Notícias

Imazon alerta para aumento de 427% no desmatamento

Em novembro, o desmatamento na Amazônia Legal manteve a tendência de repique, observada desde agosto. Mato Grosso teve maior aumento.

Eduardo Pegurier ·
29 de dezembro de 2014 · 8 anos atrás

Desmatamento de agosto de 2013 a novembro de 2014 na Amazônia Legal. Fonte: Imazon/SAD
Desmatamento de agosto de 2013 a novembro de 2014 na Amazônia Legal. Fonte: Imazon/SAD

O ano fecha com mais um dado preocupante sobre o desmatamento na Amazônia Legal no segundo semestre de 2014. Segundo a ONG Imazon, em novembro houve uma perda de 195 km² de florestas, o que equivale a um aumento de 427% sobre novembro de 2013. O número se refere ao chamado corte raso – desmatamento total. O Imazon também monitora a área de floresta degradada. Nesse caso, houve 86 km2 de degradação neste novembro contra 9 km2 em novembro passado.

Quase todo o desmatamento (corte raso) ocorreu ou em terras privadas (64%) ou em assentamentos de reforma agrária (31%), um total de 95%. O restante foi em áreas protegidas (4%) e Terras Indígenas, que contribuíram com apenas 1%.

Percentual do desmatamento nos Estados da Amazônia Legal em nvembro de 2014. Fonte: Imazon/SAD
Percentual do desmatamento nos Estados da Amazônia Legal em nvembro de 2014. Fonte: Imazon/SAD

Na divisão por estado, 70% das perdas (137 km²) ocorreram no Pará, seguido do Mato Grosso, com 18% (35 km²). Entre os 10 municípios mais afetados, 9 estão no Pará (veja tabela abaixo). Os três primeiros foram Pacajá (PA), Portel (PA) e Prainha (PA).

Em um período maior, entre agosto e novembro de 2014 (sobre o mesmo período de 2013), os estados onde mais aumentaram os alertas de desmatamento foram Mato Grosso, com 940%, e Roraima, com 477%. 

O SAD é considerado um sistema de alerta de desmatamento, pois tem baixa precisão. Mas há meses ele indica que nesta segundo semestre pode estar ocorrendo um pico de desmatamento

Direção

O governo terminou o ano comemorando a queda de 18% no desmatamento anual (agosto de 2013 a julho de 2014) calculado pelo Prodes, o sistema do INPE que conta com maior precisão. O dado ainda é preliminar, mas as revisões não costumam mudar muito o número final. A queda ainda não foi suficiente para compensar o aumento de 2013.

Entretanto, como o calendário usado para calcular o desmatamento vai de agosto do ano anterior a julho do ano medido, essa cifra está com o olho no retrovisor.

Como mostra o gráfico que abre este texto, em agosto, setembro, outubro e novembro de 2014, o Imazon detectou aumentos de mais de 100% no desmatamento.

Não são boas notícias na virada para 2015.

 

 

Leia também
Amazônia: desmatamento anual caiu 18%, mas ainda é alto
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

 

 

 

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Salada Verde
8 de fevereiro de 2023

Em tom provocativo, Salles diz que aceita presidir Comissão de Meio Ambiente da Câmara

No Plenário, ex-ministro comentou repercussão da notícia e atribuiu à esquerda o desejo de que ele assuma o cargo no colegiado

Notícias
8 de fevereiro de 2023

Marina instala comissão antidesmate

Vinte anos depois do PPCDAm, nova estratégia de controle do desmatamento terá 19 ministérios e abarcará todos os biomas

Salada Verde
8 de fevereiro de 2023

Criminoso ambiental na Amazônia diz que se sentia protegido por “Lei de Bolsonaro”

Informação consta em auto de infração lavrado pelo ICMBio em Roraima. Autuado apoiava ação de garimpeiros na Terra Indígena Yanomami

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta