Notícias

Governo desiste de construir hidrelétrica no Parque do Juruena

Retirada da barragem no Plano Decenal de Expansão de Energia preserva a integridade do local nos próximos anos. Ambientalistas comemoram.

Daniele Bragança ·
29 de setembro de 2014 · 7 anos atrás
Governo desiste de alagar Parque Nacional do Juruena (acima). Foto: Adriano Gambarini-WWF-Brasil/Divulgação.
Governo desiste de alagar Parque Nacional do Juruena (acima). Foto: Adriano Gambarini-WWF-Brasil/Divulgação.

O governo federal recuou na proposta de declarar o Parque Nacional do Juruena, localizado na divisa dos estados de Mato Grosso e Amazonas, como área de “utilidade pública”. Era o primeiro passo para viabilizar a construção de pelo menos 2 barragens no local.  Ao menos por enquanto as barragens foram retiradas da lista do Plano Decenal de Expansão de Energia para 2023. De acordo com a ONG WWF-Brasil, que lançou campanha para defender a integridade do parque, a desistência foi  uma vitória para a sociedade civil.

A grande preocupação dos ambientalistas era com a transformação do Parque de quase 2 milhões de hectares em reservatório para a construção das usinas hidrelétricas de São Simão Alto e Salto Augusto Baixo. Além do Juruena, os reservatórios alagariam o Parque Estadual Igarapés do Juruena e as terras indígenas Escondido e Apiaká do Pontal, no Mato Grosso. Parte do Parque Estadual do Sucunduri, no Amazonas, além de outras terras indígenas, também seriam atingidos.

“O Juruena é um dos maiores parques do País e está localizado num mosaico de áreas protegidas, ou seja, é uma região fundamental para frear o desmatamento, a ocupação desordenada e a grilagem de terras. A região é de extrema importância biológica para aves, mamíferos, répteis, anfíbios e espécies da flora ameaçadas de extinção”, explica Mauro Armelin, superintendente de conservação do WWF-Brasil.

O Plano Decenal de Energia – 2023 excluiu da listas as usinas hidrelétricas de São Simão Alto e Salto Augusto Baixo. A previsão era que as duas usinas, juntas, gerariam 4.940 MW. As duas usinas constavam nas versões anteriores do documento e foi por esse motivo que a WWF-Brasil iniciou a campanha SOS Juruena, que reuniu 22 mil assinaturas para pressionar o governo a não construir as hidrelétricas. A petição foi entregue ao Ministro de Minas e Energia.

Não se sabe se o projeto foi definitivamente engavetado ou se voltará à tona em 2023. Isso porque nesse ano será apresentado um novo Plano Decenal, que planejará a expansão da energia para mais 10 anos.  Por hora, os defensores do Parque Nacional do Juruena podem comemorar a batalha vencida.
 

Leia Também
WWF-Brasil lança campanha em prol do Parque Nacional do Juruena    
Meio ambiente e energia: um falso conflito para o Brasil
Cadê o Parque que estava aqui?

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta