Notícias

Biólogo que denunciava crimes ambientais é encontrado morto

Corpo foi encontrado em uma cachoeira em Rio Claro, no sul Fluminense, dentro do Parque Estadual Cunhambebe. Polícia suspeita de vingança.

Redação ((o))eco ·
7 de agosto de 2013 · 8 anos atrás
 
O biólogo espanhol Gonzalo Alonso Hernandez, assassinado em Rio Claro, em foto da família.
O biólogo espanhol Gonzalo Alonso Hernandez, assassinado em Rio Claro, em foto da família.

Com marcas de tiros na cabeça, foi encontrado boiando em uma cachoeira no Parque estadual Cunhambebe, em Rio Claro, o corpo do biólogo espanhol Gonzalo Alonso Hernandez, de 49 anos. O delegado da 168ª DP, Marco Antônio Alves, que investiga o caso, afirmou para o Jornal O Globo que as denúncias ambientais que o biólogo fazia na região são os motivos mais prováveis para o assassinato.

Em depoimento à polícia, a viúva de Gonzalo, Maria de Lurdes Pena Campos, afirmou que ele brigava com caçadores e palmiteiros ilegais da região. Gonçalo vivia num sítio dentro do parque estadual Cunhambebe, unidade de conservação administrada pelo Inea.

Ao jornal El Pais, Maria de Lurdes afirmou não ter dúvidas sobre o assassino de seu marido ser algum dos inimigos que ele fez por denunciar crimes contra o meio ambiente.

Gonzalo, desaparecido desde a tarde de domingo, foi encontrado por um vizinho na manhã de ontem (06/08). Ele retirou o corpo da água, cobriu a vítima com folhas de bananeiras e saiu para chamar a polícia, que já havia sido informada do desaparecimento por Maria de Lourdes.

A polícia espera o resultado do laudo do Instituto Médico Legal (IML) e da análise de imagens de uma câmera de vídeo do Inea para continuar as investigações que apura a morte do biólogo.

Leia também

Reportagens
9 de maio de 2013

APA Cairuçu, quando a proteção gera atentados à bomba

((o))eco foi a Paraty para tentar entender as razões da violência nessa Unidade de Conservação que é também um badalado destino de veraneio.

Notícias
6 de agosto de 2013

Caçador ataca casal de ambientalistas em Santa Catarina

Wigold Schaffer e Miriam Prochnow ficaram sob a mira de uma arma por mais de 30 minutos. Homem invadiu propriedade do casal para caçar.

Reportagens
25 de janeiro de 2022

A história de uma floresta vazia que, aos poucos, volta à vida

Como o Parque Nacional da Tijuca virou um laboratório de reintrodução de espécies extintas localmente. E como isso tem ajudado a salvar a floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Hoje temos o Parque Nacional da Serra do Itajaí (PNSI), com os seus 57 000 hectares em Santa Catarina, sem a presença da Anta/Tapir(
    Tapirus terrestris), sem a jacutinga (Aburria jacutinga), com populações na berlinda da endogamia para os porcos queixadas, caititus e cervos do gênero Mazama. Também na escassez para os demais cracídeos, tinamiformes, roedores como as paca (agouti paca), tucanos, bugios, etc…….

    Área temos.