Notícias

Governo desiste de construir hidrelétrica no Parque do Juruena

Retirada da barragem no Plano Decenal de Expansão de Energia preserva a integridade do local nos próximos anos. Ambientalistas comemoram.

Daniele Bragança ·
29 de setembro de 2014 · 7 anos atrás
Governo desiste de alagar Parque Nacional do Juruena (acima). Foto: Adriano Gambarini-WWF-Brasil/Divulgação.
Governo desiste de alagar Parque Nacional do Juruena (acima). Foto: Adriano Gambarini-WWF-Brasil/Divulgação.

O governo federal recuou na proposta de declarar o Parque Nacional do Juruena, localizado na divisa dos estados de Mato Grosso e Amazonas, como área de “utilidade pública”. Era o primeiro passo para viabilizar a construção de pelo menos 2 barragens no local.  Ao menos por enquanto as barragens foram retiradas da lista do Plano Decenal de Expansão de Energia para 2023. De acordo com a ONG WWF-Brasil, que lançou campanha para defender a integridade do parque, a desistência foi  uma vitória para a sociedade civil.

A grande preocupação dos ambientalistas era com a transformação do Parque de quase 2 milhões de hectares em reservatório para a construção das usinas hidrelétricas de São Simão Alto e Salto Augusto Baixo. Além do Juruena, os reservatórios alagariam o Parque Estadual Igarapés do Juruena e as terras indígenas Escondido e Apiaká do Pontal, no Mato Grosso. Parte do Parque Estadual do Sucunduri, no Amazonas, além de outras terras indígenas, também seriam atingidos.

“O Juruena é um dos maiores parques do País e está localizado num mosaico de áreas protegidas, ou seja, é uma região fundamental para frear o desmatamento, a ocupação desordenada e a grilagem de terras. A região é de extrema importância biológica para aves, mamíferos, répteis, anfíbios e espécies da flora ameaçadas de extinção”, explica Mauro Armelin, superintendente de conservação do WWF-Brasil.

O Plano Decenal de Energia – 2023 excluiu da listas as usinas hidrelétricas de São Simão Alto e Salto Augusto Baixo. A previsão era que as duas usinas, juntas, gerariam 4.940 MW. As duas usinas constavam nas versões anteriores do documento e foi por esse motivo que a WWF-Brasil iniciou a campanha SOS Juruena, que reuniu 22 mil assinaturas para pressionar o governo a não construir as hidrelétricas. A petição foi entregue ao Ministro de Minas e Energia.

Não se sabe se o projeto foi definitivamente engavetado ou se voltará à tona em 2023. Isso porque nesse ano será apresentado um novo Plano Decenal, que planejará a expansão da energia para mais 10 anos.  Por hora, os defensores do Parque Nacional do Juruena podem comemorar a batalha vencida.
 

Leia Também
WWF-Brasil lança campanha em prol do Parque Nacional do Juruena    
Meio ambiente e energia: um falso conflito para o Brasil
Cadê o Parque que estava aqui?

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta