Notícias

Lar, magnético lar! Como tartarugas acham o caminho de casa

Graças à capacidade de reconhecer assinaturas de campos magnéticos ao longo da costa, tartarugas conseguem voltar à praia onde nasceram.

Vandré Fonseca ·
15 de janeiro de 2015 · 8 anos atrás
Tartaruga-cabeçuda desovando em Melbourne Beach, na Flórida, Estados Unidos. Crédito: J Roger Brothers.
Tartaruga-cabeçuda desovando em Melbourne Beach, na Flórida, Estados Unidos. Crédito: J Roger Brothers.

Manaus, AM –  Há mais de 50 anos, cientistas discutem como as tartarugas são capazes de retornar todos os anos à praia onde nasceram para depositar seus ovos, nas mesmas areias. A solução do mistério, já se sabia, tem a ver com os campos magnéticos da Terra, mas esta resposta ainda não era suficiente.

Agora, um estudo de pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, Estados Unidos, apresenta evidências de que as tartarugas são capazes de reconhecer assinaturas magnéticas específicas do litoral. Os resultados foram publicados no jornal científico Current Biology, editado pela Cell Press.

“Nossos resultados apresentam evidência de que as tartarugas marcam um campo magnético único de sua praia natal quando ainda filhotes e usam esta informação para retornar quando adultas”, afirma o estudante de graduação e principal autor do artigo, J. Roger Brothers.

Estudos anteriores indicavam que as tartarugas usam o campo magnético da terra como guia quando estão em alto mar. Mas o papel dos campos magnéticos na jornada de retorno aos locais de desova ainda não estava claro.

O professor de Biologia Kenneth Lohmann, co-autor do novo estudo, já havia proposto há alguns anos que tartarugas, assim como salmões, são capazes de registrar campos magnéticos quando ainda são jovens. Para testar esta hipótese, os pesquisadores analisaram dados sobre locais de reprodução da tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), encontrada em águas tropicais e subtropicais de quase todo o mundo, inclusive no Brasil.

As informações foram coletadas ao longo de 19 anos, na costa Oeste da Flórida, o maior viveiro de tartarugas marinhas da América do Norte. Eles descobriram uma forte associação entre a distribuição espacial de ninhos de tartaruga e mudanças sutis no campo magnético da Terra.

“Nós raciocinamos que se as tartarugas usam o campo magnético para encontrar as praias onde nasceram, então as mudanças no campo magnético da terra poderiam influenciar onde elas fazem os ninhos”, diz J Roger Brothers.

Estudo encontrou evidências de que tartarugas são capazes de registrar assinatura de campos magnéticos do lugar onde nasceram. Crédito: J Roger Brothers.
Estudo encontrou evidências de que tartarugas são capazes de registrar assinatura de campos magnéticos do lugar onde nasceram. Crédito: J Roger Brothers.

Mudanças sutis no campo magnético do Planeta alteraram também as assinaturas dos campos magnéticos de locais na costa. Tal qual os pesquisadores haviam previsto, quando assinaturas de locais adjacentes eram registradas mais próximas umas das outras, tartarugas se aglomeravam em trechos curtos da costa. Onde as assinaturas estava mais separadas, as tartarugas marinhas se espalhavam e botavam ovos em ninhos mais afastados entre si.
Brothers  diz que  pouco se sabe sobre como as tartarugas detectam o campo geomagnético. Provavelmente pequenas partículas magnéticas no cérebro dos animais respondem ao campo magnético da terra e oferecem a base para a orientação das tartarugas marinhas.

Segundo os pesquisadores, tartarugas-marinhas provavelmente não medem esforços para encontrar os lugares onde começaram a vida, porque um assentamento bem sucedido requer uma combinação de raras características ambientais: areia macia, a temperatura certa, poucos predadores e uma praia de fácil acesso.

“A única forma de uma tartaruga fêmea ter certeza que ela está nidificando em um lugar favorável para o desenvolvimento do ovo é fazer o ninho na mesma praia onde ela eclodiu”, diz Brothers. “A lógica das tartarugas marinhas parece ser que se este [local] funcionou para mim, deve funcionar para a minha prole”.

 

 

Saiba Mais
Artigo: J. Roger Brothers e Kenneth J. Lohmann. Evidence for Geomagnetic Imprinting and Magnetic Navigation in the Natal Homing of Sea Turtles.

Leia Também
Casca-grossa, mas simpática
Ovos da tartaruga-cabeçuda não eclodem
Vamos tomar sol, diz a tartaruga

 

 

 

Leia também

Reportagens
17 de agosto de 2022

Indústria madeireira concentra exploração em apenas 2% das espécies disponíveis na Amazônia

O Brasil comercializou 998 tipos diferentes de madeira provenientes da Amazônia entre 2007 a 2020, mas, apesar desta abundância, a indústria madeireira no país está concentrada na exploração ao esgotamento de apenas 15 a 20 espécies (2%). Isso é o que mostra a mais recente edição do Boletim Timberflow, estudo sobre a cadeia da madeira

Salada Verde
16 de agosto de 2022

Brasil volta às urnas sem a opção de “candidatura verde” em 2022

A lacuna de candidaturas ligadas às propostas ambientais ocorre mesmo com a pauta do meio ambiente sendo uma das mais debatidas pela sociedade

Notícias
16 de agosto de 2022

Alvo de imbróglio jurídico, Parque Cristalino II perde quase 900 hectares em queimada ilegal

Ainda não é possível dizer se incêndio foi intencional, mas organizações alertam para “coincidência” entre fato e decisão da justiça pela extinção da unidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta