Notícias

31 de julho, Dia Mundial do Guarda-parque

Data homenageia a dedicação e o trabalho inestimável de pessoas que cuidam, na linha de frente, das unidades de conservação. Parabéns!

Redação ((o))eco ·
31 de julho de 2014 · 7 anos atrás
Guarda-parques no Parque Estadual da Pedra branca, no Rio de Janeiro. Foto: Inea.

Hoje é dia de homenagear um dos principais trabalhadores das unidades de conservação do mundo: os guardas-parques. São eles os profissionais que protegem, fiscalizam e, até, combatem incêndios nas matas. No Brasil, a figura de guarda-parque só existe nas unidades de conservação estaduais.

Em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e outros estados, são os guardas-parques os verdadeiros defensores da biodiversidade dentro das unidades: aqueles que combatem a caça ilegal, a degradação ambiental e o fogo. Ser guarda-parque é uma profissão perigosa, aqui e em qualquer lugar do mundo, e esta data serve justamente para lembrar e celebrar os profissionais mortos ou feridos no cumprimento do dever.

O Dia Mundial de Guarda-parques (World Ranger Day, em inglês) foi instituído pela Federação Internacional de Guardas-parques e é comemorado desde 2007. O evento é promovido por 54 associações membros ao redor do mundo.

 

Leia Também
Guardas-parques para UCs no Rio
Homem armado ameaça guarda-parques do INEA, em Cabo Frio
Uma idéia para guardar os Parques do Rio de Janeiro

 

 

 

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs