamento imediato das equipes e registro de flagrantes. Foto: Ibama/Divulgação.

A metodologia consiste em utilizar-se de dados diários, derivados das imagens de satélite captadas pelo sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), operado pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Entre os recursos, estão os mapas de alta resolução produzidos pelos satélites RapidEye, que permitem saber qual a causa da degradação da cobertura vegetal. A precisão dos satélites surpreende: é possível enxergar o solo por entre as nuvens, com boa resolução de até cinco metros. O Ibama comprou o pacote com as imagens em alta resolução no final do ano passado.

Satélites também facilitam a comunicação entre os chefes das frentes de trabalho através de teleconferência.

A tecnologia e os veículos adaptados ao terreno colocam a fiscalização à frente dos desmatadores. Antes, eles aproveitavam a temporada de chuvas (verão) para agir, sabendo que a cobertura de nuvens dificultaria o monitoramento por satélite, e que, por terra, o acesso rodoviário nesse período era difícil, com as chuvas deixando as estradas em péssimo estado.

Em apenas 40 dias, somente em Mato Grosso, já foram apreendidos 15 tratores, sendo 4 de esteira, cujo poder de destruição é bem maior, 5 caminhões e 2 colheitadeiras, além de 70 toneladas de arroz.

Não é só o Ibama que utiliza de tecnologia: muitos dos maquinários apreendidos são de última geração. Foto: Ibama/Divulgação.
Não é só o Ibama que utiliza de tecnologia: muitos dos maquinários apreendidos são de última geração. Foto: Ibama/Divulgação.

Embargou-se 3.790 hectares de terras e as multas aos infratores somaram mais de R$ 12 milhões. No Pará, na região de Novo Progresso, o Ibama aplicou cerca de R$ 7 milhões em multas. Há desmatamentos, porém, que ainda não receberam autuação. Foram embargados por edital, porque não se conhece os posseiros das terras. Em Rondônia, o estrago do desmatamento ilegal chegou a 3,6 mil hectares. Lá, o Ibama apreendeu quatro tratores e aplicou multas que somam R$ 5 milhões.

A ordem é fechar o cerco até mesmo a possíveis cúmplices dos crimes ambientais, categoria que inclui aqueles que participam da comercialização de produtos em situação irregular como: armazenar grãos produzidos em áreas embargadas ou ilegais e transportar madeira ilegal.

A novidade desta operação é o auto de infração eletrônico. Marcus Keynes, superintendente do Ibama no Mato Grosso, explica: “Os agentes registram a infração em um equipamento que permite, com um clique, disponibilizar todas as informações nos sistemas de controle, o que nos dá agilidade, facilitando o combate imediato aos ilícitos ambientais, colaborando inclusive com os autos do processo administrativo e criminal”.

A Operação Onda Verde foi minuciosamente planejada ao longo de 2012, o que inclui treinar os servidores do Ibama a usar o aparato tecnológico. Outro ponto importante foi a parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Justiça que permitiu o apoio da Força Nacional.

Parceria entre os Ministérios do Meio Ambiente e da Justiça disponibilizou sete aeronaves e apoio operacional da Forca Nacional de Segurança. Foto: Ibama/Divulgação.
Parceria entre os Ministérios do Meio Ambiente e da Justiça disponibilizou sete aeronaves e apoio operacional da Forca Nacional de Segurança. Foto: Ibama/Divulgação.

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta