Notícias

31 de julho, Dia Mundial do Guarda-parque

Data homenageia a dedicação e o trabalho inestimável de pessoas que cuidam, na linha de frente, das unidades de conservação. Parabéns!

Redação ((o))eco ·
31 de julho de 2014 · 10 anos atrás
Guarda-parques no Parque Estadual da Pedra branca, no Rio de Janeiro. Foto: Inea.

Hoje é dia de homenagear um dos principais trabalhadores das unidades de conservação do mundo: os guardas-parques. São eles os profissionais que protegem, fiscalizam e, até, combatem incêndios nas matas. No Brasil, a figura de guarda-parque só existe nas unidades de conservação estaduais.

Em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e outros estados, são os guardas-parques os verdadeiros defensores da biodiversidade dentro das unidades: aqueles que combatem a caça ilegal, a degradação ambiental e o fogo. Ser guarda-parque é uma profissão perigosa, aqui e em qualquer lugar do mundo, e esta data serve justamente para lembrar e celebrar os profissionais mortos ou feridos no cumprimento do dever.

O Dia Mundial de Guarda-parques (World Ranger Day, em inglês) foi instituído pela Federação Internacional de Guardas-parques e é comemorado desde 2007. O evento é promovido por 54 associações membros ao redor do mundo.

 

Leia Também
Guardas-parques para UCs no Rio
Homem armado ameaça guarda-parques do INEA, em Cabo Frio
Uma idéia para guardar os Parques do Rio de Janeiro

 

 

 

Leia também

Análises
19 de julho de 2024

Transespinhaço: a trilha que está nascendo na única cordilheira do Brasil

Durante 50 dias e 740 quilômetros a pé, testei os caminhos da Transespinhaço em Minas Gerais, de olho nos desafios e oportunidades para esta jovem trilha de longo curso

Notícias
19 de julho de 2024

Indústria da carne age para distrair, atrasar e inviabilizar ação climática, diz relatório

Trabalho de organização europeia analisou 22 das maiores empresas de carne e laticínios em quatro continentes

Salada Verde
19 de julho de 2024

Amazônia é mais destruída pelo consumo nacional do que pelas exportações

Consumo e economias das grandes cidades do centro-sul são o principal acelerador do desmatamento da floresta equatorial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.