Notícias

Aquecimento global: ultrapassado limiar crítico de carbono

Cientistas informam que concentração de gás carbônico (CO²) na atmosfera atingiu 400 ppm, nível preocupante. Chegamos ao ponto sem retorno?

Rafael Ferreira ·
18 de maio de 2013 · 9 anos atrás
Concentração de dióxido de carbono no observatório de Manua Loa, no Havaí. As medições, realizadas com regularidade desde 1958, são o melhor retrato da concentração do gás na atmosfera do planeta. Fonte: Scripps Institute of Oceanography/Divulgação.
Concentração de dióxido de carbono no observatório de Manua Loa, no Havaí. As medições, realizadas com regularidade desde 1958, são o melhor retrato da concentração do gás na atmosfera do planeta. Fonte: Scripps Institute of Oceanography/Divulgação.

Na sexta-feira 10 de maio, cientistas da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), agência norte-americana de controle da atmosfera, informaram que a concentração de dióxido de carbono (CO²) ultrapassou o temido marco de 400ppm (partes por milhão) na atmosfera, uma concentração que, estima-se, a Terra não vê há 3 milhões de anos. Os pesquisadores apontavam este limiar como o pico máximo antes que os efeitos do aquecimento global se tornassem perigosos.

O dióxido de carbono (CO²) captura calor na atmosfera. Ele é o principal causador do aquecimento global, fenômeno que muitos já consideram responsável pelas mudanças climáticas observadas recentemente: fortes tempestades, furacões, ondas gigantes, além dos verões e invernos mais rigorosos. Os cientistas acreditam que essa ultrapassagem prenuncia grandes mudanças no clima e no nível do mar.

A nova medida veio dos instrumentos de análise no topo do vulcão Mauna Loa, na ilha do Havaí, que tem sido o marco zero para acompanhar a tendência mundial de concentração de dióxido de carbono. Os dispositivos ali instalados coletam amostras do ar livre de poluentes, soprado através do Oceano Pacífico, proporcionando o melhor registro do aumento do nível de CO² no globo (veja o gráfico acima).

“Isto simboliza que, até agora, falhamos miseravelmente na resolução deste problema”, disse Pieter Tans P., diretor do programa de monitoramento da NOAA.

“Não há como impedir que a quantidade de CO² atinja 400 ppm”, disse Ralph Keeling, pesquisador do Instituto Scripps de Oceanologia (Scripps Institution of Oceanography), de San Diego, que conduz um programa de monitoramento paralelo ao NOAA. Dr. Keeling é filho de Charles David Keeling, pioneiro que começou as medições rotineiras de CO² no topo do Manua Loa e em outras localidades, no fim da década de 50. “Isso agora é passado. Mas o que acontece daqui em diante ainda importa para o clima, e ainda está sob nosso controle. E principalmente se resume a quanto continuamos a depender de combustíveis fósseis para a energia”.

Leia também

Salada Verde
30 de novembro de 2021

Crônicas de um repórter andarilho

Lançado o livro “Andar a pé, uma obrigação profissional”, que reúne as melhores reportagens de Rogério Daflon, morto em 2019

Análises
29 de novembro de 2021

Compatibilizar o incompatível é solução pra quê?

Querem mudar a Lei do SNUC através de um instrumento obtuso sem suporte científico, que ignora tudo que a legislação estabelece no que concerne à proteção da nossa biodiversidade

Salada Verde
29 de novembro de 2021

ICMBio abre concurso para 171 vagas

Edital publicado nesta segunda-feira (29) oficializa o concurso para servidores do órgão ambiental, com 61 vagas para analistas e 110 de técnicos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta